UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

ISSN 1519-5759

Volume 9 – N° 2 – jul. – dez. 2007

Você está em: Edições Anteriores > Volume 9 - N° 2 - jul. - dez. 2007 > Volume 9 - N° 2 - jul. - dez. 2007

Os infortúnios e heresias do cristão-novo Diogo Nunes, senhor de engenho da Paraíba quinhentista nas malhas da inquisição

Angelo Adriano Faria de Assis

 

Resumo: Instaurada em 1536, a Inquisição portuguesa teria nos cristãos-novos, acusados de judaísmo oculto, suas principais vítimas. O aumento das perseguições aos cristãos-novos no reino levou muitos deles a se transferirem para o Brasil, que vivia os primórdios da colonização. Sem um tribunal estabelecido na colônia, os cristãos-novos ocupavam posições de destaque na sociedade – senhores de engenho, comerciantes, negociadores, religiosos, cargos administrativos e outros. Foi o caso de Diogo Nunes. Filho de uma família de mercadores espalhada por Portugal, Espanha, Holanda, América e África, dividia com os irmãos a produção, comercialização e distribuição do açúcar produzido nos engenhos localizados na Paraíba. Era irmão de João Nunes Correia, acusado de desrespeitar um crucifixo. Os irmãos Diogo e João seriam fortemente denunciados durante a visitação inquisitorial ao Brasil, que acabaria por desestruturar os negócios da família na colônia, revelando acordos, intrigas, conflitos e desentendimentos existentes nas relações sociais entre cristãos-novos e cristãos velhos. Diogo seria denunciado por afirmar não ser pecado dormir com mulher solteira ou negra. Apesar de irmãos, não mantinham relações amistosas e desentendiam-se nos negócios. Partindo da análise micro-histórica, este trabalho busca analisar as transformações nas relações sociais com a chegada da Inquisição ao Brasil a partir da documentação contra Diogo Nunes – denúncias, acusações e processo – produzida pela Inquisição.

Palavras-chave: Inquisição no Brasil, cristãos-novos, redes de comércio.

 

Abstract: Stablished in 1536, the Portuguese Inquisition had in the new-christians, accused of hidden judaism, its major victims. The increase of the prosecution to the new-christians in the kingdom made many of them move to Brazil, which started then its colonization. Without a court installed in the colony, new-christians occupied important positions in the society – sugar plantation owners, traders, businessmen, clerk, administrative positions and others. It was the case of Diogo Nunes. Son of a merchant family spread in Portugal, Spain, The Netherlands, America and Africa, he divided with his brothers the production, trading and distribution of sugar produced in the farms in Paraíba. He was brother of João Nunes Correia, accused of disrespect towards a crucifix. The two brothers Diogo and João were heavily denounced in the visitation of the Holy Office to Brazil, what made the family businesses break down the businesses of the family in the colony, revealing deals, agreements, intrigues, conflicts and misunderstandings existing in the relationships between new-christians and old-christians. Diogo was denounced for affirming that it was not a sin for a man to sleep with a non-married or black woman. Despite of being brothers, they did not keep good relationships and disagreed in the businesses. Starting from the micro-history analysis, this paper aims to analyse the changes in the social relationships after the arrival of the Inquisition in Brazil, starting from the documents against Diogo Nunes – denounces, accusation and the process – produced by the Inquisition.

Keywords: Inquisition in Brazil, new-christians, commercial networks.

 

ASSIS, Angelo Adriano Faria. Os infortúnios e heresias do cristão-novo Diogo Nunes, senhor de engenho da Paraíba quinhentista nas malhas da inquisição. Revista Eletrônica de História do Brasil. Juiz de Fora, volume 9, número 2, jul-dez, 2007.

 

 

« voltar

Revista Eletrônica de História do Brasil – REHB