Pesquisadora do IAD discute nova sala de aula e formas de ensinar menos tradicionais

A briga para mudar os espaços e a forma de ensinar, tão sacralizada, poderá ser grande, mas segundo Eliane Bettocchi, a mudança é iminente (Foto: Frederico Boza)

Ao imaginar uma escola, a maior parte das pessoas pensa em carteiras alinhadas diante de um quadro negro, onde estudantes sentam-se para acompanhar a explanação de um professor. Nas últimas décadas, pouco foi questionada essa forma de ensinar que, criada sob o arcabouço positivista do século XIX, perdura após a chegada do terceiro milênio. Por isso, atualmente uma série de pensadores têm procurado discutir a reformulação da tradicional “sala de aula”.

Entre eles está a professora Eliane Bettocchi, do Instituto de Artes e Design (IAD) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Ela busca sustentar sua reflexão no pensamento pós-estruturalista de Michel Foucault, na arte conceitual de Marcel Duchamp e Joseph Beuys, e nas ideias sobre a organização de tempo e espaço de Fernando Hernández, articulando teorias a fim de propor a criação de um “hiperambiente” a ser utilizado como espaço de ensino. Segundo a professora, este seria um modelo a valorizar a interdisciplinaridade, a interatividade e o lúdico.

“O atual modelo de sala de aula confina, adestra, restringe. Não permite que os alunos sejam criativos e questionadores, transformando-os em apreensores de informações”, afirma Bettocchi. Para a professora, o espaço de ensino deve, em primeiro lugar, permitir uma relação afetiva entre aluno e local de aprendizagem. “Uma sala de aula pode ter mesas onde os alunos espalhem o material, ao invés das carteirinhas tão limitadas. Pode ter uma biblioteca ou um espaço de informática. Ela deve reunir ‘cantos de interesse’ dos alunos. Não ser um espaço estanque ou uniforme.”

Segundo a professora, tais ideias beneficiariam alguns campos do conhecimento prejudicados por espaços de educação fortemente formatados e hierarquizados. “No caso das artes, por exemplo, um ateliê é um espaço apropriado para o ensino. Mas não uma sala de aula, nos moldes utilizados pela maioria das escolas. É um espaço muito sacralizado, que não permite o encontro da aprendizagem com o lúdico, com o prazer do aluno em estar ali, aprendendo.”

Privilegiar o interdisciplinar e o lúdico

O ato de repensar os ambientes acadêmicos já rendeu resultados concretos como as reestruturações de laboratórios na UFJF, aprovadas por edital da Capes (foto: Frederico Boza)

Eliane lembra o começo de suas pesquisas, quando, ao trabalhar com alunos de uma escola pública, inovou e abriu mão das formas tradicionais de ensino. Ela apresentou aos alunos o Role Playing Game (RPG), jogo em que os participantes interpretam papéis e criam narrativas. “Vivenciamos, com esta inovação, uma melhoria muito grande no interesse dos alunos pela aula. Conseguimos despertar nos alunos a vontade de produzir textos, por exemplo. Desde então, trabalho assiduamente neste campo.”

A pesquisadora conta que, depois da experiência com o RPG, trabalhou na elaboração de materiais didáticos que privilegiassem a interatividade. Mais tarde, decidiu extrapolar a limitação do impresso e pensar no espaço, objeto de estudo desenvolvido atualmente na UFJF.

“Buscamos intensamente uma nova forma de pensar a sala de aula, por isso mantemos grupos de professores que pretendem reestruturar os espaços de ensino da universidade. Trabalhamos com a possibilidade de elaborar laboratórios interdisciplinares, em que docentes de diferentes campos de conhecimento desenvolvam projetos em conjunto.”

“Mudança é iminente”, afirma pesquisadora

Eliane afirma que esse esforço já rende aos professores resultados concretos na UFJF, tais como as reestruturações do Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências (LabMEC) do Instituto de Ciências Exatas (ICE) e do Núcleo de Educação em Ciência, Matemática e Tecnologia (NEC) da Faculdade de Educação (Faced), e à implantação do Laboratório Interdisciplinar de Linguagens (LILi) no Instituto de Artes e Design e na Faculdade de Letras. Todos são financiados pela Capes pelo edital Laboratórios Interdisciplinares de Formação de Educadores (LIFE) para atender às Licenciaturas.

O fortalecimento da interdisciplinaridade é um primeiro passo, segundo a pesquisadora, para a reformulação no espaço de ensino. Entretanto, ela prevê forte litígio entre a academia e as instituições que há muito tempo utilizam a tradicional sala de aula. “Vai ser uma briga grande, mas a mudança é iminente. As agências de fomento estão interessadas em novos espaços, que incluam uma sala de aula mais interdisciplinar, lúdica e interativa, e vão pressionar as instituições de nível superior a mudar. Com elas as escolas terão de se transformar. Afinal, não adianta mudar o ensino básico e não mudar a formação dos seus professores, que é responsabilidade das universidades”, conclui.

Outras informações: (32) 2102-3350 (Secretaria do IAD)

Hélio Rocha – bolsista de Jornalismo
Os textos são editados pela Secretaria de Comunicação

Acompanhe a UFJF nas mídias sociais
Facebook | Twitter | Youtube | Instagram (#UFJF)

Compartilhe: