UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

História do Programa

Você está em: Conheça o Programa > História do Programa

Oficialmente instituído em 2007, o Programa de Pós-Graduação em Linguística da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora (PPG Linguística/FALE/UFJF) nasceu do antigo Programa de Pós-Graduação em Letras (nível: mestrado), cujo funcionamento compreendeu os anos de 1989 a 2006. No período ininterrupto de transição entre um programa e outro, as áreas de concentração do Programa anterior – Linguística e Teoria da Literatura – foram ampliadas para dois novos PPGs autônomos e completos, com mestrado e doutorado: o PPG Linguística e o PPG Letras: Estudos Literários. Estruturado desde o início a partir das linhas de pesquisa Linguística e Cognição, Linguagem e Sociedade, Linguística e Ensino de Língua, vinculadas a projetos de pesquisa, de cunho social, cognitivo e educacional, e a disciplinas básicas e avançadas, o PPG Linguística inaugurou suas primeiras turmas de mestrado e doutorado em março e agosto de 2007, respectivamente. Nesses dez anos, somam-se 30 Projetos de Pesquisa concluídos, bem como 24 Teses e 49 Dissertações defendidas.

 

O corpo docente inicial do PPG Linguística, com 14 professores doutores, contou, substancialmente, com a experiência do mesmo corpo docente que já atuava na área de concentração em Linguística, do antigo Programa, formado por 10 permanentes (2 deles com pós-doutorado): Maria Margarida Martins Salomão (pós-doutora pela Universidade da Califórnia – Berkeley, EUA), Tânia Conceição Clemente de Souza (pós-doutora pela Universidade Paris Diderot, Paris 7, França), Mário Roberto Lobuglio Zágari, Marta Cristina da Silva, Neusa Salim Miranda, Sonia Bittencourt Silveira, Nilza Barrozo Dias, Maria Cristina Lobo Name, Patrícia Nora de Souza Ribeiro e Paulo Cortes Gago; e pelo colaborador José Vicente Santos Mendes (PRODOC). Os demais docentes foram aquisições novas oriundas da própria UFJF: Luiz Fernando Matos Rocha (permanente – Departamento de Letras), Sandra Helena Correia Monteiro (colaboradora – Departamento de Letras Estrangeiras Modernas) e Terezinha Barroso (visitante – Colégio de Aplicação João XXIII).

 

O pressuposto acerca da natureza dinâmica de um programa de pós-graduação ciente da importância do equilíbrio na distribuição de seus docentes entre as linhas de pesquisa fez o PPG Linguística, ainda em fase de busca de sua consolidação, investir na constante qualificação e ampliação ponderada do seu corpo docente. Paralelamente ao desligamento do professor Mário, em 2007, e das professoras Tânia, em 2007, Sandra Monteiro, em 2008, e Nilza, em 2009, três docentes permanentes concluíram seus pós-doutorados: Neusa (na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em 2008), Sonia (na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em 2007/2008) e Cristina Name (na Universidade de Quebec, Canadá, em 2009/2010). Três novos credenciamentos, um deles com pós-doutorado, foram aprovados: em 2008, o de Patrícia Fabiane Amaral da Cunha Lacerda (pós-doutora pela UFMG, em 2008/2009), para a linha de pesquisa Linguagem e Sociedade; o de Denise Barros Weiss, para Linguística e Ensino de Língua; e o de Luciana Teixeira, para Linguística e Cognição.

 

A primeira avaliação trienal 2007-2009 manteve o conceito inicial 4 e destacou como aspectos positivos: a produção intelectual, a coerência e a consistência na composição do corpo docente e discente em suas linhas de pesquisa, seus projetos e suas atividades de formação, bem como a preocupação em atrelar a formação profissional ao desenvolvimento da pesquisa, a partir da Linguística como área do conhecimento, buscando articulações com as ciências sociais, cognitivas e educacionais.

 

Levando em conta as recomendações dessa primeira avaliação trienal, o Programa não descuidou dos quesitos para a qualificação e ampliação equilibrada do seu quadro docente. Em consonância com a política de incentivo à Pós-Graduação da UFJF, a Pró-Reitoria de Pós-Graduação, em 2010, início do novo triênio, assegurou a manutenção de duas vagas de professor visitante para o PPG Linguística, preenchidas por Roberto Rondinini (docente na UFRRJ – 2010) e Aléria Lage (docente na UFRJ – 2013), os quais atuaram tanto na graduação quanto na pós-graduação, ministrando aulas e integrando os grupos de pesquisa do Programa. Ainda em 2010, o Programa passou a contar com uma nova bolsista PRODOC, Guiomar da Silva Albuquerque (docente da UFES – 2013), que integrou a linha de pesquisa Linguística e Cognição e participou das atividades do grupo que inaugurou a pesquisa em Psicolinguística no PPG Linguística: o Núcleo de Estudos em Aquisição da Linguagem e Psicolinguística (NEALP), criado e coordenado pela Profª. Cristina Name.

 

Dando prosseguimento à qualificação e à ampliação do corpo docente, concluíram-se mais dois pós-doutorados: dos professores Paulo, na UFRJ (2010), e Luiz Fernando, na Universidade Católica Portuguesa, em Braga, Portugal (2010/2011). Aprovaram-se também mais cinco credenciamentos: em 2010, o da Profª. Ana Cláudia Peters Salgado (fundadora do Grupo de Pesquisa em Lingua(gem) e Sociedade – GRUPELS), para a linha de pesquisa Linguagem e Sociedade; em 2011, o do Prof. Tiago Timponi Torrent (responsável pela FrameNet Brasil, laboratório de Linguística Computacional do PPG Linguística, cujo projeto foi inicialmente idealizado pela Profª. Margarida), para a linha Linguística e Cognição; ainda em 2011, o da Profª. Keylla Manfili Fioravante, como bolsista PNPD, para atuar na linha Linguística e Ensino de Língua; e, em 2012, o das professoras Amitza Torres Vieira, para a linha Linguagem e Sociedade, e Thais Fernandes Sampaio (egressa do próprio Programa), para a linha Linguística e Cognição.

 

Ao final do triênio 2010-2012, o PPG Linguística contava com 17 docentes: 12 permanentes; 3 colaboradores e 2 visitantes. Dos 12 permanentes, dois pesquisadores atuavam como bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq – nível 2: Profª. Cristina Name e Prof. Paulo. Assim, a apreciação final da avaliação trienal 2010-2012 registrou: “O Programa se adequou à dimensão apropriada a curso que oferece mestrado e doutorado e tem incentivado a formação continuada de seus docentes através dos estágios de pós-doutoramento e da participação em intercâmbios institucionais”.

 

No ano inicial do quadriênio 2013-2016, foram credenciados os professores Fábio da Silva Fortes, para a linha de pesquisa Linguagem e Sociedade, e Mercedes Marcilese (com pós-doutorado na PUC-Rio em 2011/2012), para a linha Linguística e Cognição. Foi aprovada a professora Clara Nóvoa Gonçalves Villarinho, recém-doutora pelo PPG em Estudos da Linguagem (PUC-Rio), como bolsista PRODOC, em substituição a outra bolsista PRODOC, Guiomar Albuquerque, que se desligou do PPG Linguística em março de 2013, por ter sido aprovada em concurso na UFES. Duas significativas alterações ocorreram no corpo docente do Programa ainda em 2013: a aposentadoria das professoras Margarida, que continuou atuando como docente permanente, e Sonia, que passou a atuar como colaboradora.

 

Foram credenciadas, em 2014, a Profª. Aline Alves Fonseca, para a linha de pesquisa Linguística e Cognição, e, em 2015, as professoras Ana Paula Grillo El-Jaick (com pós-doutorado na UFF em 2011/2012) e Fernanda Cunha Sousa (egressa do próprio Programa), para a linha Linguagem e Sociedade. Aprovaram-se ainda as professoras Lillian Márcia Ferreira Divan (egressa do PPG Linguística da UFJF) e Meire de Sousa Lara (bolsista PNPD), para atuar nas linhas Linguagem e Sociedade (de 2014 a 2015) e Linguística e Cognição (a partir de 2015), respectivamente.

 

A partir de 2015, novos ajustes se fizeram necessários para consolidar a dimensão docente do Programa de modo qualificado e equilibrado. Com o desligamento das professoras Neusa, das linhas de pesquisa Linguística e Cognição e Linguística e Ensino de Língua, e Sonia, em 2015, da linha Linguagem e Sociedade, a professora Thais, por apresentar perfil de estudos afins, migrou da linha Linguística e Cognição para Linguística e Ensino de Língua, e três novos credenciamentos foram aprovados em 2016: Sandra Aparecida Faria de Almeida, para a linha Linguística e Cognição; Ely Edson da Silva Matos (egresso do próprio Programa), para a linha Linguística e Cognição; e Thenner Freitas da Cunha (egresso do próprio Programa, bolsista PNPD), para atuar na linha Linguagem e Sociedade.

 

Nesses dez anos do PPG Linguística, observa-se um crescimento qualificado e equilibrado do corpo docente do Programa, fato já observado na Avaliação de Meio Termo 2013-2014: composição inicial (11 permanentes e 3 colaboradores); composição no final do triênio 2007-2009 (8 permanentes e 3 colaboradores); composição no final do triênio 2010-2012 (12 permanentes, 2 visitantes e 3 colaboradores). Em 2013 e 2014, havia 15 permanentes (75%), 2 visitantes (10%) e 3 colaboradores (15%). Em 2015, o número de permanentes se manteve o mesmo de 2016, quando o PPG Linguística encerrou o quadriênio com o seguinte quadro de docentes: 17 permanentes (77,3%), 2 visitantes (9,1%) e 3 colaboradores (13,6%).

 

Sempre articulando as linhas de pesquisa Linguística e Cognição, Linguagem e Sociedade, Linguística e Ensino de Língua, o Programa apresentou, neste quadriênio, outros números que refletem o constante compromisso não apenas com o crescimento e a qualificação, mas com a produção intelectual e com os projetos do corpo docente, o que também repercutiu diretamente no envolvimento e nos produtos intelectuais dos pós-graduandos. Em 2013, além de 3 teses e 12 dissertações defendidas, foram computadas 66 produções bibliográficas (35 de discentes como autores) e 168 técnicas (109 de discentes), que se vincularam a 24 projetos de pesquisa. Em 2014, além de 6 teses e 12 dissertações defendidas, somaram-se 75 produções bibliográficas (40 de discentes) e 151 técnicas (86 de discentes), que se vincularam a 29 projetos de pesquisa. Em 2015, além de 9 teses e 10 dissertações defendidas, foram totalizadas 77 produções bibliográficas (34 de discentes) e 168 técnicas (80 de discentes), que se vincularam a 37 projetos de pesquisa. O ano de 2016 contou com 5 teses e 7 dissertações defendidas, 53 produções bibliográficas (30 de discentes) e 165 técnicas (72 de discentes), que se vincularam a 28 projetos de pesquisa. Ao todo no quadriênio, foram, ao todo, 271 produções bibliográficas e 653 técnicas, números certamente diferentes do triênio anterior.

 

Durante o quadriênio, pode ser observado ainda um total mais abrangente de titulados: 64, sendo 23 de doutorado e 41 de mestrado. Ao longo desses quatro anos, o tempo médio de titulação do Mestrado Acadêmico foi de 27 meses (2013), 27 meses (2014) e 29 meses (2015) e 27 meses (2016). Com relação ao doutorado, o tempo médio de titulação foi de 52 (2013), 45 (2014), 55 (2015) e 54 (2016), sendo que a média de todo o quadriênio totalizou 51,5. Quanto ao exame de qualificação em 2016, 10 doutorandos, pertencentes às turmas de 2012, 2013 e 2014, tiveram seus projetos de tese aprovados.