Clipping UFJF – 06, 07 e 08 de agosto de 2013

Veículo: G1

Editoria: Notícias

Data: 06/08/13 (atualizado)

 

Tico Santa Cruz se irrita durante show por causa de qualidade de som

Apresentação foi realizada por DCE de universidade, em Minas Gerais. ‘É apenas um desabafo de um artista’, explica o cantor após confusão.

 

O vocalista do Detonautas Roque Clube se irritou durante um show da banda nesta sexta-feira (2), em uma calourada promovida pelo Diretório Central de Estudantes (DCE) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Em um vídeo divulgado na internet, Tico Santa Cruz se demonstra insatisfeito com a qualidade dos equipamentos de som e interrompe a apresentação.

“Este PA serviria no máximo para 1,5 mil pessoas, e tem mais de 10 mil pessoas aqui. Então, eu agradeço a vocês que estão aqui na frente. E, a vocês que estão aí detrás, eu peço mil desculpas por não conseguirmos atingi-los aí com nosso som. Mas, faremos o esforço máximo para que esta noite seja inesquecível e divertida”. A sigla PA, em inglês, Public Audition, é usada para se referir ao som que alcança o público em shows e eventos.

 Ainda durante a interrupção, que durou alguns minutos, ele declara “você da Viva [empresa de eventos] que ‘tá’ aí (…) querendo desligar o ‘PA’. (…) Se você desligar esse ‘PA’, meu irmão, você não sai daqui vivo! Entendeu? (…) Se você tivesse feito isso direito, teria trazido um equipamento decente para atender a essas pessoas que estão aqui. (…) Desligue este PA que você não vai mais ter a ‘Viva’, você vai ter a morte.”

 Em entrevista ao G1, Tico Santa Cruz explicou que as declarações não foram ameaças ao técnico de som. “O vídeo, como foi postado fora de contexto, parece uma incitação à violência, mas é apenas um desabafo de um artista sobre a falta de consideração com o público por parte das empresas contratadas pelo DCE, que acabaram colocando toda equipe e o público presente em risco.” O vocalista explica que a banda temia uma espécie de “quebra-quebra” estimulada pela insatisfação do público, caso o show fosse cancelado, o que poderia acabar causando uma tragédia.

 “Fiquei enfurecido no momento. Destrataram nossos técnicos, colocaram o evento em risco. Então, avisei ao responsável que se ele desligasse o PA, ele não sairia vivo. Além disso, deixei claro se ele quisesse me processar, se tivesse se sentido pessoalmente ameaçado, que poderia”.

 Segundo a produtora de eventos mencionada no vídeo, Viva Eventos, o vocalista se enganou. O diretor da empresa em Juiz de Fora, Fernando Sotrate, explica que o DCE da universidade entrou em contato com a produtora para pedir dicas e indicações de fornecedores de diversos tipos de equipamentos. “Como já havíamos trabalhado com eles antes, fizemos a gentileza de indicar algumas empresas fornecedoras de equipamentos de som, de camarins, hotéis, etc.”, afirma, reforçando que não há ligação contratual entre a empresa e o evento produzido.

 Já a coordenadora-geral do DCE, Laiz Purret, afirma que a empresa foi contratada pela entidade. “A gente contratou uma empresa, que foi a Viva, para contratar o som e a iluminação do evento. Quando a equipe técnica do Detonautas chegou, eles constaram que o som estava errado, não atenderia ao público”, disse a estudante de história.

“A equipe do Detonautas foi super bacana com o DCE, o Tico me ligou. A condição para subir no palco era que avisássemos que se tivesse algum problema a culpa seria da empresa Viva. Eu anunciei que teve um problema com o som. O dono da Viva ficou sabendo e ligou para um dos integrantes do DCE, ameaçando desligar o som, e o Tico ficou sabendo”, relata.

 Para Laiz, o músico não fez uma ameaça direta ao técnico de som. “Foi o calor do momento, porque já estava tão tumultuada a situação. Acho que ele [Tico Santa Cruz] não queria falar isso diretamente para o funcionário que estava lá, mas para a empresa, a Viva”, avalia.

 Segundo a coordenadora-geral do DCE, os integrantes da entidade devem se reunir nesta terça-feira (6) para discutir o ocorrido e, somente depois, divulgarão uma nota oficial e acionarão a empresa citada.

 Em nota, a UFJF lamentou o ocorrido e disse que está apurando se o episódio teve ligação com alguma falha na realização do evento. Segundo a universidade, a princípio, todos os pontos do plano de execução solicitados pela instituição para realização de eventos foram cumpridos pelo DCE, como contratação de seguranças e cercamento da área da festa. Além de contratar seguranças, a Polícia Militar foi comunicada para que fizesse policiamento do entorno, também informou a UFJF.

 

=========================================

Veículo: EM

Editoria: Nacional

Data: 06/08/13

 

Universidade Federal de Juiz de Fora limita os eventos no campus

A decisão foi tomada após um incidente durante uma calourada na qual dois jovens foram baleados próximo ao pórtico norte da instituição

 

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), na Zona da Mata, decidiu proibir eventos de grande porte no câmpus até que seja feita uma reavaliação das exigências necessárias para a realização de festas no local. A decisão foi tomada pela Secretaria de Comunicação (Secom), após um incidente durante uma calourada realizada pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE), no sábado, na qual dois jovens foram baleados próximo ao pórtico norte da instituição.

 A Secom informou que a calourada foi o primeiro evento de grande porte realizado após a entrada em vigor de resolução que cria uma série de normas para práticas recreativas, culturais e festivais no câmpus, aprovadas pelo Conselho Superior em 8 de julho. Entre outras regras, que variam conforme o tipo de ambiente, a resolução define que, para para eventos com estimativa de público de até 500 pessoas, os organizadores devem apresentar à Secom, com o mínimo de 15 dias de antecedência, um plano com dados sobre infraestrutura, segurança e serviços públicos previstos. Caso a estimativa de pessoas presentes seja superior, as exigências aumentam.

 Ainda segundo a Secom, na quinta-feira será realizada reunião com representantes da chefia de gabinete, Pró-reitoria de Planejamento, Pró-reitoria de Infraestrutura e Secretaria de Segurança, para discutir a resolução. A Secom também encaminhará solicitação para que o Conselho Superior volte a discutir a questão.

 

=======================================

Veículo: Ecaderno

Editoria: Profissional

Data: 06/08/13

 

Pós-graduações na UFJF

Estão abertas as inscrições para a Especialização em Ciências Penais e para o Mestrado Profissional em Educação Matemática

 

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) está com inscrições abertas para programas de pós-graduação. Na Faculdade de Direito, são 44 vagas para a oitava turma da pós-graduação lato sensu em Ciências Penais. Os interessados podem se inscrever até o dia oito de agosto. Do total de vagas, quatro serão disponibilizadas para servidores da Universidade.

 Os candidatos devem entregar a lista de documentos exigidos na coordenação do curso das 7h às 12h e efetuar o pagamento das taxas de inscrição (R$50) e matrícula (R$200). A pós-graduação tem duração prevista de um ano e acontece às sextas-feiras, das 19h às 22h45 e aos sábados, das 8h30 às 13h05.

 Já os interessados em realizar o mestrado profissional em Educação Matemática devem se inscrever a partir do dia dois de setembro, no site da PPGEM. Após a inscrição, o candidato deve quitar o boleto no valor de R$100 e enviar os documentos listados no edital, pessoalmente ou por correio, para a secretaria do instituto de Ciências Exatas, no Campus Universitário. Tanto o pagamento da taxa quanto o envio da documentação devem ser feitos até o dia 30 de setembro.

 O mestrado profissional oferece 15 vagas e as atividades se iniciam no primeiro semestre letivo de 2014. O processo seletivo consta das seguintes etapas: prova escrita, com questões de múltipla escolha e dissertação sobre o tema “Educação Matemática”; análise de documentação, contando com memorial e currículo e entrevista individual, distribuídas entre os dias 29 e 30 de novembro.

 

========================================

Veículo: Acessa.com

Editoria: Cultura

Data: 06/08/13

 

Museu Mariano Procópio recebe mostra fotográfica de Arthur Arcuri

 

A exposição O Observador, o Caçador e o Explorador: Dimensões Possíveis das Fotografias de Arthur Arcuri chega ao Parque do Museu Mariano Procópio nesta terça-feira, 6 de agosto. A mostra reúne 15 fotos do arquiteto e ex-diretor do museu, no ano em que é comemorado o centenário de seu nascimento. A exposição, que tem entrada gratuita, pode ser visitada de terça-feira a domingo, das 8h às 18h.

 O curador da mostra é o arquiteto, historiador e professor do Departamento de História da Universidade Federal de Juiz de Fora, Marcos Olender. As fotos selecionadas para a mostra são paisagens, em sua maioria.

 

Mês da fotografia

Para comemorar o Dia Mundial da Fotografia, 19, o Museu preparou outras atividades. Nesta data, às 15 horas, a historiadora Rosane Carmanini Ferraz ministra a palestra A Trajetória de Formação do Arquivo Fotográfico do Museu Mariano Procópio. O evento será no auditório da sede administrativa da instituição, na rua Dom Pedro II 350, bairro Mariano Procópio. Os interessados em participar, gratuitamente, devem realizar inscrição prévia pelo telefone (32) 3690-2027, das 8h às 12h e das 14h às 18h. As vagas são limitadas.

 Outra iniciativa será a exposição Retratos Oitocentistas, integrando o projeto Museu vai à Escola, entre os dias 6 e 17 de agosto, na Escola Municipal Olinda de Paula Magalhães, no bairro Jardim Esperança. A exposição reúne fotografias de personagens do século 19, do acervo da instituição, apresentando as diversidades étnica e cultural brasileiras.

 

========================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cultura

Data: 06/08/13

 

Folclore em cores e formas

 

Para celebrar o mês do folclore, a exposição “Folclore brasileiro” entra em cartaz hoje no Museu de Cultura Popular do Forum da Cultura. Para comemorar a data – dia 22 -, a mostra reúne peças em cerâmica e tecido que retratam as manifestação culturais do folclore no Brasil, como as danças bumba meu boi, congada e maracatu. Haverá, também, um setor destinado aos benzedeiros a partir de elementos que funcionam como guias de proteção. O folclore afro também será o destaque deste ano, que traz todo o encanto e mistério dos orixás.

 

“Folclore brasileiro”, de segunda a sexta, das 14h às 18h, até 1º de setembro, no Fórum da Cultura

(Rua Santo Antônio 1112)

 

====================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cidade

Data: 06/08/13

 

UFJF debate na quinta realização de eventos no campus

Sobre o polêmica envolvendo show, vocalista da banda Detonautas, DCE e empresa de eventos divulgam nota conjunta colocando ponto final no assunto

 

Representantes da Secretaria de Comunicação (Secom) da UFJF, da administração superior da Universidade e a comissão responsável por reavaliar a realização de evento no campus se reúnem nesta quinta-feira (08). Em pauta está a discussão da operacionalização da Resolução 13/2013, aprovada no dia 8 de julho, que prevê normas para eventos em geral e para o uso do campus por pessoas que frequentam o local, como donos de cachorro, ciclistas e skatistas. A expectativa é de que dessa reunião saia algum posicionamento também sobre a nova avaliação das exigências em casos de eventos de grande porte, que estão novamente suspensos no campus desde a última segunda-feira. A decisão foi tomada pela Secom depois que um adolescente, 15 anos, e um rapaz, 26, foram baleados, na madrugada do último sábado, após uma confusão generalizada, envolvendo grupos de bairros distintos, próximo ao Pórtico Norte.

 Depois de debatida, a questão será levada ao Conselho Superior (Consu). No entanto, ainda não há uma data para que isto aconteça.

 A briga generalizada, que resultou em dois baleados, está sendo apurada pela Delegacia Especializada de Homicídios. O adolescente de 15 anos, morador do Bairro de Lourdes, levou um tiro na perna. Já o jovem de 26 anos, do Vila Alpina, teve o abdome atingido, passou por cirurgia e permanece no Hospital de Pronto Socorro, mas seu estado é estável.

 

Nota oficial

 

A festa no campus também voltou a ser discutida pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE). Na manhã desta terça-feira (06), representantes da entidade se reuniram e divulgaram em sua página no Facebook uma nota oficial sobre a repercussão da suspensão do show pelo vocalista Tico Santa Cruz, que chegou a criticar a empresa Viva.

A nota, assinada conjuntamente pelo DCE, como organizador do evento, a Viva, como parceira que indicou fornecedores, e a Banda Detonautas, como artista contratado, diz: “Nós do DCE UFJF, Viva Eventos e Banda Detonautas, após nos reunirmos, chegamos ao consenso de que, apesar do mal entendido ocorrido no show, todos

concluímos que o evento foi um sucesso e que as repercussões negativas já foram resolvidas entre os envolvidos. Entendemos que alguns problemas técnicos poderiam ter sido evitados e isso servirá como lição para que possamos evitar acontecimentos como estes no futuro.Sem mais esclarecimentos e com todas as partes já devidamente em comum acordo, encerramos a questão.”

 

===================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cidade

Data: 06/08/13

 

UFJF recebe nesta 4ª evento sobre luta contra a fome

 

O Fórum Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Juiz de Fora recebe nesta quarta-feira (07) a socióloga alemã Gertrud Falk, membro da Rede de Informação e Apoio pelo Direito a se Alimentar, na sigla em inglês, Fian. Com a palestra e debate “A luta mundial contra a fome no campo – Direito humano à alimentação adequada e mecanismos de exigibilidade” e tradução instantânea do inglês para o português, Gertrud vem à cidade compartilhar experiências em favor da alimentação. A Fian existe em 60 países e é uma ONG especializada em status consultivo das Nações Unidas para o Direito a se Alimentar. O Fórum acontece às 18h30 no Anfiteatro B do Instituto de Ciência Biológicas da UFJF.

 

===================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cidade

Data: 06/08/13

 

UFJF volta a suspender os grandes eventos

Eventos de grande porte, com venda de bebidas alcoólicas, não serão permitidos até que Consu reavalie as normas

 

A UFJF suspendeu temporariamente grandes eventos com shows musicais e venda de bebidas alcoólicas. A decisão foi anunciada pela Secretaria de Comunicação (Secom) depois que um adolescente de 15 anos e um rapaz de 26 foram baleados, na madrugada do último sábado, no campus, após uma confusão generalizada, envolvendo grupos de bairros distintos. No local, acontecia a festa de recepção aos calouros com show do grupo Detonautas Roque Clube. Além de reacender a discussão sobre a realização de festividades no campus, o episódio evidencia, mais uma vez, o perigo dos grandes eventos na cidade em razão da rivalidade entre gangues.

 Em nota oficial, o Diretório Central dos Estudantes (DCE), além de lamentar as ocorrências de disparos de arma de fogo, lastima o fato de locais públicos estarem sendo usados como praças de guerra. “Lamentamos que, para algumas pessoas, tais espaços de cultura, confraternização e lazer sejam utilizados para prática de atos violentos. A juventude da cidade tem se visto bastante ameaçada pela violência crescente em Juiz de Fora, devido à falta de segurança e de políticas públicas de prevenção ao aumento da violência entre e para com a juventude.”

 Diante das circunstâncias, a secretária de Comunicação da UFJF, Christina Musse, disse que não serão mais permitidas festas de grande porte até que o Conselho Superior (Consu) reavalie as atuais exigências para a realização deste tipo de evento na instituição. “Diante dos riscos frente ao cenário da cidade, não nos sentimos seguros em autorizar eventos deste porte sem uma reavaliação das normas. O previsto (na resolução) não consegue resguardar a segurança dos participantes”, destacou Christina. Segundo a secretária, uma nova reunião para reavaliar as exigências será solicitada ao Consu. Nesta quinta-feira, às 14h, haverá um encontro para discutir a operacionalização do restante da Resolução 13/2013, aprovada no dia 8 de julho. A medida criou uma série de normas para o uso do

campus até por pessoas que frequentam o anel viário, como donos de cachorro, ciclistas e skatistas. De acordo com Christina, a ideia é fazer uma grande campanha educativa para que haja mudança de hábitos.

