UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

Sobre a pesquisa

Você está em: Pesquisas > Pesquisas - Finalizadas > Pesquisa 3 - Construção/Produção da Escrita na Internet e na Escola uma Abordagem Sócio-Cultural > Sobre a pesquisa

Objetivo:

Focalizar a escrita enquanto uma prática sócio-cultural oportunizada pela Internet e aquela desenvolvida na escola. Pretendemos conhecer e analisar, de um lado, a construção/produção da escrita de um grupo de estudantes do ensino fundamental e médio, mediada pela Internet, e de outro, aquela desenvolvida na sala de aula.

 

Questões orientadoras:

O quê, como, por quê, para quê e para quem os adolescentes escrevem na Internet e na Escola?

Que gêneros discursivos estão surgindo na escrita que produzem na Internet?

Que sentidos esses alunos estão produzindo para sua escrita na Internet e na Escola?

 

Referencial teórico-metodológico:

Autores básicos: Vygotsky e Bakhtin.

 

Características dessa abordagem:

A fonte dos dados é o texto(contexto) no qual o acontecimento emerge, focalizando o particular enquanto instância de uma totalidade social. Procura-se, portanto, compreender os sujeitos envolvidos na investigação para, através deles, compreender também o seu contexto.

 

As questões formuladas para a pesquisa não são estabelecidas a partir da operacionalização de variáveis, mas se orientam para a compreensão dos fenômenos em toda a sua complexidade e em seu acontecer histórico. Isto é, não se cria artificialmente uma situação para ser pesquisada, mas vai-se ao encontro da situação no seu acontecer, no seu processo de desenvolvimento.

 

O processo de coleta de dados caracteriza-se pela ênfase da compreensão, valendo-se da arte da descrição que deve ser complementada, porém, pela explicação dos fenômenos em estudo, procurando as possíveis relações do eventos investigados numa integração do individual com o social.

 

A ênfase da atividade do pesquisador situa-se no processo de transformação e mudança em que se desenrolam os fenômenos humanos, procurando reconstruir a história de sua origem e de seu desenvolvimento.

 

O pesquisador é um dos principais instrumentos da pesquisa porque, sendo parte integrante da investigação, sua compreensão se constrói a partir do lugar sócio-histórico no qual se situa e depende das relações intersubjetivas que estabelece com os sujeitos com quem pesquisa.

 

O critério que se busca numa pesquisa não é a precisão do conhecimento mas a profundidade da penetração e a participação ativa tanto do investigador quanto do investigado. Disso resulta que pesquisador e pesquisado têm oportunidade para refletir, aprender e resignificar-se no processo de pesquisa.

 

Instrumentos:

Observação virtual, entrevistas, análise de textos escritos pelos sujeitos nas duas situações: internet e escola.

 

FASES DA PESQUISA

1ª FASE

Estudos Teóricos: Bakhtin (Teoria Enunciativa da Linguagem), Vygotsky (Psicologia Sócio-Histórica), Walter Benjamim (Teoria Crítica da Cultura), Ong, Olson (Oralidade e escrita) e Pierre Lévy (Cybercultura), Roger Chartier (História da leitura/escrita).

Contato prático com a Internet.

 

2ª FASE

Experiência Piloto: investigação realizada a partir de dois sujeitos: estudantes de escolas de ensino fundamental e médio das redes pública e privada. Instrumentos: entrevistas e observações.

Consultorias:

1.  Professor especialista em pesquisa qualitativa.

2. Professor especialista em pesquisas sobre internet.

 

3ª FASE

Realização de entrevistas presenciais (gravadas em áudio e vídeo) com 9 sujeitos estudantes (de 7ª série do ensino fundamental até o 3º ano do ensino médio) usuários de chats e e-mails que emergiram da observação virtual.

Recolhimento de artefatos de sua escrita na e para a escola.

Análise de dados e construção de textos nos quais foram confrontados os achados desta etapa com os da etapa anterior.

 

4ª FASE

Observação virtual através da interação dos pesquisadores com usuários de Internet via chats e e-mails de listas de discussão de dois seriados televisivos – FRIENDS e CHARMED.

