UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

A biodiversidade brasileira estampada nas cédulas do Real

Data: 6 de agosto de 2020

Texto por: Andréia Alvim

 

Cédulas do real brasileiro, estampando sua biodiversidade. A cédula de 1 real foi retirada de circulação, e a de 200 reais, com o lobo-guará, passará a circular ainda este mês.

Cédulas do real brasileiro, estampando sua biodiversidade.

 O Real brasileiro foi criado em julho de 1994 com um design totalmente diferente do cruzeiro: no verso de cada célula é estampado um animal de nossa fauna. Isso foi feito com o intuito de estimular o interesse ao meio ambiente e à proteção da fauna. Os animais nas cédulas de 1, 5, 10, 50 e 100 reais foram escolhidos pelo Banco Central (veja abaixo). Já a tartaruga-de-pente (2 reais) e o mico-leão-dourado (20 reais) foram escolhidos pelos brasileiros em uma consulta pública, já que foram lançadas apenas em 2001. Porém, mesmo com o contato diário com as cédulas, nem todas as pessoas têm conhecimento sobre esses animais. Portanto, vamos apresentar um pouco deles para vocês!

 

 

 

 

 

 

 

 

beija-florNota de R$1 – Beija-flor-de-peito-azul (espécie Amazilia lactea)

Esta ave encontra-se principalmente na região Sudeste, podendo ocorrer também na Bahia e em Goiás. Como todos os beija-flores, é um animal pequeno, e possui as costas verdes brilhantes, garganta e peito azul-violeta, e uma faixa branca que desce do peito até a barriga. São extremamente territoriais e grandes polinizadores, principalmente de bromélias. A nota de 1 real saiu de circulação em 2005, mas fica a menção honrosa a esse animal que está presente em nosso dinheiro desde a nota de 100.000 cruzeiros.

 

 

 

 

 

Tartaruga-de-penteNota de R$2 – Tartaruga-de-pente ( espécie Eretmochelys imbricata)

É uma espécie de réptil (do grupo dos quelônios) criticamente ameaçada de extinção. É encontrada principalmente em mares tropicais nos oceanos Atlântico, Índico e Pacífico. No Brasil, pode ser observada principalmente na região Nordeste, em águas rasas. Sua cabeça possui forma de V, e a boca apresenta um bico córneo, rígido, e usado para alimentação, como é comum nos quelônios. Sua carapaça pode atingir 1 metro de comprimento, é serrilhada nas laterais e possui vários escudos grossos e escuros, e os membros do animal apresentam escamas escuras e grossas. Acredita-se que, a cada mil filhotes que nascem dessa espécie, apenas um sobrevive, apresentando um ciclo de vida longo. Existem muitos predadores naturais dos filhotes, além da intervenção humana nos locais das desovas, que ocorrem nas praias (como poluição e caça ilegal).

 

 

 

garçaNota de R$5 – Garça-branca-grande (espécie Ardea alba)

A garça-branca-grande está presente em todo o território nacional. Sua penugem é toda branca, e seu bico e íris na cor amarela. Possuem pescoço e pernas longas, e penas especiais que se formam no período reprodutivo, chamadas de egretas. São predadoras, alimentando-se de pequenos peixes, serpentes, preás e podem até mesmo atacar o ninho de outras aves. Também são migratórias, podendo se deslocar em pequenas distâncias ou mesmo grandes, como os indivíduos do Pantanal, que se deslocam até a Cordilheira dos Andes durante a época de cheias dos rios.

 

 

 

 

 

 

arara vermelhaNota de R$10 – Arara-vermelha-grande (espécie Ara chloropterus)

Esta ave está presente na região Norte, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. Mede cerca de 90 cm contando com a cauda, e possui a maior parte do corpo coberta por penas vermelhas, de onde surge seu nome. Porém, possui a ponta da cauda azul e suas asas possuem camadas de vermelho, verde e azul. Como a maioria das aves, são animais monogâmicos (permanecem em casais), e gostam de copas de árvores. É uma espécie muito visada pelo tráfico ilegal de vida silvestre e, por mais que não estejam mais ameaçadas de extinção, acredita-se que não existam mais populações desses animais no Espírito Santo e no Paraná, como resultado de ação humana.

 

 

 

 

 

mico-leão-douradoNota de R$20 – Mico-leão-dourado (espécie Leontopithecus rosalia)

Este mamífero primata chama atenção pela cor avermelhada-dourada de seus pelos, e possuem uma cauda longa e garras que lhe permitem ficar agarrado a troncos de árvores. Encontram-se na Mata Atlântica e se alimentam de frutos silvestres, insetos e ovos de aves. O mico-leão-dourado foi considerado praticamente extinto durante a década de 60, o que levou à criação, em 1974, da Reserva Biológica de Poço das Antas (RJ) para preservar o hábitat natural. Desde então, uma população, que oscilava de 60 a 400 indivíduos, agora possui mais de 2500. Desde então, o mico-leão-dourado se tornou o maior símbolo de preservação de fauna no nosso país.

 

 

 

 

 

 

onçaNota de R$50 – Onça-pintada (espécie Panthera onca)

É o maior mamífero felino do continente americano, e encontra-se na Amazônia, Pantanal, Cerrado e Mata Atlântica. Seu corpo é muito robusto e possui a característica pelagem amarelo-dourado com pintas pretas. Sua mordida é considerada a mais forte entre todos os felinos do mundo, e sua dieta varia desde rãs, capivaras, antas, tatus, veados e até mesmo jacarés. São animais solitários, e machos e fêmeas se encontram apenas no período reprodutivo. É uma espécie quase ameaçada de extinção, e o desmatamento e a caça ilegal nos locais onde vivem tem afetado suas populações de forma crescente. Em abril de 2019, um macho de onça-pintada foi avistado no Jardim Botânico da UFJF, e por um longo período o local ficou fechado para que o animal fosse capturado em segurança e translocado a um local mais seguro, onde teria mais condições de se reproduzir e caçar. Não havia registro oficial desse animal na Zona da Mata mineira por pelo menos 80 anos, mas ainda existem questionamentos sobre o porquê do aparecimento tão repentino da onça. Entretanto, podemos considerar esta “visita” um ótimo indicador de recuperação da área de proteção ambiental adjacente ao Jardim Botânico (APA Mata do Krambeck).

 

 

 

garoupaNota de R$100 – Garoupa (espécie Epinephelus marginatus)

Peixe encontrado em todo o litoral brasileiro, em águas profundas. Possui lábios proeminentes e nadadeira caudal convexa, e sua cor pode variar desde verde azulado enquanto juvenil, até marrom-escuro com pontos amarelos quando adulto. Sua dieta consiste principalmente de crustáceos, moluscos e pequenos peixes. São solitários e esquivos, vivendo principalmente em fundos rochosos. São espécies hermafroditas sequenciais, ou seja, ocorre mudança de sexo ao longo da vida: atingem a maturidade sexual aos 5 anos como fêmeas, e aos 10 anos tornam-se machos. Podem viver até 50 anos. A garoupa é muito usada na alimentação no Brasil e pode trazer inúmeros benefícios a saúde, atuando na formação de glóbulos vermelhos e no bom funcionamento do sistema neurológico. No entanto, a caça intensa e indiscriminada pode prejudicar a espécie.

 

 

lobo-guaráNota de R$200 – Lobo-guará (espécie Chrysocyon brachyurus)

A nova cédula, anunciada pelo Banco Central e que entra em circulação neste mês, terá estampada em seu verso o lobo-guará. É o maior canídeo da América Latina, e é encontrado principalmente no Cerrado. Possui uma coloração vermelho-dourada, orelhas grandes e eretas, focinho grande e membros longos de cor escura. Comem desde pequenos mamíferos, aves e insetos até frutas, principalmente a “fruta-do-lobo” (Solanum lycocarpum) (veja nosso post no Instagram aqui). São territorialistas e raramente andam juntos, exceto durante o período reprodutivo. O lobo-guará está vulnerável à extinção, e atividades como desmatamento, caça ilegal e atropelamentos causam uma diminuição do número de indivíduos na natureza. Existe em MG um local chamado Santuário do Caraça, conhecido pelas constantes visitas dos lobos à procura de carne. Quando ocorre a oferta de alimento pelos padres do local, o momento de espera é usado para compartilhar informações sobre esse animal (a “hora do lobo”). Este é um exemplo de como a educação ambiental pode ajudar na preservação da nossa fauna.

 

Gostaram do texto?? Visite nosso post no Instagram para curtir, comentar e compartilhar! Até a próxima =D

 

 

Fontes de pesquisa:

https://www.cnnbrasil.com.br/business/2020/07/29/do-beija-flor-ao-lobo-guara-os-animais-que-estampam-as-cedulas-do-real

http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/terra-da-gente/fauna/noticia/2016/08/beija-flor-de-peito-azul-e-agente-polinizador-e-se-alimenta-em-grevileas.html

http://blog.abac.org.br/educacao-financeira/conheca-como-foram-criadas-as-cedulas-do-real

https://www.wikiaves.com.br/wiki/garca-branca-grande

https://www.tamar.org.br/tartaruga.php?cod=19

http://reptile-database.reptarium.cz/species?genus=Eretmochelys&species=imbricata

https://www.wikiaves.com.br/wiki/arara-vermelha

http://www.micoleao.org.br/template.php?pagina=/mico_leao_dourado/quatro_especies.php&titulo=AS%20QUATRO%20ESP%C3%89CIES&area=mico_leao_dourado

http://procarnivoros.org.br/animais/onca-pintada-panthera-onca/

https://www.fishbase.se/summary/Epinephelus-marginatus.html

https://www.santuariodocaraca.com.br/lobo-guara/

http://procarnivoros.org.br/animais/lobo-guara-chrysocyon-brachyurus/