 

Investigação

 

O caso registrado na UFJF será investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios. As vítimas deverão ser ouvidas nos próximos dias. De acordo com a PM, mais de dez mil pessoas estavam no campus. “Todo o anel viário e a praça estavam tomados. E havia poucos seguranças. Cerca de 80, no máximo, sendo que o mínimo seriam 160. Foi sorte não ter ocorrido nada pior”, disparou um militar que atuou no campus. De acordo com o assessor de comunicação interino do 27º Batalhão de Polícia Militar (BPM), capitão Ricardo Shaefer, havia previsão de dez mil pessoas na parte cercada, mas havia mais pessoas no campus, em função de ser uma área aberta. “Nesse sentido, a segurança de um evento desse porte é complexa, já que o terreno onde aconteceu não é destinado especificamente a esse tipo de atividade. Talvez, seja preciso avaliar essa questão do número de seguranças contratados. A PM entrou com efetivo suficiente para segurança no local, mas ocorrências como as que aconteceram são previsíveis”, disse o capitão.

 Os relatos de falta de segurança e desorganização partiram também de leitores do jornal. “O que aconteceu foi uma falha na segurança muito grande no evento. Os seguranças apenas passavam uma ‘lanterninha’ sobre você, ao invés de te revistarem. Uma amiga minha foi ameaçada por um rapaz de canivete, que estava dando em cima dela”, comentou um leitor. Outro leitor, por e-mail, declarou: “Apenas algumas mulheres com bolsas estavam sendo olhadas, os homens estavam entrando sem nenhuma revista (…).”

 O DCE reafirmou que “a segurança foi a maior preocupação ao se programar a festa. Foram contratados homens e mulheres para garantir a segurança no evento, respeitando-se a proporcionalidade exigida para uma festa daquele porte. As ocorrências registradas ocorreram em área externa à da realização da Calourada 2013 e, portanto, não poderiam ser evitadas diretamente pela segurança (…)”, diz a nota do DCE.

 Ainda conforme o capitão Ricardo Shaefer, a PM foi oficializada a respeito do evento. “Mas não tenho a informação de quando esse documento foi recebido pela corporação. O certo é que foi avisado, e fizemos uma ordem de serviço para o policiamento.” Como o militar pontuou, o evento foi denominado como Calourada, sendo assim, a PM entendeu que era destinado aos estudantes da UFJF. “Foi um evento aberto ao público e gratuito. Teve uma grande expressão, pois trouxe uma banda de repercussão nacional e concentrou um público muito grande.” Quanto à questão da rivalidade entre gangues, que cada vez mais extrapola os limites dos bairros, afetando grande eventos, o militar afirmou que a situação traz preocupação. “Tentamos fazer uma melhor prevenção. Mas eventos abertos ao público e gratuitos envolvem pessoas de todas as áreas. Temos um trabalho de monitoramento desses grupos, mas são situações que, apesar de previsíveis, infelizmente podem acontecer.”

 

Vocalista se irrita com som

 

A falta de estrutura e de organização também teria sido o motivo da suspensão temporária do show pelo vocalista da Banda Detonautas Roque Clube, Tico Santa Cruz. O cantor se irritou com a qualidade dos equipamentos de som. Em vídeo divulgado na internet, ele explica que o equipamento utilizado serviria no máximo para 1.500 pessoas. “Tem mais de dez mil pessoas aqui. Então, eu agradeço a vocês que estão aqui na frente. E, a vocês que estão aí detrás, eu peço mil desculpas por não conseguirmos atingi-los aí com nosso som.” Coordenadora geral do DCE, Laiz Perrut disse que a condição para que a banda subisse ao palco e realizasse o show era deixar evidente os problemas com os equipamentos de som. “A universidade tem um contrato para iluminação e som do evento com a Viva. Foi repassado um valor x para a empresa, e o som oferecido foi bem aquém do que era necessário. Quando o produtor técnico do Detonautas viu o equipamento, disse que seria impossível ter o show. Ficamos até 23h tentando resolver o problema. E o Tico Santa Cruz disse que só começaria o show se falássemos sobre o que tinha acontecido. Um dos donos da Viva, a empresa que foi contratada, ligou ameaçando desligar o som da festa, e, nessa hora, o Tico parou o show.”

 Durante a pausa, Tico declarou: “Se você desligar esse ‘PA’, meu irmão, você não sai daqui vivo! Entendeu? (…) Se você tivesse feito isso direito, teria trazido um equipamento decente para atender a essas pessoas que estão aqui. (…) Desligue este PA que você não vai mais ter a ‘Viva’, você vai ter a morte.”

 Em postagem na rede social Facebook, Tico Santa Cruz se explica: “Se estás no meio do seu show, já com todas as dificuldades impostas, e, de repente, és comunicado pela produção que o dono da empresa contratada para organizar o evento está ameaçando nossa equipe de cortar o som. Se eu não tivesse sido enérgico e, irresponsável, tivesse desligado o som do show, ele colocaria mais de dez mil pessoas em fúria naquele local. Poderia ter acontecido uma tragédia por conta da falta de comprometimento desse cidadão. A minha ira estava relacionada às ameaças que sofremos e à irresponsabilidade desses indivíduos que embolsaram um dinheiro que oferecia condições para fazer um trabalho perfeito e escolheram expor o Detonautas, o DCE e o público a um risco.”

 Diretor da Viva, Fernando Sotrate diz que não foi firmado contrato com o DCE. “Não fomos contratados. Como estamos acostumados a realizar festas na UFJF, nos procuraram e pediram apoio. O que fizemos foi dar indicações de fornecedores dos equipamentos.” Segundo Fernando, a empresa está analisando os fatos para, se for o caso, adotar medidas legais.

 

===================================

Veículo: Prefeitura de Juiz de Fora

Editoria: Cidade

Data: 06/08/13

 

Lei Murilo Mendes de Incentivo à Cultura – Professor da UFJF lança livro de poesias

 

“Venta Não” é o nome do livro de poesias do professor de literatura da Universidade Federal de JUIZ DE FORA (UFJF) e escritor Alexandre Faria, que será lançado dia 8, quinta-feira, às 19 horas, no Museu de Arte Murilo Mendes (Mamm – Rua Benjamin Constant, 790 – Centro). A obra é financiada pela Lei Murilo Mendes de Incentivo à Cultura, mantida pela Prefeitura de JUIZ DE FORA e gerenciada pela Funalfa, e tem coedição da TextoTerritório. Também está agendado o lançamento do livro na Livraria Cultura – Cine Vitória (Rua Senador Dantas, 45 – Centro), no Rio de Janeiro, no dia 13 de agosto, às 18 horas.

 A assessoria do autor informou que Alexandre Faria é adepto da publicação cotidiana em blogs, sites e revistas eletrônicas, porém, optou pela materialidade do livro para divulgar seus poemas inéditos. “Venta Não” investe na interpretação da vida cotidiana contemporânea, assumindo perspectivas que tensionam e problematizam a compreensão metafísica e transcendente da existência.

 O livro é organizado em duas partes. A primeira foi construída a partir dos 81 poemas do Tao Te Ching, comparando quatro traduções diferentes, sem entretanto fazer disso uma verdade ou uma percepção religiosa, mas contaminando vivências. O procedimento utilizado é o mesmo que o autor adotou desde a publicação de seu livro anterior, “Lágrima Palhaça”, quando experimentou o que chama de laminação e inserção de silêncios num poema original como forma de obter outro texto.

 A segunda parte constrói uma narrativa em 81 versos sobre um sujeito que tem um chip implantado sob a pele e, em determinado momento, o chip, de acordo com a expressão utilizada em um verso, “dá pau”. A falha revela-se como uma nova consciência de tempo/vida, o que a primeira parte do livro expressa no fim das contas.

 A capa, de Pedro Paiva, tem fotografias feitas pelo próprio autor na favela de Manguinhos, onde Alexandre participa de saraus e oficinas de literatura. Editado em capa dura, o livro se expande para um hotsite onde estão publicados dois textos de recepção, assinados por Oswaldo Martins e Gilvan Procópio Ribeiro. Outros poderão ser acrescentados na seção de comentários. Também está disponível na internet o booktrailer do livro, com locações em Ibitipoca, Rio de Janeiro e Ilha Grande. O vídeo realizado pela produtora Maria Gorda Filmes tem direção de Felipe David Rodrigues e fotografia de Daniel Neves.

