Redes de pesquisa coordenadas por docente do ICB recebe cerca de R$ 3 mi da Fapemig

Laboratório de Biologia - UFJF (Foto: Rafael Prado)

Universidade amplia pesquisa com redes parceiras (Foto: Rafael Prado)

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) divulgou a lista das redes beneficiadas, no biênio 2011/2012, com os recursos do Programa de Apoio a Redes de Pesquisa. Das dez redes mineiras contempladas, duas estão sob a coordenação da professora do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Vera Maria Peters: a Rede Mineira de Bioterismo, com R$ 1.344.381; e a Rede Mineira de Farmacologia e Toxicologia, com R$ 1.480.801, totalizando quase R$ 3 milhões em investimento.

A Rede Mineira de Bioterismo foi uma das primeiras a receber apoio da Fapemig. Surgiu em 1998 e, hoje, oito instituições formam a rede, cada uma com competência especial na criação de determinada espécie animal e com uma área de domínio, como nutrição ou microbiologia. Como a demanda maior é por roedores, outras instituições criam roedores de espécies diferentes.

“Cada instituição assumiu para si a responsabilidade de aprofundar seus conhecimentos em determinada área para dar assistência aos demais biotérios participantes. É a característica típica de uma rede. Não estamos duplicando, mas reunindo competências e colocando-as à disposição do Estado e, quem sabe depois, de outros estados e regiões”, explica a coordenadora.

De acordo com Vera, o recurso será utilizado na infraestrutura física, promovendo a melhoria de equipamentos e a implementação de progressos nos procedimentos operacionais de produção de matrizes de roedores. “A Rede se tornará mais competente em sua função de fornecimento de animais de experimentação com alto padrão de qualidade sanitária e genética de forma a atender a demanda de pesquisa, especialmente em bioensaios.”

Além disso, o projeto Capacitação e Adequação da Infraestrutura Física da Rede Mineira de Bioterismo – Terceira Etapa tem por objetivo o monitoramento sanitário e genético dos animais produzidos e das variáveis ambientais dos alojamentos e, ainda, a formação de recursos humanos para atuação na área de Ciências de Animais de Laboratório.

Avaliação de produtos farmacêuticos

A Rede Mineira de Ensaios Toxicológicos e Farmacológicos foi criada em 2002 com o propósito de integrar uma rede de cooperação visando a avaliação toxicológica e farmacológica no estágio pré-clínico de substâncias e/ou drogas produzidas ou comercializadas pela indústria farmacêutica e grupos de pesquisa.

Segundo Vera, são quatro instituições parceiras na Rede Toxifar. “As redes desenvolvem ações que fazem parte das diretrizes estabelecidas pela mesma. De acordo com a competência de cada Instituição, são determinadas as atividades a serem desenvolvidas em parceria.”

Vera Peters - CBR

Vera Peters: "A Rede se tornará mais competente em sua função de fornecimento de animais de experimentação com alto padrão de qualidade sanitária e genética" (Foto: UFJF/arquivo)

O projeto aprovado, Desenvolvimento de Tecnologias em Análises Pré-Clínicas para Atendimento da Demanda do Setor Farmacêutico por Novos Produtos, visa a formação de recursos humanos em diferentes níveis para atuação na área dos estudos pré-clínicos e o monitoramento do potencial de ação de produtos farmacêuticos na saúde humana e animal.

Desenvolvimento monitorado

O Programa de Apoio às Redes de Pesquisa foi criado em 2005 com o objetivo de apoiar e incentivar as pesquisas em rede que, segundo o presidente da Fapemig, Mario Neto Borges, otimizam o avanço científico devido ao trabalho articulado de pesquisadores.

Para medir os avanços das pesquisas, a Fundação realizou o 1º Seminário de Avaliação das Redes de Pesquisa. O evento reuniu coordenadores e pesquisadores integrantes das oito redes financiadas pela Fapemig a fim de apresentarem resultados, trocarem experiências e levantarem possíveis soluções para dificuldades encontradas.

Vera considera o processo de avaliação muito benéfico para o desenvolvimento e organização das redes. “O encontro realizado pela Fapemig foi muito valioso e deveria ser o primeiro de uma série. Foi possível aos coordenadores se reunirem, discutirem os problemas existentes, conhecerem as formas de funcionamento das outras redes, buscarem ações conjuntas. Um benefício muito grande para a organização e para os rumos que serão traçados.” Segundo ela, a avaliação e o acompanhamento dos trabalhos são importantes, principalmente, por se tratar de um programa novo, ainda não experimentado na Fapemig e por muitos pesquisadores.

Após o 1º Seminário, a avaliação das redes continuará em uma nova etapa, que deve ter início em setembro. Ela será composta por visitas técnicas às reuniões internas de cada uma, realizadas por um consultor, acompanhado de um técnico da Fapemig.

Outras informações: (32) 2102-3204 (Ciências Biológicas)

www.ufjf.br/biologia

Compartilhe: