UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

por aí – Onde intercâmbio se confunde com morada….

Você está em: Memória > Revista Giro > Edições Anteriores ''Informativo Giro'' > Giro 18 – Junho 2008 > por aí - Onde intercâmbio se confunde com morada....

Por Eliza Freitas, 8º período

 

Tudo começou com o sonho de um intercâmbio qualquer. Antes mesmo de chegar à Universidade tentei ir pelo Rotary, mas logo passei no vestibular e adiei o sonho. Porém, no terceiro ano do Curso de Turismo surgiu mais uma oportunidade de intercâmbio, agora para ir aos EUA como Au Pair por um ano.

 

Finalmente meu sonho iria se realizar. Providenciei tudo, carteira de motorista, experiência com as crianças e todas as documentações, mas a etapa do visto ainda estava por vir. Graças à Deus tudo deu certo e, em agosto de 2006, embarquei rumo à Nova Iorque. Lá, eu e todos os outros au pairs do mundo inteiro, tivemos um treinamento intensivo de três dias. Após isso cada um se encaminhou para as casas das famílias, foi um para cada canto das Américas. Eu fui para Denver – Colorado, estado com uma exuberante natureza e muita, mas muita neve.
Chegando lá comecei a observar detalhes e coisas rotineiras, as sinalizações, a limpeza das ruas, a padronização das casas e do comércio etc. Fiquei encantada com a quantidade de parques e trilhas, onde os cidadãos podem passear e praticar esportes.
Após três meses que eu estava lá a família me levou à Disneylândia, na Califórnia. Lá, como turista oficial, pude observar mais os aspectos turísticos. A sinalização impecável, a preservação dos atrativos, inclusive proibição de banhistas nas áreas onde tinham focas e leões marinhos. Sem contar a organização da Disneylândia e a qualidade do atendimento no hotel. Uma coisa muito ruim eram as filas para andar nos brinquedos, enormes e muito cansativas.

 

Outra viagem que tive, foi para Las Vegas, eu e mais três amigas alugamos um carro, que por sinal é muito barato, e dirigimos até a terra dos cassinos. Ficamos lá por três dias e duas noites. Minha opinião a respeito de Las Vegas não é a das melhores, pois a cidade é muito suja e totalmente “mascarada”. O que quero dizer é que o turismo fica concentrado na longa e principal avenida, onde se encontram a maioria dos hotéis e cassinos. Ali, onde tudo é lindo e maravilhoso, estão as luxuosas lojas, como Channel, Louis Vuitton, entre outras. Mas a pobreza é marcante por toda a cidade, principalmente onde a concentração de turista não é grande. É muito fácil ver mendigos e doentes pedindo dinheiro pelas ruas, sem contar com os panfletos de mulheres peladas, com somente uma estrelinha tampando as partes mais íntimas, jogados por toda parte da cidade. Fica claro que Las Vegas é um turismo artificial, uma cidade artificial construída no meio do deserto onde as pessoas podem se divertir, extravasar e gastar seu dinheiro nos cassinos. Esse é o único lugar que você pode beber andando na rua e até mesmo casar em um dia. Eu cheguei a ver um local de casamento drive-thru. Olha que absurdo!!! Mas para quem gosta de passar o tempo em um bom hotel, tenho certeza que iriam adorar. A maioria dos hotéis se remetem à uma localidade ou são temáticos como, por exemplo, Rio de Janeiro, Ceaser Palace, Paris, Egito, Circus, Sahara etc. Vale a pena só para ver as diferentes belezas arquitetônicas, não esquecendo das festas.

 

Em setembro de 2007 fui novamente à Califórnia, mas dessa vez com mais seis amigas. Voamos até São Diego e alugamos um carro para dirigir até São Francisco. Passamos por Los Angeles, Malibu, Santa Mônica Píer, Santa Bárbara, Hearst Castle e, finalmente, São Francisco. Essa viagem foi espetacular, me diverti bastante e o lugar que mais gostei foi Santa Bárbara, uma cidadezinha universitária no litoral, com umas casas antigas e um povo hospitaleiro. Também gostei muito da visita à Ilha de Alcatraz, em São Francisco. Achei muito interessante o sistema que eles usaram para nos guiar no passeio. No início do tour, cada visitante se equipa com um aparelho auditivo, onde uma voz nos conta, passo a passo, detalhes e curiosidades da prisão. Até mesmo as fugas foram narradas, tipo uma rádio novela, fazendo-nos sentir parte de tudo que estivesse acontecendo naquele momento. Esse é definitivamente um passeio que recomendo.

 

Como o Colorado é o melhor lugar dos EUA para esquiar e fazer snowboard, viajei muito para as montanhas que ficam a uma hora de Denver, fizemos snowboard e passeamos em lugares lindos. É uma experiência muito divertida e diferente.

 

Após meu visto de Au Pair eu consegui a extensão como turista e agora como estudante. Atualmente, estou fazendo um curso de Organização de Eventos, que futuramente poderei falar mais a respeito já que está no começo.

 

O intercâmbio, seja ele qual for, amplia os horizontes e as oportunidades da pessoa, tanto profissional quanto pessoal. Esse continua sendo uma experiência muito importante para mim, pois estou retornando aos EUA após uma curta temporada no Brasil.

Compartilhe:

    Graduação em Turismo


    Acessos desde 22/04/2015: