UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

Érica Aparecida de Sá

Você está em: Equipe > Corpo Discente > Doutorandos > Érica Aparecida de Sá

    

Bolsista da Capes   e-mail: ericasax@yahoo.com.br  

Currículo Resumido:

Cursando atualmente o doutorado em educação, problematiza a questão da formação de professores como processo de produção de subjetividade do educador. Concluiu mestrado em educação no PPGE/UFJF em 2006, no qual investigou o espaço escolar como locus do “tornar-se o que se é” do educador. Graduou-se em Pedagogia na UFV em 2002 e, em pesquisas de iniciação científica, investigou a formação (inicial e continuada) e atuação docente. Exerceu o cargo de coordenação pedagógica na rede municipal de ensino de Juiz de Fora nos anos de 2007 a 2009. Trabalhou como tutora a distância no curso de Pedagogia da UAB/UFJF, no primeiro semestre de 2009, e como tutora presencial em curso de aperfeiçoamento da UAB/UFMG, no segundo semestre de 2010. É pesquisadora associada ao Núcleo de Educação em Ciência, Matemática e Tecnologia (NEC) da UFJF.

Resumo do Projeto de Tese

Orientadora: Drª Sonia Maria Clareto

Um resumo de uma tese em “gestação” é, por natureza, provisório. A partir desse apontamento traço, a seguir, algumas linhas que têm composto a produção da problemática da investigação. O interesse é investigar a formação do educador numa perspectiva estética. O que isso quer dizer? Quer dizer que o interesse não é o estudo de um campo de saber já dado, que seria a formação do professor crítico, reflexivo e cidadão, enfim, a formação do sujeito racional, autônomo e seguro de si; mas sim o da criação de um campo, formação como obra de arte, uma vez que se entende que o educador nunca está acabado, nunca está pronto, portanto, o educador se faz educando na relação de afetar e ser afetado. Interessa, então, problematizar esta relação entre a formação de professores e o processo de produção de subjetividade do educador. O que acontece com os desejos, de nós educadores, quando experimentamos a intensidade do movimento de afetar e ser afetado? Como o desejo abre horizontes de possibilidades? A proposta para investigar essas questões é realizar cartografias das marcas do tanto que nós educadores estamos nos permitindo nos aproximar de nossa precariedade e abrir mão de toda a idealização ou do tanto que o nosso corpo fica aterrorizado, imobilizado diante da tensão cotidiana entre o instituinte e o instituído.

Programa de Pós-Graduação em Educação