 

O autor

 

Alexandre Faria nasceu no Rio de Janeiro em 1970. É escritor e professor de literatura na UFJF. Publicou “Lágrima Palhaça” (poesia, Aquela Editora, 2012), “Literatura de Subtração” (ensaios, PapelVirtual, 1999), “Anacrônicas” (ficção, 7Letras, 2005) e “Urânia” (poema-postal e curtametragem, TextoTerritório / Maria Gorda Filmes, 2009), e organizou os livros “Outra – poesia produzida no sarau de Manguinhos” (TextoTerritório, 2013) e o “Anos 70 – Poesia e Vida” (UFJF, 2007).

 

=================================

Veículo: JF Convention

Editoria: Eventos

Data: 06/08/13

 

CURSO CAD – PROJETO AUXILIADO POR COMPUTADOR

 

Data: 05 a 09 de agosto

Horário: 18h30 as 21h30

Local: LACEE – Laboratório de Computação de Faculdade de Engenharia Elétrica da UFJF

 

EXPOSIÇÃO “RITMO ZERO – EXPERIÊNCIA TRÊS”

 

Data: 05 a 23 de agosto

Horário: 05 de agosto (segunda-feira) as 19h00 e 06 a 23 de agosto (de segunda a sexta-feira), das 07h00 as 1

Local: Colégio de Aplicação João XXIII (R. Visconde de Mauá, 300 – Bairro Santa Helena – Juiz de Fora/MG)

 

EXPOSIÇÃO “FOLCLORE BRASILEIRO”

 

Data: 06 de agosto a 01 de setembro

Horário: De segunda a sexta, das 14h00 as 18h00

Local: Forum da Cultura da UFJF (R. Santo Antônio, 1112 – Centro – Juiz de Fora – MG)

 

ESPETÁCULO “A VISITA”

 

Data: 07 de agosto a 01 de setembro

Horário: De quarta á domingo, às 20h30

Local: Forum da Cultura da UFJF (R. Santo Antônio, 1112 – Centro – Juiz de Fora – MG)

 

CURSO LIRA E ANTILIRA NORDESTINAS

 

Data: 07 de agosto a 04 de setembro

Horário: 19h30 (Quartas-feiras)

Local: Museu de Arte Murilo Mendes (Rua Benjamin Constant, 790 – Centro – Juiz de Fora/MG

 

======================================

Veículo: O Tempo

Editoria: Cidades

Data: 06/08/13

 

Confusão em calourada da Universidade Federal de Juiz de Fora termina com dois baleados

 

Dois jovens foram baleados durante uma calourada na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), na Zona da Mata Mineira, na madrugada do último sábado (3). No evento tocava a banda Detonautas. A suspeita é a de que os tiros tenham partido da arma de seguranças. O que teria motivado o crime não foi esclarecido.

 Em nota, a universidade lamentou o ocorrido e disse que não irá autorizar novos eventos de grande porte no campus até que o Conselho Superior (Consu) reavalie as atuais exigências para a realização deste tipo de festa na instituição. A UFJF informa ainda que está apurando se o ocorrido tem ligação falhas na realização do evento. A princípio, todos os pontos do plano de execução solicitados pela nova portaria foram cumpridos pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE), organizador da calourada, como contratação de seguranças e cercamento da área do evento. Além de contratar seguranças, a Polícia Militar foi comunicada para que fizesse policiamento do entorno.

 A reportagem de O Tempo tentou falar com a Polícia Militar (PM), mas não conseguimos o contato com o responsável pela 99ª Companhia do 27° Batalhão.

 Outra confusão foi provocada pela banda Detonautas. O vocalista Tico Santa Cruz teria se irritado com a organização do evento, por conta da má qualidade do som, preparado para um público bem menor que o presente no campus da universidade.

 O músico chegou a abandonar o palco e, ao retornar, ameaçou um dos funcionários da empresa responsável pelo som, conforme vídeo postado na internet.

 

======================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cultura

Data: 07/08/13

 

Impactos na selva

 

Dando continuidade ao “Ciclo de cinema” da Faculdade de Letras da UFJF, será exibido hoje, às 19h30, no Museu de Arte Murilo Mendes, o filme “Iracema” (1976), do diretor Jorge Bodanzky. A obra foi proibida no Brasil e só foi lançada oficialmente em 1981. A história é sobre o impacto nas populações da selva amazônica provocado pela rodovia Transamazônica. Para tanto, a trama segue a trajetória de um caminhoneiro e uma prostituta, que viajam juntos pela rodovia recém-construída. O palestrante convidado para participar de um debate sobre a exibição é André Monteiro. O evento, que tem a última exibição desta edição na próxima quarta, faz parte do projeto de extensão “Cultura no campus” e tem como objetivo oferecer programação gratuita e reflexiva aos participantes por meio de mostras temáticas.

 

Exibição de “Iracema”, hoje, às 19h30, no Museu de Arte Murilo Mendes (Rua Benjamin Constant 790)

 

================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cultura

Data: 07/08/13

 

‘Amigo do patrimônio’ contempla oito iniciativas

 

Na oitava edição do prêmio “Amigo do patrimônio”, oito iniciativas foram contempladas por seu trabalho na preservação de bens culturais tombados pelo município e de valorização do patrimônio cultural de Juiz de Fora: Dani Mari Uhebe, pela reforma do Palacete Pinho, localizado na esquina das ruas Halfeld e Batista de Oliveira; Wilson Coury Jabour Júnior, homenagem póstuma pela atuação na área do patrimônio; as escolas municipais Menelick de Carvalho e Faustino da Silva e a professora Gisele Ferrarez, pela implementação de projetos de educação patrimonial; os músicos Armando Fernandes Aguiar (Mamão) e Márcio José Gomes, por atuarem no reconhecimento da história do samba em Juiz de Fora e pela atuação na preservação da memória da música popular da cidade, respectivamente; e o professor Galba Ribeiro Di Mambro, pelo trabalho como professor de história, diretor do Arquivo Histórico da UFJF e por seu apoio e orientação na constituição de diversos arquivos locais. A cerimônia de premiação acontece no dia 16 de agosto, no Anfiteatro João Carriço, às 15h30. Instituído em abril de 2006, pela Lei 11.111, o projeto é gerenciado pela Prefeitura, através da Funalfa.

 

=================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Economia

Data: 07/08/13

 

Licitação da UFJF não atrai planos

 

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) estuda a abertura de um novo processo licitatório para a contratação de plano de saúde para os servidores da instituição. No pregão eletrônico 151/2013, realizado nesta terça-feira (06) para licitar a prestação do serviço, nenhuma proposta foi apresentada. A UFJF, por meio de sua assessoria, afirmou que seria necessário analisar os aspectos do procedimento para identificar os motivos pelos quais não houve registro de empresas concorrentes. “O valor contratado nos últimos anos garantiu a utilização de recursos financeiros com segurança e contenção, de modo a acarretar menos oneração para os cofres públicos e para o servidor público”, declarou a instituição, em nota.

 O pregão atual estima a cobertura de até 9.280 vidas, totalizando cerca de R$ 69,3 milhões, em 36 meses, conforme dados da instituição. O último contrato foi assinado com a Unimed/Juiz de Fora e vence no dia 31 de agosto, no caso dos técnicos administrativos, e em 14 de setembro, para os docentes. O coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Educação das Instituições Federais de Ensino no Município de Juiz de Fora (Sintufejuf), Paulo Dimas, disse que está preocupado com a situação. “O plano de saúde é uma importante conquista que alcançamos em 2007. Entendemos que os servidores não podem perdê-lo, por isso, acompanharemos de perto a situação com a UFJF.”

 Em nota, a universidade garantiu que o benefício não será cortado. “Apesar de não haver a obrigatoriedade de oferecimento de plano de saúde privado, a administração superior da UFJF desempenhará todos os esforços possíveis para obter êxito na licitação, reafirmando um compromisso da gestão do reitor Henrique Duque.”

 

=================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Política

Data: 07/08/13

 

TCU investiga contratação de gráfica pela UFJF

 

O Tribunal de Contas de União (TCU) abriu, nessa segunda-feira (05), investigação do contrato firmado entre a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e a Gráfica e Editora Brasil LTDA.. O processo pretende apurar possíveis irregularidades no procedimento licitatório que possibilitou a celebração do acordo. O ministro Valmir Campelo será o relator do processo. Conforme extrato de contrato assinado em dezembro do ano passado, a UFJF irá pagar R$ 38.692.823,58 à empresa para a prestação de serviços de produção de materiais gráficos, com logística de entrega em todo o território nacional para atender setores da instituição. A vigência do contrato é de 12 meses.

