UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

Os Vínculos Telecomunicativos

Data: 28 de outubro de 2015

Os Vínculos Telecomunicativos: Prótese e Transitividade

Coordenação: Potiguara Mendes 

Estudantes

Camille Balestieri
Pablo Abreu
Thiago de Almeida Menini

A comunicação como campo plural de estudo e pesquisa surge no início do século XX e se desenvolve diretamente ligada à evolução das tecnologias de produção e difusão de informações e trocas sociais que ocorre a partir de então. Por situar-se historicamente em meio a redes físicas e imateriais e lidar com itens humanos e não-humanos, seus pres supostos e objetivos necessariamente se misturam aos processos em curso no ambiente sociotécnico de cada época. Uma vez que, também desde o início do século XX, a psicanálise se disseminou e passou a funcionar como aparelho crítico de recusa de muitas repressões tidas por inquestionáveis até o século anterior, o pressuposto da pesquisa é que, justo pelo desenvolvimento exponencial e planetário das redes físicas e imateriais das últimas três décadas, também disseminaram-se em nosso regime social comportamentos cujos efeitos são parecidos com aqueles que a psicanálise obtém no regime do tratamento individual. Resulta desta situação que os efeitos comportamentais no regime social têm avançado em descompasso com os funcionamentos no regime individual. Estes, na maioria das vezes, ainda permanecem referidos a parâmetros (políticos, econômicos, mentais…) moldados antes da maciça presença tecnológica nos vínculos contemporâneos. Os focos de pesquisa (2015-2017) são: (a) A concepção de Eu expressa nas redes sociais digitais e nos contatos pessoais presenciais; (b) A experiência musical contemporânea (ruído / som) e as próteses; (c) Expressões da sexualidade para além das fronteiras macho / fêmea, homem / mulher e masculino / feminino.

Inserção do Projeto de Pesquisa na Linha Pesquisa Estética, Redes e Linguagens : abordagem de temas e questões do campo da comunicação (teorias, definições e aplicações) e suas articulações com a transitividade das tecnologias da informação e os desenvolvimentos atuais do campo freudiano. Ênfase nas perspectivas de investigação apresentadas pela Nova Psicanálise: teorias do conhecimento, da estética (arte total), da flecha cultural, das tecnologias mentais e das vinculações basais.

 

Grupo de Pesquisa Redes, Ambientes Imersivos e Linguagens