UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

2º semestre 2017

Você está em: Área Alunos > Grade de Horários > 2º semestre 2017

GRADE MESTRADO – 2º SEMESTRE 2017

 

                

Terça-feira

 

Quarta-feira

 

Quinta-feira

 

Sexta-feira

Estética, cultura e linguagens (2039003)

Mariana Lage

Manhã

 

 

 

Arte e Moda: Interfaces (2039005)

Rosane Preciosa

Tarde

 

 

 

Teorias da Cultura e da Moda (2039002)

Elisabeth Murilho

 

Manhã

 

 

Metodologia de Pesquisa em Artes, Cultura e Linguagens 2039015

Luís Alberto Rocha Melo

 

Tarde

 

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens III (2039013)

Sérgio Puccini

 

 

Manhã

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens IV (2039014)

Alessandra Brum e Martinho Alves da Costa Junior (História)

 

 

Tarde

 

Tópicos em História da Arte (2039025)

Renata Zago e Patrícia Moreno

 

 

 

Tarde

 

Obs.: Metodologia de Pesquisa em Artes, Cultura e Linguagens é disciplina obrigatória para todos os alunos.

 

 

Ementas disciplinas 2º SEMESTRE 2017

 

Estética, cultura e linguagens

Profa. Mariana Lage

Ementa: Compreender fenômenos da arte contemporânea a partir dos conceitos de experiência estética e efeitos de presença de Hans Ulrich Gumbrecht e autores relacionados.

 

 Arte e Moda: interfaces

Profa. Rosane Preciosa

Ementa: As conversas transversais mantidas entre os campos da moda e da arte não são recentes. Elas remontam ao final do século XIX e se alastram, se intensificam no século XX, com a presença das vanguardas artísticas, em que a roupa torna-se suporte para múltiplas e singulares experimentações.

Minha proposição é que o curso se converta numa plataforma de investigação do contágio arte-moda, destacando a potência plástica que as roupas têm de desencadear outros territórios de referência para além dos normativos. Pensadas como legítimos atos de criação, as roupas anunciariam desvios, que acabam por sugerir e, talvez, desencadear mutações nos modos de pensar- sentir- viver.

Levando em conta o papel e a assimilação do legado das vanguardas artísticas, o curso pretende abordar os possíveis diálogos entre Moda e Arte a partir dos anos 60/70. Reconhece-se nestes anos uma “segunda” ruptura nos modos de expressão estética que alteram tanto a Moda quanto a Arte praticadas, e uma maior aproximação entre Arte e Vida se consolida.  É exatamente este estreitamento arte-moda-vida, e que me parece ser cada vez mais presente no contemporâneo, que eu gostaria de sublinhar.

Quanto à bibliografia, gostaria que, juntos, a discutíssemos. Tenho algumas sugestões bibliográficas referentes à Moda: – Roupa de Artista, de autoria de Cacilda Teixeira, um artigo da Fashion Theory, que relaciona Moda Contemporânea e Performance, de Ginger Gregg Duggan,  L’Art Contemporain et la Mode, autoria de Jill Gasparina,  Art & Mode, Valérie de Givry – mas aguardo sugestões para incorporarmos ao curso.

 

Teorias da Cultura e da Moda

Profa. Elisabeth Murilho da Silva

Ementa: A proposta da disciplina é refletir sobre as transformações históricas, sociais e culturais que levaram ao desenvolvimento dos estilos de vida e da moda e a importância desses temas na modernidade e contemporaneidade. Assim, a primeira parte do curso tratará do processo de civilização dos costumes e transformação dos hábitos em sociedade. Na segunda parte o curso irá abordar as transformações e configurações da cultura de moda na modernidade e contemporaneidade, ou seja, a partir da segunda metade do século XIX até a primeira década do século XXI.  Serão analisadas as mudanças na estrutura do sistema da moda e também a relação entre moda e identidade no período.

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens III

Prof. Sérgio Puccini

Ementa: O curso irá abordar questões relativas ao som no cinema e no audiovisual tais como: funções narrativas do som no cinema e no audiovisual, relações entre som e imagem, som direto, música, ruídos e vozes.

BIBLIOGRAFIA:

ALTMAN, Rick. Sound Theory/Sound Practice. New York: Routledge, 1992.