 No início da semana, a revista “Época”, antecipou a intenção do TCU de apura a concorrência. Segundo a publicação, há desconfiança de direcionamento e superfaturamento do processo licitatório. A revista lembra ainda que a empresa foi responsável pelo pagamento do aluguel de um dos comitês de campanha da presidente Dilma Roussef, em 2010. A assessoria de imprensa do tribunal não informou maiores detalhes sobre as investigações.

 

=================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editorial

Data: 07/08/13

 

CULPA DE QUEM?

Gangues saem de seus limites e passam a comprometer a segurança em vários pontos da cidade

 

Os episódios ocorridos na semana passada no Campus da UFJF, quando duas pessoas foram baleadas, retomaram uma discussão que, de fato, não cessou, mesmo diante de novas regras para realização de eventos. A primeira, sobre a pertinência de o espaço ser utilizado para shows. A segunda, sobre a ação das gangues, que não se restringe ao local, sendo rotina em qualquer manifestação na qual haja aglomerações.

 Na essência, a universidade é destinada ao ensino, mas seria intransigência desconsiderar que há espaço para eventos, desde que sob regras e com segurança adequada. Pelos primeiros levantamentos, os episódios de sexta-feira podem até permitir crítica ao número de profissionais, zelando pelo bem-estar dos participantes, mas não é possível culpar os organizadores por uma ocorrência que poderia ter sido registrada em qualquer evento de tal magnitude e aberto ao público.

 A constatação é que as gangues são o principal flagelo. Juiz de Fora tem tradição de grandes eventos – inclusive abertos ao público, como os desfiles da Banda Daki -, que sempre foram marcados pelo interesse único da diversão. Com o surgimento das galeras, algo que Juiz de Fora tem sido ímpar, apareceram os sistemáticos problemas. Os enfrentamentos, antes restritos a alguns bairros, saíram de suas fronteiras e passaram a ocorrer em qualquer ponto da cidade, colocando em risco quem não tem nada a ver com essa disputa.

 O passo seguinte não é dar fim aos eventos, pois a cidade estaria se curvando aos agressores, e sim enquadrar os que se consideram donos do destino de terceiros, num confronto sem fim. As disputas de gangues, segundo o Judiciário, são responsáveis por 40% dos crimes contra a vida praticados na cidade. Não se trata, então, de tirar o sofá da sala, e sim de dar combate àqueles que são os verdadeiros responsáveis por esse cenário de medo.

 

====================================

Veículo: Diário de Taubaté

Editoria: Notícias

Data: 07/08/13

 

Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora completa 47 anos

 

O Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (HU/UFJF) completa 47 anos, amanhã, dia 8. Nessas quase cinco décadas, o HU, certificado de Hospital deEnsino, desenvolve um trabalho de excelência na área de saúde, em níveis primário, secundário eterciário, conjugando atividades de ensino, pesquisa, extensão e assistência, visando umatendimento mais humanizado, sendo um centro de referência ao atendimento de pacientes darede SUS, atendendo a mais de 90 municípios da Zona da Mata Mineira e do estado do Rio de Janeiro.

O hospital prepara profissionais em nível de Graduação e Pós-Graduação das áreas de Ciências Biológicas, Educação Física, Enfermagem, Farmácia e Bioquímica, Fisioterapia, Medicina, Odontologia, Nutrição, Psicologia e Serviço Social, com a missão de formar Recursos Humanos, gerar conhecimentos e prestar assistência de qualidade na área de saúde à comunidade e região.

 Além disso, o HU/UFJF possui duas unidades, a Unidade Santa Catarina e a Dom Bosco. Na unidade Santa Catarina, estão localizados Centros Cirúrgicos, a Unidade de Tratamento Intensiva (UTI), Internamento, os Ambulatórios de Cardiologia, Neurologia e Psiquiatria. Já na unidade Dom Bosco, concentram-se as diversas especialidades atendidas pela Unidade Ambulatorial. O Hospital destaca-se como Centro de Referência para o tratamento das Doenças Neurológicas Imunomediadas, Fibrose Cística, Hepatologia, Hanseníase, Hematologia e Transplante de Medula Óssea.

 Nesses 47 anos, muitas conquistas foram alcançadas, em destaque, a implantação, há um ano, do Aplicativo de Gestão dos Hospitais Universitários (AGHU), um instrumento administrativo, que contempla, além do cadastramento de pacientes, o cadastramento de servidores, disponibilizando o acesso e organização da agenda, melhorando exames, cadastro de pacientes, marcação de consultas e registro de atendimentos ambulatoriais.

Entre outras realizações importantes estão a cirurgia de coleta de medula óssea para transplante em doador não aparentado, implantações dos serviços de Imagenologia do Centro de Diagnósticos e Tratamento, e o Laboratório de Educação Física, pioneiro em Minas Gerais. Além deles, a implantação dos programas Viva Vida e Hiperdia, com a proposta de ampliar a atenção à saúde do homem, da mulher e da criança, reduzindo a mortalidade infantil e materna, e possibilitando o atendimento de pacientes crônicos com hipertensão arterial e diabéticos.

 O Diretor-Geral do Hospital Universitário, Dr. Dimas Augusto Carvalho de Araújo, aponta como grande conquista do HU o reconhecimento pela sociedade e comunidade acadêmica da UFJF do excelente trabalho desenvolvido pela equipe do HU/UFJF, além da construção do novo prédio que concentrará todo atendimento em um único local, além de passar a funcionar ao lado da Faculdade de Medicina da UFJF.

 Dr. Dimas ressalta que possui diversos sonhos como diretor do hospital, como a criação o de uma maternidade, que será transformado em realidade, em breve, com a construção do “novo HU”, capaz de ampliar a oferta de serviços de qualidade para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), formar profissionais qualificados para prestar assistência de qualidade e ampliar e melhorar a produção do conhecimento das diversas áreas da saúde através do ensino e da pesquisa.

 Atualmente, o HU/UFJF disponibiliza uma capacidade instalada e ocupacional de 140 leitos, 16 leitos de Hospital Dia, salas de Ambulatório nas diversas especialidades, boxes para acolhimento integrado, consultório de Odontologia hospitalar, além de oito centros cirúrgicos. Porém, para aumentar a capacidade e melhorar o atendimento, está sendo construído o Novo Hospital, as obras estão em dia e a previsão para o término delas é para o primeiro semestre de 2014.

 

===============================

Veículo: Acessa.com

Editoria: Educação

Data: 07/08/13

 

UFJF abre dois editais de concurso público. Salário pode chegar a R$ 8 mil

 

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) está com dois editais abertos para o preenchimento de 99 vagas para o cargo de professor adjunto, assistente e auxiliar. A remuneração dependendo do cargo pode chegar a R$ 8.049,77, com jornada de trabalho entre 20 e 40 horas semanais. As oportunidades são para atuar nos campus de Juiz de Fora e Governador Valadares.

 Os interessados podem se inscrever até o dia 12 de agosto, nas secretarias das unidades acadêmicas no período de 9h às 12h e de 14h às 17h. A taxa é de R$ 150. O campus de Juiz de Fora fica localizado na rua José Lourenço Kelmer, s/n, bairro São Pedro. Já o campus de Governador Valadares fica na avenida Dr. Raimundo Monteiro de Rezende nº 330, Centro, no prédio da Faculdade Pitágoras.

 De acordo com os editais, os candidatos serão submetidos a realização de provas escrita e didática. Além de avaliação de títulos e entrevista. O resultado do concurso será publicado na página da UFJF, no dia 10 de setembro. O período de validade do concurso será de um ano, prorrogável por igual período, contado a partir da data de publicação do resultado.

 

==============================

Veículo: Ecaderno

Editoria: Pré-Universitário

Data: 07/08/13

 

MAMM lança “Venta Não” de Alexandre Faria

O livro traz 90 poesias divididas em duas partes

 

O lançamento do livro “Venta Não”, de Alexandre Faria, acontece nesta quinta-feira, dia oito, às 19h, no Museu de Arte Murilo Mendes (MAMM), que fica na rua Benjamin Constant, 790, Centro. A entrada é gratuita.

