UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

2004

Você está em: Sobre o Programa > Dissertações e Teses Defendidas > Dissertações Defendidas > Área de Concentração em Teoria da Literatura > 2004

Mestrando(a)

Denise Adélia Vieira

Título

“A LITERATURA, A FOICE E O MARTELO”

Orientador(a)

Profa. Dra. Teresinha Vânia Zimbrão da Silva

Ano da defesa

2004

Resumo

Esta dissertação procura analisar a temática proletária nas letras brasileiras, propondo o seguinte recorte cronológico e temático: do socialismo e anarquismo da Belle Époque, ao comunismo do entre-guerras. Para tanto, os três capítulos da dissertação exploram desde as primeiras leituras da doutrina marxista no Brasil, passando pela literatura anarquista até a produção dos romances proletários. O trabalho registra as referências de Machado de Assis e Euclides da Cunha a Marx. Conta também a trajetória anarquista de Lima Barreto e seu apoio à revolução russa de 1917. Discute ainda a relação dos intelectuais com o comunismo desde o ano de 1922 até a década de 1930. Finalmente, destaca-se o estudo do romance proletário através de três obras: O Gororoba (1931) de Lauro Palhano, Cacau (1933) de Jorge Amado, Parque Industrial (1933) de Patrícia Galvão.Objetivou-se, dessa maneira, resgatar a temática proletária entre nós, esquecida, à margem, pelo cânone literário..

 

Mestrando(a)

Édimo de Almeida Pereira

Título

“METAMORFOSES DO ABUTRE: A DIVERSIDADE COMO EIXO NA POÉTICA DE ADÃO VENTURA”

Orientador(a)

Prof. Dr. Edimilson de Almeida Pereira

Ano da defesa

2004

Resumo

A dissertação analisa a obra do poeta mineiro Adão Ventura, reconhecida pela riqueza de aspectos temáticos e estéticos, que permitem ao estudioso seguir diferentes trilhas interpretativas. Com efeito, embora a crítica literária nacional forneça indicações de que a poética de Adão Ventura merece ser apreciada pelo seu engajamento com as questões étnico-sociais, os passos deste trabalho foram no sentido de apontar e explorar outras faces de abordagem teórica e do fazer poético do poeta mineiro. De modo a viabilizar o percurso de análise, considerou-se a possibilidade de divisão da obra do autor em duas vertentes que, ao final, mostraram-se intrinsecamente relacionadas. Assim, conduziu-se a dissertação no sentido de perpassar toda a obra de Adão Ventura, no intuito de contribuir para ampliar o elenco de estudos que abordaram tal poética e também o seu impacto sobre o cenário da poesia brasileira contemporânea.

 

Mestrando(a)

Giovana Cordeiro Campos

Título

“FOR WHOM THE BELL TOLLS, DE ERNEST HEMINGWAY, E SUAS TRADUÇÕES NO CONTEXTO BRASILEIRO”

Orientador(a)

Maria Clara Castellões de Oliveira

Ano da defesa

2004

Resumo

Esta dissertação analisa duas traduções de For Whom the Bell Tolls, de Ernest Hemingway, para a língua portuguesa do Brasil, que receberam o título de Por Quem os Sinos Dobram e foram traduzidas, respectivamente, por Monteiro Lobato, na década de quarenta do século XX, e Luís Peazê, em 2004. Ela tem como ponto de partida o pensamento de Walter Benjamim sobre a tarefa do tradutor, no qual a tradução é vista como um processo de criação, renovação e resgate de textos que se encontram em exílio, o que explica a necessidade de novas traduções de um mesmo texto em diferentes tempos e espaços. No intuito de discutir os percursos literários de Ernest Hemingway e a obra estudada, lançamos mão das noções de exílio e de deslocamento (espacial, temporal e geográfico). A fim de abordarmos a tradução de For Whom the Bell Tolls, utilizamos, entre outros, conceitos extraídos do pensamento de estudiosos da tradução e de intelectuais que se dedicaram à crítica literária em geral. Este trabalho, portanto, ilumina o desenvolvimento de parte da história da tradução no Brasil, além de revelar o quanto os estudos da tradução contribuem para as pesquisas no campo da prática literária comparativa.

 

Mestrando(a)

Gustavo Trevizani Burla de Aguiar

Título

“O MAPA DA CENA ESTUDOS SOBRE TEORIA DA LITERATURA E TEATRO”

Orientador(a)

Prof. ª Dra.Maria Lúcia Campanha da Rocha Ribeiro

Ano da defesa

2004

Resumo

Do texto escrito pelo dramaturgo à leitura feita pelo público, passando pelas leituras do diretor, dos atores e dos técnicos, tem lugar uma viagem pela história do homem e do teatro. Embarcado na teoria da literatura e na semiótica do teatro para a análise do texto teatral, desde sua origem na Antigüidade até as possibilidades de encenação contemporâneas, o presente estudo viaja. Da necessidade do homem em entender o mundo em que vive surgiram as histórias mitológicas e os ritos para perpetuá-las, modo encontrado para reforçar a memória. Mesmo após o advento da escrita, os ritos e as tradições evoluíram e diversificaram-se, desencadeando as múltiplas possibilidades do teatro. Do dramático do mundo ao dramático do palco, surgiram diversas categorias, conforme o tempo em que as histórias eram contadas. São muitos os recursos da cena contemporânea a serem harmonizados pelos diretores, chamados reteatralizadores quando influentes na estética teatral, maestros que conduzem os espetáculos para que o público, receptor ‘final’, tenha a melhor fruição possível.

 

Mestrando(a)

Karime Amaral Havaji

Título

“PÓS-MODERNO, MONSTROS, INUMANO: UM HOMEM QUE DORME, DE GEORGES PEREC”

Orientador(a)

Prof. Dr. Evando Nascimento

Ano da defesa

2004

Resumo

O objetivo deste estudo é desenvolver algumas discussões em torno do que se nomeia como pós-moderno, considerando alguns de seus aspectos principais, desde as mudanças ocorridas nas concepções de tempo e espaço, passando pelo redimensionamento do conceito de homem, através da categoria do inumano, até abordar uma nova visão da “monstruosidade”. Finalmente, Georges Perec, em especial através de sua obra Un homme qui dort, é o objeto principal de leituras baseadas nos elementos teratológicos.

 

Mestrando(a)

Maria Laura Muller da Fonseca e Silva

Título

“CONTEMPLAÇÕES DO EXÍLIO: TRAJETÓRIAS E DESLOCAMENTOS DE MURILO MENDES E VIEIRA DA SILVA NA GEOGRAFIA DO MODERNISMO”

Orientador(a)

Prof. Dra. Maria Luíza Scher Pereira

Ano da defesa

2004

Resumo

Esta dissertação aborda os deslocamentos promovidos pelos artistas Murilo Mendes e Vieira da Silva, considerando três grandes movimentos comuns à vida de ambos: a inserção nos espaços modernistas, a Segunda Guerra Mundial vivenciada no Brasil e o exílio definitivo na Europa. O fio conceitual que conduz este trabalho deriva do termo geografia do Modernismo, utilizado por Malcom Bradburry e James Macfarne em Modernismo Guia Geral. Essa expressão nos levou a perceber como determinados espaços foram atrativos para artistas no século XX e os impulsionaram a múltiplos deslocamentos. Dessa espécie de nova cartografia fazem parte os percursos realizados por Murilo Mendes e Maria Helena Vieira da Silva. Porém, o contexto de guerra mundial do século XX atravessou a vida-ficção dos dois artistas de modo determinante e isso pode ser observado na obra produzida por eles nesse período. Após o fim da guerra, tanto Murilo quanto Vieira migraram definitivamente para a Europa, dando-nos a impressão de que o continente foi o espaço de eleição dos dois artistas. Numa tentativa de perceber como diferentes culturas se relacionam e como o indivíduo que se desloca se relaciona com o lugar de origem e com o espaço do exílio, procuramos desenhar essas trajetórias, recorrendo a conceitos oriundos dos campos da teoria e das críticas literária e cultural, como alteridade, memória, arquivo e exílio, de maneira a analisar a contribuição dessas categorias para a compreensão de como a literatura e a arte representam a situação de deslocamento dos artistas do século XX e a Segunda Guerra Mundial.

 

Mestrando(a)

Yago Euzébio Bueno de Paiva Junho

Título

“SOCIOLOGIA PAU BRASIL”

Orientador(a)

Prof. Dra. Terezinha Maria Scher Pereira

Ano da defesa

2004

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar as características centrais da obra do sociólogo Gilberto Felisberto Vasconcellos. O sociólogo se vale do discurso literário modernista de Oswald de Andrade para compor seu enredo sociológico. O que se buscou foi detectar quais os elementos estilísticos que Gilberto Felisberto Vasconcellos utiliza, bem como entender as conseqüências ideológicas nacionalistas que esta apropriação acarreta.

Voltar