BECK, Jay; GRAJEDA, Tony. Lowering the bom, critical studies in film sound. Urbana, Chicago: University of Illinois Press, 2008.

CÂMARA, Márcio. Som direto no cinema brasileiro, fragmentos de uma história. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2016.

CAMPAN, Véronique. L’écute filmique, écho du son en image. Paris: Presses Universaitaires de Vincennes, 1999.

CHION, Michel. A audiovisão. Lisboa: Texto & Grafia, 2011.

_________________. La parole au cinema: la toile trouée. Paris: Editions de Etoile/Cahiers du Cinéma, 1988.

________________. La voix au cinema. Paris: Editions de Etoile/Cahiers du Cinéma,

1993.

________________. Film, a sound art. New York: Columbia University Press, 2009.

_________________. Le son au cinema. Paris: Cahiers du Cinéma, Editions de L’Etoile,

1985.

_________________. Technique et création au cinema, le livre des images et des sons. Paris:             ESEC Edition, 2002.

COSTA, Fernando Morais da. Som no cinema brasileiro. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.

DESHAYS, Daniel. Pour un écriture du son. Paris: Klincksieck, 2006.

____________________. Entendre le cinéma. Paris: Klincksieck, 2010.

FLÔRES, Virginia. O cinema, uma arte sonora. São Paulo: Annablume, 2013.

MANZANO, Luiz Adelmo F.. Som-Imagem no cinema. São Paulo: Perspectiva: 2003.

NOVAK, David; SAKAKEENY, Matt (org.). Keywords in sound. Durham and London, 2015.

NOUGARET, Claudine; CHIABAUT, Sophie. Le son direct au cinema. Paris: FEMIS, 1997.

ROGERS, Holly (org.). Music and sound in documentary film. London, New York: Routledge, 2015.

SCHAFER, R. Murray. A afinação do mundo. São Paulo: UNESP, 2001.

STERNE, Jonathan (org.). The sound studies reader. London, New York: Routledge, 2012.

SOUZA, João Baptista Godoy de. Procedimentos de trabalho na captação de som direto nos longas-metragens brasileiros Contra todos e Antônia: a técnica e o espaço criativo. Tese de Doutorado – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2010.

YEWDALL, David Lewis. Practical Art of motion picture sound. Burlington: Focal Press, 2007.

WEIS, Elisabeth. Film Sound: theory and practice. Nova Iorque: Columbia University, 1985.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. São Paulo: Cia. das Letras, 1999.

 

Tópicos em Artes, Cultura e Linguagens IV

Profa. Alessandra Brum (alessandra.brum@ufjf.edu.br)

Prof. Martinho Alves da Costa Junior (martinhoacjunior@gmail.com)

Ementa: Este curso tem como tema Modernidade e está dividido em duas partes. A primeira parte tem como proposta tratar das questões que envolvem a definição de modernidade no cinema. Tendo como norte a historiografia e a crítica de cinema, através de seus cânones e estruturas conceituais, procuraremos problematizar a noção de modernidade. A segunda parte do curso é dedicada a problematização da modernidade na História da Arte entendida necessariamente a partir de princípios temáticos e não cronológicos. Desta forma as aulas são orientadas por diversos períodos no quais a noção ou ideia geral de modernidade é evidenciada ao longo da história da arte.

 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

ALBERA, François. Modernidade e vanguarda no cinema. Rio de Janeiro: Beco do azougue, 2012.

ASTRUC, Alexandre. Naissance d`une nouvelle avant-garde: la caméra-stylo. L`Écran Français, n.144, 30 mars 1948.

AUMONT, Jacques. Moderno? Por que o cinema se tornou a mais singular das artes. Campinas: Papirus, 2008.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. São Paulo: Cia. das Letras, 1992.

BAECQUE, Antoine de. Cinefilia. Invenção do Olhar, história de uma cultura, 1944-1968. São Paulo: Cosac e Naif, 2010.

BAZIN, André. O que é o Cinema? Cinema, Teatro e modernidade. São Paulo: Cosac e Naif, 2014.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Magia e Técnica, arte e política. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1994.