 O livro traz 90 poemas, divididos em duas partes, com 81 poesias independentes para serem lidas do início ao meio. Esta parte trata o mesmo assunto: o agora, o presente e a libertação do corpo. A segunda parte contém 81 versos com nove poemas, cuja leitura deve ser feita a partir do final.

 A segunda parte conta a história de um homem que possui um chip introduzido em sua pele. O dispositivo inesperadamente falha e causa o que autor denomina como festa, “uma liberação de todos os significados que o corpo pode assumir dependendo de quem o analisa”.

 O autor é conhecido pela publicação de suas obras na internet, entretanto, decidiu utilizar a estrutura oferecida pelo livro impresso.

 Segundo Faria, os canais eletrônicos demonstram mais possibilidades em relação aos “canais físicos”, por inúmeras razões como tiragem irrestrita, possibilidade de acesso por um maior número de pessoas e custos reduzidos.

 O autor ressalta a importância da confecção da obra em papel que, de acordo com sua configuração, possibilitou uma leitura muito mais compatível com a ideia do projeto.

 

================================

Veículo: Megaminas

Editoria: Educação

Data: 07/08/13

 

Inscrições abertas para pós-graduação em Ciências Penais na UFJF

Prazo termina nessa quinta-feira (8)

 

A faculdade de Direito da UFJF abriu 44 vagas para uma turma de pós-graduação em Ciências Penais. As inscrições podem ser feitas até 8 de agosto. Quatro vagas serão para servidores da universidade. A aula inaugural será no dia 9. O curso tem duração prevista de um ano e acontece às sextas-feiras e aos sábados.

 De acordo com assessoria da UFJF, os interessados devem entregar a lista de documentos exigidos na coordenação do curso, localizado no 2º piso da faculdade de Direito, das 7h às 12h, onde também deve ser feito o pagamento das taxas de inscrição (R$50) e matrícula (R$200).

 

=================================

Veículo: Megaminas

Editoria: Esporte

Data: 07/08/13

 

Tecnologia auxilia no desempenho de atletas

A equipe do MGTV visitou o treino da equipe de vôlei da UFJF e uma academia de Juiz de Fora

 

O MG Tec desta quarta-feira (07) mostrou as tecnologias usadas em diferentes modalidades esportivas.

 

Hoje em dia, atletas que praticam qualquer tipo de esporte usam a tecnologia para melhorar o desempenho. Pode ser durante a competição ou nos treinos.

 Assim que o treino da equipe de vôlei da UFJF acaba, a primeira coisa que muitos jogadores fazem é pegar o celular. O central Lucão é um desses. Está sempre conectado.

 A tecnologia também faz parte do time em quadra. A força e a agilidade que eles demonstram nos treinos e nas partidas podem ser medidos por aparelhinhos tecnológicos. São dois testes que avaliam o desempenho dos jogadores.

 Em poucos segundos um pequeno sensor calcula a velocidade e a agilidade dos atletas. Já a plataforma de salto tem uma superfície de contato que emite um sinal assim que eles dão o pulo e envia uma série de dados direto para o computador.

 Os parâmetros são individuais. Tecnologia que permite aprimorar o preparo do grupo.

 O oposto Daniel Maciel jogava na França. Chegou para esta temporada como o atleta que tem os melhores índices nos testes. Em um dos saltos, por exemplo, ele alcança uma altura de 55,4 centímetros.

 Nas academias, a tecnologia está em praticamente tudo.

 Ela chega a ser uma extensão do corpo. O celular da professora Janaína Bulhões, por exemplo, fica o tempo todo ao lado dela. Principalmente durante a corrida.

 Através de um aplicativo, ela sabe quantos quilômetros correu, calorias gastou e o tempo que levou na atividade. O GPS marca o percurso e todos os trajetos que já fez, dentro e fora da academia. A ferramenta também registra as corridas anteriores. Assim, ela pode acompanhar o quanto evoluiu.

 Mas tem hora que os smartphones também atrapalham. Nem na hora de malhar a jornalista Renata Massafera conseguia ficar offline. Atualmente, o máximo que faz é ligar uma musiquinha pra dar mais pique.

 Todos os aparelhos tem um computador aparentemente simples, que fornece informações importantíssimas para o treino.

 

=================================

Veículo: Ecaderno

Editoria: Universitário

Data: 08/08/13

 

Estágio para web designer na Imovi Sistemas

Inscrições vão até o dia 30 de agosto

 

O Centro Regional de Inovação e Transferência de Tecnologia (Critt) está com uma vaga aberta para estágio. A oportunidade é para web designer na empresa incubada Imovi Sistemas.

 Os interessados na vaga devem estar cursando curso técnico ou superior na área de tecnologia da informação. Os pré-requisitos são: conhecimentos em HTML, JavaScript/Query, CSS, saber ler e entender artigos técnicos em inglês, ter postura profissional, ser dinâmico, comprometido com o trabalho e preocupado com a qualidade dos sites produzidos.

 O estágio tem carga horária de 20 horas semanais, com salário a combinar. Os interessados devem enviar e-mail com currículo para rh.critt@ufjf.edu.br, especificando no assunto “Vaga Web Designer”, até o dia 30 de agosto.

 

===============================

Veículo: Ecaderno

Editoria: Universitário

Data: 08/08/13

 

Professor da UFJF realiza pesquisa sobre alimentos orgânicos

Estudo mostra que os consumidores de orgânicos se preocupam com a preservação do meio-ambiente e com a qualidade de vida

 

Os estudos do professor da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis (Facc), da Universidade federal de Juiz de Fora, Danilo de Oliveira Sampaio, foram influenciados pela popularização e pelo consumo dos alimentos orgânicos.

 O trabalho, que foi realizado com apoio da orientanda Marlusa Gosling, será apresentado entre dois e quatro de setembro, no Congresso da Associação Mundial de Desenvolvimento Sustentável, na Escola Inglesa de Economia e Ciências Políticas, em Londres. Representantes da Organização das Nações Unidas (ONU), Unesco, estudantes e profissionais das universidades Oxford, Cambridge e Harvard estarão presentes no evento.

 A pesquisa originou dois artigos, nos quais o professor faz uma análise sobre o desenvolvimento sustentável e a função das empresas mediante a disponibilização dos produtos.

 Na tese, “Consumidores de alimentos orgânicos e desenvolvimento sustentável no Brasil”, o docente pesquisa os motivos que levam ao consumo de orgânicos, considerando o desenvolvimento sustentável.

 O estudo demonstra que a produção desse tipo de alimento traz inúmeras vantagens para a terra, para o meio ambiente e para o homem do campo, através da diminuição do êxodo rural.

 O professor observou que a utilização dos alimentos orgânicos no Sistema Único de Saúde (SUS) poderia economizar milhões de reais do governo. “Isso porque, países como Holanda, Alemanha, e Dinamarca utilizam mais de 50% da alimentação em dietas orgânicas”, diz. Outro ponto é que o trabalho humano seria priorizado de forma satisfatória.

 A pesquisa “Comportamento do consumidor de alimentos orgânicos no varejo Brasileiro” será apresentada na Academia Britânica de Gestão, nos dias 10 e 12 de setembro.

 

==============================

Veículo: Ecaderno

Editoria: Universitário

Data: 08/08/13

 

UFJF oferece licenciatura em computação a distância

São 525 alunos matriculados no curso de ciência da computação, considerado o segundo maior curso em número de vagas

 

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) oferece cursos de graduação em computação, engenharia, computacional e sistemas da informação.Além da modalidade presencial, a licenciatura em computação também é ofertada a distância. Os cursos funcionam em 12 dos 32 polos. São 525 alunos matriculados no curso de ciência da computação. Este é o segundo maior curso em número de vagas oferecidas, com turmas em 2010 e 2012.

 O curso oferece áreas de atuação como redes de informação e dados, desenvolvimento de softwares, computação e tecnologias na educação. O material didático será elaborado pelo Departamento de Ciência da Computação, de acordo com os subsídios ofertados pelas Universidades Aberta do Brasil (UAB), videoaulas, material web e tutores especialistas.

 O curso também oferece atividades extras, uma vez por mês, como oficinas e seminários, para promover a interação entre alunos e professores.

