UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

14/12/2000 – A infância pelas mãos do escritor: um ensaio sobre a formação da subjetividade na psicologia sócio-histórica

Você está em: Publicações > Dissertações > Dissertações Defendidas > 14/12/2000 - A infância pelas mãos do escritor: um ensaio sobre a formação da subjetividade na psicologia sócio-histórica

A infância pelas mãos do escritor: um ensaio sobre a formação da subjetividade na psicologia sócio-histórica

Autor: Taísa Costa Vliese

 

Resumo: A presente dissertação é um ensaio sobre a formação da subjetividade na infância, a partir da interpretação dos discursos memorialísticos do narrador do livro Infância de Graciliano Ramos (1980). Nosso objetivo foi retratar o processo de constituição do sujeito, através das relações de intersubjetividade retratadas entre os parceiros mais próximos do narrador, como também, a relação com os instrumentos culturais próprios da infância analisada. Assim, o processo de formação da subjetividade foi analisado de acordo com três categorias: a relação do narrador com os outros, a interação do narrador com os livros e, finalmente, o auto-retrato do narrador. A metodologia utilizada foi a leitura da obra literária como uma produção de sentidos e interpretação das narrativas de acordo com o referencial teórico sócio-histórico. Utilizamos como categorias de análise: interação social, mediação semiótica, internalização e zona de desenvolvimento proximal propostos por Vygotsky e dialogismo, constituição do eu, exotopia e polifonia elaborados por Bakhtin. Apresentamos, como principal contribuição deste trabalho, a utilização da literatura na compreensão do desenvolvimento dos processos psicológicos na infância. Além disso, acentuamos a pertinência de utilizar a literatura na formação do educador. No caso específico do livro Infância de Graciliano Ramos, podemos perceber que sua leitura tem a potencialidade de provocar o encontro do autor do livro com o leitor e deste com as memórias de infância que o constituem. Dessa forma, a literatura pode proporcionar novos elementos de significação para a formação da subjetividade do leitor e, portanto, para a sua formação profissional. Aluna: Taísa Costa Vliese – PPGE/UFJF Orientadora: Maria Teresa de Assunção Freitas Data da defesa: 14-12-00

 

Data: 14/12/2000

tw-be6cb

LIC – Linguagem, Interação e Conhecimento