BORDEWELL, David. Sobre a História do Estilo Cinematográfico. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

________________. Figuras Traçadas na Luz. A Encenação no cinema. Campinas: Papirus, 2008.

BURCH, Noel. Práxis do Cinema. São Paulo: Editora Perspectiva, 1992.

CHARNEY, Leo R.; SCHWARTZ, Vanessa (org.) O cinema e a invenção da vida moderna. Trad. Regina Thompson. São Paulo: Cosac & Naif Edições, 2001.

COSTA, Flávio Moreira (org.). Cinema Moderno, Cinema Novo. Rio de Janeiro: José Álvaro Editor, 1966.

DELACROIX, Eugene. Ecrits sur l’Art. Séguier, 1988.

DELEUZE, Gilles. A Imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 1990.

______________. A imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DE PILES, Roger. Dialogue sur le coloris. Paris: Nicolas Langlois, 1699.

FONTAINE, André (ed.), Conférences inédites de l’Académie Royale de Peinture et de Sculpture : d’après les manuscrits des archives de l’Ecole des Beaux-arts : La Querelle du dessin et de la couleur, Discours de Le Brun, de Philippe et de Jean-Baptiste de Champaigne, 1903.

GUÉGAN, Stéphane. Théophile Gautier. Paris: Gallimard, 2012.

HABERMAS, Jürgen; BEN-HABIB, Seyla. Modernity versus postmodernity. New German Critique, n.22, 1981, pp. 3-14.

JULLIAN, Philippe. Esthètes et Magiciens: L’art fin de siècle. Paris: Perrin,1969

KAEL, Pauline. Criando Kane e outros ensaios. Rio de Janeiro: Record, 2000.

LYOTARD, Jean-François. O Pós-moderno. Rio de Janeiro: José Olímpio,1988.

MALRAUX, André. Les Voix du Silence. Paris: Gallimard, 1951.

MARIE. Michel. A Nouvelle Vague e Godard. Campinas: Papirus, 2011.

MICHAUD, Philippe-Alain. Aby Warburg e a imagem em movimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

NAGIB, Lúcia. Tempo, magnitude e mito do cinema moderno. In: DENNISON, Stephanie (org.). World Cinema. As novas cartografias do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2013.

OLIVEIRA JR., Luiz Carlos. A Mise en scène no cinema. Do clássico ao cinema de fluxo. Campinas: Papirus, 2013.

RAMOS, Fernão (org.) Teoria Contemporânea do Cinema. Pós-estruturalismo e filosofia analítica. São Paulo: Senac, vol. I, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. Se existe uma modernidade cinematográfica. In: A Fábula Cinematográfica. Campinas: Papirus, 2013, p. 113-158.

ROSENBERG, Pierre. Fragonard. Paris: RMN, 1988

SEVCENKO, Nicolau (org.). História da vida privada no Brasil. República: da Belle époque à era do rádio. São Paulo: Cia. das Letras, 1998.

SGANZERLA, Rogério. Textos Críticos I e II (org. Manoel Lima e Sérgio Medeiros). Florianópolis: Ed. da UFSC, 2010.

SINGER, Ben. Ninfas e arranha-céus: cinema, modernidade e impulso estetizante. In: catálogo da I Jornada Brasileira de cinema silencioso. São Paulo: Cinemateca Brasileira, 2007.

STAN, Robert. A Literatura através do cinema. Realismo, magia e arte da adaptação. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

THUILLIER, Jacques. Peut-on parler d’une peinture “pompier” ?. PUF, 1984.

TRUFFAULT, François. O prazer dos olhos. Escritos sobre cinema. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

XAVIER, Ismail (org.). A experiência do Cinema. Rio de Janeiro: Graal; Embrafilme, 1983.

____________. A Sétima arte: um culto moderno. São Paulo: Editora Perspectiva, 1988.

 

Tópicos em História da Arte

Profa. Renata Zago e Profa. Patrícia Moreno

Ementa: Estudo crítico das diferentes abordagens teóricas e metodológicas no campo da história da arte buscando aprofundar as questões conceituais envolvidas na pesquisa em artes. Apanhado histórico/crítico dos espaços expositivos destinados à exibição de obras de arte. A dinâmica de diferentes instituições que compõem o sistema de arte.