 

===============================

Veículo: Ecaderno

Editoria: Universitário

Data: 08/08/13

 

UFJF prorroga inscrições para o curso de pós-graduação em direito público e contemporâneo

Os interessados devem se inscrever na secretaria de pós-graduação da Universidade

 

O prazo para inscrição no programa de pós-graduação em direito público e contemporâneo foi prorrogado até o dia 16 de agosto, a data limite era até o dia dois. Já as inscrições para o curso de direito e diplomacia continuam até o dia 16 deste mês.

 As inscrições podem ser realizadas na secretaria de pós-graduação. O candidato deve apresentar cópia do diploma de graduação (ou declaração de conclusão de curso e protocolo de solicitação do diploma), certidão de nascimento (ou casamento), CPF, RG e currículo vitae ou lattes (para a inscrição em direito e diplomacia).

 Cada um dos cursos terá uma carga horária de 360 horas. As aulas de direito público e contemporâneo acontecem às sextas-feiras das 19h às 22h45 e aos sábados das 8h30 às 13h45. As de direito e diplomacia acontecem aos sábados das 8h às 12h ou das 14h às 18h.

 No total, são 100 vagas destinadas a alunos com diploma de graduação em uma universidade reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC).

 

==============================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cidade

Data: 08/08/13

 

Campus terá código de posturas

 

Representantes da Secretaria de Comunicação (Secom) da UFJF se reuniram nesta quinta-feira (08) para avaliar a aplicação da Resolução 13/2013 que prevê normas para eventos e para o uso do campus pela população. A secretaria também elabora material gráfico para realização de campanhas educativas voltadas para a população que frequenta o campus. Será criado um código de postura a ser seguido no espaço. “Queremos a integração entre universidade e sociedade. Porém, para que o convívio seja harmonioso, é preciso haver normas”, afirma a secretária de Comunicação, Christina Musse. O código irá estabelecer regras para o uso de skates, patins e bicicletas. Também haverá regras para quem leva os cães ao campus. Eles precisarão usar guias, não ficando mais soltos pelo campus.

 Na próxima semana, a Secom irá se reunir com vigilantes, responsáveis pelo trânsito do campus, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e outros órgãos para discutir questões que possam dar uma visão mais ampla de possíveis riscos dos grandes eventos. Também serão feitas reuniões com o Diretório Central dos Estudantes (DCE), com o objetivo de discutir os itens mencionados na resolução e formalizar um protocolo para a realização dos eventos em geral.

 De acordo com Christina Musse, as realizações de grande porte continuam suspensas até que algumas questões da resolução sejam esclarecidas e detalhadas. Estão permitidas as festas de pequeno porte, gerenciadas pelo DCE, no Restaurante Universitário (RU) do Centro e nos estacionamentos localizados entre as faculdades de Educação e Economia; nos fundos da Faculdade de Farmácia; nos fundos do prédio da Associação dos Professores de Ensino Superior (Apes) e no estacionamento a ser construído ao lado do prédio do Critt.

 A Secom pedirá ao Conselho Superior (Consu) um maior detalhamento das questões para que não haja espaço para interpretações errôneas. “Não é mudar a resolução. É tornar mais clara a redação de alguns itens”, esclarece Christina.

 

==================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cidade

Data: 08/08/13

 

HU terá novo tratamento de hepatite C

 

O Hospital Universitário (HU/UFJF) começa a se preparar para disponibilizar um novo tratamento para hepatite C, tornando-se referência em hepatologia na região. Juiz de Fora será uma das quatro cidades mineiras a receber a nova medicação, que beneficiará pacientes diagnosticados com a doença, mas que não obtiveram sucesso com os métodos convencionais.

 Como parte dos preparativos para o uso da nova terapia, o HU promove nesta sexta-feira (09) uma palestra com a professora da Faculdade de Medicina da UFMG, Rosângela Teixeira, integrante do Ambulatório de Hepatites Virais dos Instituto Alpha de Gastroentererologia do Hospital das Clínica de Belo Horizonte. O evento acontece no HU/CAS, localizado no Bairro Dom Bosco, na Cidade Alta.

 A hepatite C é uma doença viral, que pode ser transmitida de mãe para filho, durante a gestação, por meio relações sexuais, ou, principalmente, por meio de sangue contaminado. A moléstia causa inflamação e inchaço no fígado, o que compromete a funcionalidade do órgão. Manifesta-se de forma aguda e crônica, sendo que a última pode causar cirrose e câncer hepático.

 Em todo o país, três mil voluntários participarão do estudo com a nova medicação. Cerca de 60 pacientes cadastrados, com até 70 anos, serão atendidos pelo HU/UFJF e receberão o tratamento. O novo método intensifica o uso de remédios que combatem a infecção viral, aliados a novos inibidores de protease, cuja função é impedir a produção de partículas infectadas pelo vírus. A expectativa é de que, com essa combinação, ocorra a erradicação do vírus em até 70% dos casos, um aumento de 30% na comparação com medicamentos convencionais. Como o custo do tratamento é alto, cerca de R$ 75 mil por paciente, o Ministério da Saúde pretende, a princípio, atender pacientes crônicos com hepatite C avançada e em fase cirrótica. Esse estudo é o primeiro do tipo realizado nesta na área no Brasil.

 

==============================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cultura

Data: 08/08/13

 

Possíveis posturas de Arcuri

Exposição no Parque do Museu Mariano Procópio lembra centenário do engenheiro-arquiteto

 

A presença da fotografia foi crucial na vida de Arthur Arcuri. “Despertou nele o interesse pelas artes e pela arquitetura”, diz o arquiteto, historiador e professor do Departamento de História da UFJF, Marcos Olender, curador da mostra “O observador, o caçador e o explorador: Dimensões possíveis das fotografias de Arthur Arcuri”, em cartaz no parque do Museu Mariano Procópio. “A fotografia foi responsável por sensibilizar o olhar de Arcuri em relação a cenários, paisagens e detalhes”, completa.

 A arte fotográfica não só o atraiu para outras artes, mas, como dizia o próprio arquiteto – que completaria 100 anos em 2013 -, o fez “refém da arquitetura”. A homenagem é composta por 15 reproduções emolduradas(impressas em 40cm X 30cm) das imagens originais, pertencentes ao acervo do museu, selecionadas a partir de uma entre tantas possíveis leituras de sua obra. Em meio às imagens pré-selecionadas para a exposição, Olender optou por aquelas que se enquadravam em três posturas que podem ser adotadas por um fotógrafo.

 Como “observador”, o profissional é um espectador, que contempla paisagens. “Aquele que contempla se detém aos detalhes”, lembra Olender. Detalhes já familiares ao observador, mas que acabam sendo ressaltados por sua percepção apurada. Neste sentido, foram escolhidas fotografias de Juiz de Fora, que retratam o Museu Mariano Procópio, a Igreja da Glória, o Morro do Cristo.

 Outra possível postura do artista é a de “caçador”, que, após se deter ao que é familiar, parte em busca do que é novo. “O caçador, contudo, procura por algo já escolhido, tem um objetivo traçado”. Aí enquadram-se as fotografias de outras paisagens mineiras, conhecidas, mas afastadas de sua cidade natal, como Poços de Caldas. “Os imigrantes italianos sempre gostaram de descansar nas águas termais”, lembra o curador.

Por fim, é desvendada a faceta de “explorador” de Arcuri. “Um alpinista faz um planejamento para escalar uma montanha, mas o que verdadeiramente o encanta é vencer o desconhecido.” As fotos escolhidas sob a premissa dessa postura representam tal abertura de Arcuri para o mundo. São retratados o Convento da Penha, no Espírito Santo, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro e o mar. “Se lançar ao mar é estar aberto a tudo. A paisagem é sempre dinâmica, um cenário belíssimo e cheio de possibilidades”, finaliza.

 Além da homenagem ao centenário de Arthur Arcuri, a exposição lembra o Dia Mundial da Fotografia, 19 de agosto. De acordo com o diretor-superintendente do Museu Mariano Procópio, Douglas Fasolato, a instituição tem fortes vínculos com a fotografia. “Os filhos de Mariano, Alfredo e Frederico Ferreira Lage, eram amantes da fotografia, fotógrafos amadores”, conta. “Alfredo foi, inclusive, premiado e chegou a ocupar o cargo de presidente do Photo Club do Rio de Janeiro.”

