UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

PROPP promove debate sobre cotas em programas de pós-graduação

Data: 25 de maio de 2017

A Pró-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa (Propp) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em parceria com a Diretoria de Ações Afirmativas (Diaaf) promovem, hoje, 25, uma conferência, cujo tema é “cotas na pós-graduação”. O objetivo do encontro, que ocorre no anfiteatro das pró-reitorias, às 8h30, é estabelecer uma comissão para conduzir as discussões a respeito do tema na Universidade.

Em maio de 2016, a Portaria nº 12 do Ministério da Educação (MEC) estabeleceu um prazo de 90 dias para as Instituições de Educação Superior apresentarem propostas de inclusão de negros (pretos e pardos), indígenas e pessoas com deficiência em seus programas de pós-graduação.

De acordo com o MEC, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) ficou responsável pela organização de uma base de dados que informe o número de negros, indígenas e pessoas com deficiência nos programas de pós-graduação com políticas de ações afirmativas das universidades, a partir da base de dados geral dos programas de pós-graduação monitorados pela Capes.

“Muitas universidades já divulgaram processos seletivos adequados à nova portaria. Embora na maioria dos casos as políticas de ação afirmativa ainda estejam limitadas a alguns dos programas de pós-graduação, principalmente na área da Educação, na Universidade Federal da Bahia, por exemplo, as cotas já foram institucionalizadas para todos os cursos”, pondera a Pró-reitora de Pós-graduação e Pesquisa da UFJF, Mônica Ribeiro de Oliveira.

A conferência, que também contará com representantes da Associação de Alunos da Pós-graduação, será presidida pelo professor Paulo Vinícius Baptista da Silva, que atua no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná (PPGE-UFPR) e no Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB-UFPR) da instituição. O pesquisador é especialista em temas como relações raciais, racismo, políticas afirmativas, construção social da infância e políticas para a infância, dentre outros.

Estudantes e professores dos Programas de Pós-graduação, além dos demais interessados, podem participar da Conferência.