Análise dos artefatos colhidos na interação com os internautas adolescentes no meio virtual. Definição das categorias para a construção de textos com os achados:

 

1. O Processo Metodológico no ciberespaço

 

2. Temáticas e processo de interlocução no discurso escrito da internet, com as seguintes subcategorias:

O discurso escrito em e-mails: o adolescente, seus interesses e suas relações sociais.

O discurso escrito em salas de bate-papo: o adolescente, seus interesses e suas relações sociais.

 

3. A Construção do discurso escrito na internet, com as seguintes categorias:

A escrita teclada: novos gêneros discursivos?

Características da escrita: formas e recursos.

Os enunciados de abordagem nas salas de bate-papo.

O nickname: recurso de comunicação ou estratégia de construção do eu?

 

 

ACHADOS 

 

3ª Fase

Análise da escrita presentes nos chats e e-mails de listas de discussão (FRIENDS e CHARMED)

 

A – Temáticas:

1 Sexualidade e erotismo

2 Entretenimento e lazer (cinema, música, estética)

3 Relações interpessoais e formação da identidade pessoal

4 Questões sociais e políticas

5 Formação intelectual e profissional

 

Detectamos a importância do papel da escrita no processo de constituição do adolescente. Este, atualmente, na era das novas tecnologias digitais, tem encontrado nas salas de bate-papo da internet e nas trocas de e-mails nas listas de discussão, possibilidades para atender seus interesses, construir sua identidade, fazendo destes espaços nos quais transitam através da escrita, um espaço fecundo de formação. Estamos descobrindo que a internet está possibilitando que os adolescentes escrevam mais. O suporte digital está permitindo novos tipos de leitura e escrita e pode-se até falar de uma leitura e escrita coletiva e até de uma autoria também coletiva. Enfim, uma grande descoberta da pesquisa foi perceber que na internet toda leitura é uma escrita e toda escrita é uma leitura.

 

B – Características da Escrita:

1) Emprego da língua inglesa: utilização do inglês na substituição de palavras do português.

Exemplos:

1 People – pessoas

2 Sorry – desculpa

3 Bus – ônibus

 

2) Forma da linguagem: a escrita não é manuscrita, mas teclada.

Apresenta-se abreviada, telegráfica e econômica.

 Exemplos:

1. você passa a ser vc;

2. teclar torna-se tc;

3. cadê passa a ser kd.

 

 3) Outras ganham novos caracteres:

1. não torna-se naum;

2. café passa a ser cafeh.

A interface oralidade/escrita parece se dissolver no espaço virtual, tornando-se a escrita muito próxima da linguagem oral, formando um gênero discursivo híbrido.

 

4ª Fase

Realização de entrevistas presenciais (gravadas em áudio e vídeo) com 9 sujeitos estudantes (de 7ª série do ensino fundamental até o 3º ano do ensino médio) usuários de chats e e-mails que emergiram da observação virtual.

– Recolhimento de artefatos de sua escrita na e para a escola

– Análise de dados e construção de textos nos quais foram confrontados os achados desta etapa com os da etapa anterior. Foram eles:

 

1 Conceitos e (Pré/Pre) Conceitos sobre o escrever e teclar na internet.

Analisou-se a presença na escola de preconceitos lingüísticos, sociais e culturais com relação a escrita dos adolescentes nas salas de bate-papo.

 

2 Por que nickname escreve/lê mais que realname? Uma reflexão sobre gêneros do discurso.

Compreendeu-se a situação de produção da escrita na escola como bem diferente da que é realizada no meio virtual. Discutiu-se os significados presentes na escrita possibilitada pela Internet numa situação virtual mas com interlocutores reais. A escrita da escola foi vista como produzida numa dimensão desvinculada do real na qual o papel do outro é minimizado e centrado num único interlocutor: o professor.

 

3 Revisitando a escola pelas vozes de adolescentes usuários da Internet: o uso didático de gêneros discursivos na prática pedagógica na escola fundamental e média.

Pretendeu-se analisar o uso didático de gêneros discursivos e textuais como objeto de prática pedagógica no contexto escolar, mediado pelas vozes dos adolescentes.

 

4) Pesquisa escolar em tempos de internet.

Buscou-se compreensão dessa prática de ensino (a pesquisa) no contexto escolar, com a utilização de uma nova ferramenta de trabalho que é o computador, num ambiente diferenciado que é a internet.

 

 

tw-be6cb

LIC – Linguagem, Interação e Conhecimento