 O museu possui um dos mais importantes acervos fotográficos brasileiros, com cerca de 35 mil itens, dos mais variados suportes. A coleção de Arthur Arcuri integra o acervo, tendo sido, em parte, doada pelo arquiteto ainda em vida. “A ligação de Arcuri com o museu também é muito forte, pois ele fez parte do Conselho de Amigos do Museu Mariano Procópio desde de 10 de janeiro de 1955 até sua morte, em 2010, e, além disso, foi diretor da instituição durante 14 anos”, acrescenta Fasolato.

 Outra iniciativa que lembra o centenário do engenheiro-arquiteto, o Concurso de Monografias Centenário de Nascimento de Arthur Arcuri, promovido pela Funalfa, já tem divulgado seu trabalho vencedor. “Memórias da urbe: A arquitetura encontra com a moda no Magister”, da estudante de arquitetura da UFJF, formada em moda pela Estácio de Sá, Alana Nobre Torres, receberá o prêmio de R$ 3 mil. As outras duas propostas inscritas na concorrência obtiveram menos de 70 pontos, valor estipulado pela comissão julgadora como ponto de corte, de modo que não foram aprovadas.

 A comissão julgadora foi formada pela historiadora doutora Valéria Leão Ferenzini, integrante da Divisão de Patrimônio Cultural (Dipac), pelo arquiteto e doutor Marcos Olender e pela jornalista e mestre em educação, Alice Gonçalves Arcuri, filha de Arthur Arcuri.

 

O OBSERVADOR, O CAÇADOR E O EXPLORADOR: DIMENSÕES POSSÍVEIS DAS FOTOGRAFIAS DE ARTHUR ARCURI

 

De terça a domingo, das 8h às 18h. Até 22 de setembro

Parque do Museu Marino Procópio

(Rua Mariano Procópio 1.100)

 

================================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cultura

Data: 08/08/13

 

Alicerce no presente

Professor da UFJF e poeta Alexandre Faria lança ‘Venta não’

 

Jandira Martins, a Doca, uma avó – “uma dessas muitas avós analfabetas que o Brasil tem” – dizia à Alexandre Faria, em momentos festivos ou tristes: “é o que tem pra hoje!”. A tal certeza de que o amanhã é sempre um outro dia não saiu das lembranças do professor da Faculdade de Letras da UFJF e poeta. Em “Venta não”, que será lançado hoje, às 19h, no Museu de Arte Murilo Mendes (Mamm), Faria se arma com o presente encarando o cotidiano. “O livro faz constatações de quem não tem muita perspectiva, de quem tem muito do presente”, explica o autor, que dedicou a obra à Jandira e em um dos poemas reverencia sua sensatez: “sabedoria / a vó analfabeta // o resto / erudição e velhice”.

 Influenciado por Heráclito, filósofo pré-socrático, e pelo “Tao Te Ching”, obra referencial da literatura chinesa, com autoria atribuída a Lao Tsé, Faria recria em seus versos um lugar de reflexão e desconforto. Divididos em duas partes – “tudo muito sempre” e “o pai era um” -, os 90 poemas não resvalam em revolta desmedida, mas na sutileza das inquietações silenciadas. “Pessimismo é pensar no paraíso, acreditar que seremos muito mais felizes depois”, sugere o poeta. “A vida é muito pouco. É quase nada. Mas é o que temos”, completa.

 Segundo o escritor, natural do Rio de Janeiro e autor de “Lágrima palhaça” (Aquela Editora), de 2012; “Literatura de subtração” (PapelVirtual), de 1999; “Anacrônicas” (7Letras), de 2005, fatos e situações de seu dia a dia lhe serviram como ponto de partida. “Minha intenção era problematizar a nossa época e o meu cotidiano, com o olhar moldado por esse tipo de percepção”, comenta, referindo-se ao “Tao Te Ching”. Dessa forma, tanto o ambiente intelectual no qual Faria está inserido, quanto a rotina da comunidade de Manguinhos, onde organizou um sarau e uma oficina, estão presentes no desconforto do poeta. “Minhas inquietações são com o mundo e com a maneira como os discursos se constroem de forma definitiva baseados em invenções e preconceitos”, explica.

 

 Camadas de humano

 

Logo na capa de “Venta não”, publicado com recursos da Lei Murilo Mendes em parceria com a editora TextoTerritório, da qual Alexandre Faria é um dos fundadores, cenas da desocupação do Complexo de Manguinhos, que visa reurbanizar a área em projeto do Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC. Uma casa em frangalhos, uma laje com buracos e uma escada sem destino povoam a montagem feita por Pedro Paiva a partir de fotografias do autor. Com olhares atentos, Faria observava, ali, o processo de modernização cuja imposição maior é desconfigurar a camada humana e afetiva daquele espaço. “Há sempre um desarranjo do ser humano com o mundo, e isso vem de uma indagação e da tentativa de criar respostas”, aponta, certo de que seu discurso não se volta contra o que se entende por governo, mas a uma política própria da convivência.

 E, além de contribuir com sua voz, Faria sugere outro desalinho. Na primeira parte, 81 poemas curtos estão agrupados sutilmente em temas próximos. Já na segunda, a sugestão é de que a leitura se inicie pelo fim e vá ao encontro da primeira seção. “Meu movimento maior era que o livro convergisse para o centro, que não terminasse na última página”, explica, para logo completar: “Isso tem a ver com a maneira como eu penso um livro. Ele não deve ser só um suporte, mas a extensão do texto”. Sendo assim, a ventania de reflexões que o poeta lança não espera calmaria.

 

“VENTA NÃO”

 

Lançamento do livro de Alexandre Faria

 Hoje, às 19h

 Museu de Arte Murilo Mendes

(Rua Benjamim Constant 790)

 

===============================

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cultura

Data: 08/08/13

 

O eu em relação com a urbe

 

Nada de mexer com o ritmo, mas com as luzes nas fotografias e com o movimento corporal. Esta é a proposta da exposição “Ritmo Zero – Experiência três”, em cartaz no Colégio de Aplicação João XXIII. Os trabalhos oferecem possibilidades para a manifestação do eu em relação constante com a cidade na qual os sujeitos estão inseridos. Aberta ao público até o dia 23 de agosto, a mostra leva a assinatura do artista René Loui, bacharel em artes e design pela Universidade Federal de Juiz de Fora, bailarino e criador da Ekilíbrio Cia. de Dança, em parceria com o fotógrafo Paulo Motta. Motta também integra a Ekilíbrio, estando na produção dos espetáculos “As teorias de caos e panos” e “Sobre o outro lado do avesso”. A entrada é gratuita.

 Exposição “Ritmo Zero – Experiência três”. De segunda a sexta, das 7h às 22h, até 23 de agosto, no Colégio de Aplicação João XXIII (Rua Visconde de Mauá 300 – Santa Helena)

 

=============================

Veículo: Acessa.com

Editoria: Cultura

Data: 08/08/13

 

Pianista Márcio Hallack apresenta canções inéditas em show no Terças Musicais

 

O pianista e compositor Márcio Hallack retorna aos palcos do Pró-Música da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). O show está marcado para a próxima terça-feira, 13 de agosto, às 20h. Na apresentação, o músico promete oferecer ao público uma noite especial, com o show Piano solo, choros e canções, que reúne músicas autorais do CD homônimo e releituras de célebres compositores, como João Pernambuco, Pixinguinha, Ernesto Nazareth, Hermeto Pascoal e mineiros do Clube da Esquina. O vasto repertório inclui também músicas inéditas do CD Aquelas Canções, que deverá ser lançado pelo artista ainda este ano.

 Reconhecido instrumentista, Hallack traz na bagagem o II Prêmio BDMG-Instrumental de 2002 e de 2007 e indicações a tantos outros. Embora sua formação seja erudita, apresenta estilo eclético, destacando as fortes influências que recebeu do Instrumental brasileiro e do jazz. Já compôs em parceria com grandes nomes da música brasileira e estrangeira, tendo se apresentado em consagrados festivais nacionais e internacionais. Também já compôs trilhas sonoras para o cinema e para a televisão, com destaque para os filmes Janela do Caos e O rei do Samba, de José Sette.

Compartilhe: