UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

Projetos de Pesquisa

Você está em: Pesquisa > Projetos de Pesquisa

Confira os atuais projetos de pesquisa dos docentes do Programa de Pós Graduação em Comunicação da UFJF. 

 

Comunicação e Poder

A veiculação e articulações de poder do projeto ideológico do IPÊS na mídia entre 1962-1964
Aline Andrade Pereira

Disputas discursivas, poder e transformações no campo Jornalístico: representação profissional em busca de sentidos através dos textos e das falas dos assessores de imprensa
Boanerges Balbino Lopes Filho

As estratégias discursivas dos candidatos à Presidência da República em 2014 no campo midiático: uma análise dos programas do Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE) e das fanpages
Luiz Ademir de Oliveira

Os caminhos da pesquisa acadêmica em Comunicação e Esporte nos programas de pós-graduação – relações de poder entre campos acadêmicos
Márcio de Oliveira Guerra

Biopolítica, riscos e catástrofes na mídia
Marta de Araújo Pinheiro

Parlamentares federais com domicílio eleitoral em Juiz de Fora e mecanismos de identificação política – visibilidade midiática, poder simbólico e capital político
Paulo Roberto Figueira Leal

Mídia e poder discursivo sobre o bem e o mal-estar (físico, mental e social)
Wedencley Alves Santana

 

Cultura, Narrativas e Produção de Sentido

Uso do vídeo interativo distribuído na experiência narrativa
Carlos Pernisa Júnior

Cidade e memória: a construção da identidade urbana pela narrativa audiovisual
Christina Ferraz Musse

Memória da cidade nas crônicas mineiras
Cláudia de Albuquerque Thomé

O telejornalismo nas emissoras públicas brasileiras: TV Brasil e Rede Minas
Iluska Maria da Silva Coutinho

A ficção televisiva brasileira transmídia: do estudo das narrativas a uma investigação sobre as formas de recepção no ambiente da cultura participativa
Maria Cristina Brandão de Faria

Narrativa, memória e esquecimento
Teresa Cristina da Costa Neves

 

Estética, Redes e Linguagem

Para conhecer Marshall McLuhan
Aluizio Ramos Trinta

Intermidialidade e Tradução intersemiótica
Álvaro João Magalhães Queiroz

Cinema e a língua escrita da realidade: diálogos contemporâneos com Pier Paolo Pasolini
Érika Savernini Lopes

Ambientes imersivos e redes sociais como bases para a disseminação de mudanças no pensamento e nos processos comunicacionais
Francisco José Paoliello Pimenta

Poéticas tecnológicas: do analógico ao digital
Gabriela Borges Martins Caravela

Realismos Digitais
Nilson Assunção Alvarenga

Os Vínculos Telecomunicativos: Prótese e Transitividade
Potiguara Mendes da Silveira Jr.

Convergência de Mídia, Repetição e Estética: A produção na web por veículos com tradição televisiva
Soraya Maria Ferreira Vieira

 

 

Comunicação e Poder

 

Aline Andrade Pereira

Título: A veiculação e articulações de poder do projeto ideológico do IPÊS na mídia entre 1962-1964

Descrição: A pesquisa tem como objetivo investigar o projeto ideológico do Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais (IPÊS) durante os anos de 1962-1964 e suas articulações de poder com a imprensa. Tal instituto tem sido visto por diversas interpretações historiográficas como a célula ideológica do golpe civil-militar de 1964. Composto majoritariamente por empresários e militares da ESG, constituiu ao seu redor uma verdadeira máquina de propaganda, conseguindo o apoio de diversas editoras, jornais e TVs para disseminar suas ideias, mantendo sempre o nome do IPÊS à sombra. Em que medida a imprensa reverberou os ideais do instituto? Como se deu a formação da opinião pública neste contexto? De que forma ocorreu o agendamento de questões importantes para o IPÊS por grande parte da mídia? A hipótese é que o projeto ipesiano representou a síntese de uma série de anseios da sociedade, conseguindo amplo apoio por parte da mídia. Os objetivos específicos são: (1) Estudar as ações dos Grupos de Opinião Pública e Grupo de Publicações/Editorial (subgrupos do IPÊS); (2) Mapear a rede de intelectuais e jornalistas que contribuíram para os referidos grupos; (3) Empreender uma análise da cobertura do governo de João Goulart entre janeiro de 1962 até abril de 1964 nos jornais Correio da Manhã, Diário Carioca, Última Hora e Jornal do Brasil. A pesquisa terá duas frentes metodológicas. A primeira será a pesquisa de natureza bibliográfica a partir de dois eixos teóricos: o papel dos intelectuais (a partir das ideias de Antônio Gramsci e de Karl Mannheim, dentre outros) e o papel da mídia enquanto formadora de opinião (a partir de Habermas e Lippmann basicamente). A segunda refere-se à pesquisa empírica nos periódicos citados e uma análise de conteúdo nos textos com base no que propõe Bardin. Identificamos três discursos presentes no IPÊS que reverberam nos jornais da época: 1) Discurso anti-João Goulart; 2) Anti-comunista; 3) Temor em relação ao que consideravam caos social. Acreditamos que este momento específico em análise contribui para a compreensão da formação de um pensamento conservador que vem norteando a sociedade brasileira desde a fundação da República – ainda que com tentativas na direção contrária – e pautando grande parte da mídia até hoje. Ressaltamos a responsabilidade da mídia na derrubada do governo João Goulart, somando-nos a outras interpretações historiográficas que pensam a ação da sociedade civil no golpe (René Dreifuss, Daniel Aarão Reis, Carlos Fico, Jorge Ferreira, dentre outros).

Financiador (es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) – Bolsa;

Topo

 

Boanerges Balbino Lopes Filho

Título: Disputas discursivas, poder e transformações no campo Jornalístico: representação profissional em busca de sentidos através dos textos e das falas dos assessores de imprensa

Descrição: O projeto procura estabelecer um percurso de observação sobre nuances que envolvem o segmento de profissionais atuantes e que determinam disputas simbólicas, envolvimentos multiprofissionais, utilização de tecnologias, ações sociais e comerciais, redes de relacionamentos em núcleos de poder, ferramentas selecionadas e utilizadas, além de alguns outros aspectos que permitam observar se a produção de sentidos é representada e alcançada pelos discursos. Diálogos, confronto de posições e principalmente as transformações estão ocorrendo no campo profissional que hoje reúne o maior contingente de jornalistas em atuação no Brasil são também aspectos que suscitam interesses. Entre os objetivos desta pesquisa estão: (1) Pensar a relação jornalistas que atuam tradicionalmente em estruturas organizacionais dos poderes constituídos formalmente ou não – redações e núcleos onde atuam assessores de imprensa e/ou comunicação – a partir de suas percepções de identidade e alteridade; (2) Tentar entender a partir de seus discursos se as identidades se misturam, se os profissionais têm e assumem as duas identidades ou se buscam amenizar as diferenças existentes entre elas legitimando ou não o campo; (3) Perceber quais são as marcações que remetem ao lugar que cada um ocupa na sociedade e as percepções que têm das atividades jornalismo e assessoria entre o ser/estar de cada atividade; (4) Procurar entender se seus discursos reforçam a ideia de intersubjetividade, se são compreendidos enquanto linguagem em uso (ação), materializando sentidos por meio de atos de enunciação, se como produtores de discursos (e agindo sobre os discursos) por meio de estratégias de posicionamento definem a construção de personagens e de marcas de subjetividade, argumentos e heterogeneidade mostrada ou intradiscursiva. Propõe-se que a pesquisa avance a partir do estudo do pensamento de autores como Almanda (2010), Argenti (2011), Bourdieu (1989), Bueno (2014), Duarte (2012), Lopes (2004), Torquato (2012), Morgan (2007) entre outros, no intuito de aprofundar reflexões sobre o contexto (organização, ambiente institucional etc.), permitindo um suporte conceitual consistente. Estão previstas também ações junto aos sujeitos da pesquisa, recorrendo-se preferencialmente às entrevistas qualitativas semiestruturadas. A aplicação da AD se soma no intuito de propiciar a organização da linguagem e a relação dialógica (intersubjetiva) com os sujeitos e as estratégias em um processo de produção de sentidos.

Topo

 

Luiz Ademir de Oliveira

Título: As estratégias discursivas dos candidatos à Presidência da República em 2014 no campo midiático: uma análise dos programas do Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE) e das fanpages

Descrição: O projeto de pós-doutoramento (2015-2016) busca analisar as estratégias dos candidatos à Presidência da República de 2014 no Brasil, tomando como base a narrativa transmidiática. Questões: Quais as principais estratégias midiáticas dos candidatos Dilma Rousseff (PT), que disputou a reeleição, e Aécio Neves (PSDB), principal adversário, presentes nos programas do Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE)? Quais as principais estratégias midiáticas dos candidatos Dilma e Aécio nas suas respectivas fanpages? Quais as similaridades e divergências em termos de espaço midiático – no HGPE e no facebook? A utilização de uma narrativa transmidiática aponta para um novo modelo de propaganda política no Brasil? Tendo como parâmetro tais questões, os objetivos da pesquisa são: 1) Investigar os principais objetos de campanha acionados pelos candidatos Dilma e Aécio tanto nos programas televisivos do Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral quanto nas suas fanpages; 2) Identificar os principais formatos usados pelos candidatos em suas propagandas políticas na TV e na internet; 3) Estabelecer um quadro comparativo para verificar similaridades e divergências na propaganda dos candidatos na TV e nas fanpages; 4) Analisar se há a construção de um modelo híbrido de propaganda política a partir da utilização de uma narrativa transmidiática. O referencial teórico engloba autores que discutem poder e, principalmente, a interface mídia e política com ênfase na propaganda política, seja no HGPE ou na internet, tais como Foucault, Bourdieu, Rodrigues, Lima, Gomes, Miguel e Manin; Albuquerque, Figueiredo, Panke, Lemos, Lévy, Castells, Jenkins, Marques, Recuero, entre outros. A pesquisa prevê pesquisa documental com a coleta e mapeamento dos programas do HGPE e das fanpages e, posteriormente, análise de conteúdo quantitativa e qualitativa.

Financiador (es):  Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES – Bolsa; Pró-Reitoria de Pós-Graduação da UFJF – PROPEQ – Bolsa.

Topo

 

Márcio de Oliveira Guerra

Título: Os caminhos da pesquisa acadêmica em Comunicação e Esporte nos programas de pós-graduação – relações de poder entre campos acadêmicos

Descrição: A proposta surgiu a partir do texto “Futebol, Comunicação e Nação: a trajetória do campo acadêmico”, apresentado pelo professor Ronaldo Helal (UERJ), no Intercom de Fortaleza, em que ele discutiu como o campo da pesquisa em Comunicação e Esporte se desenvolveu no Brasil. O trabalho resultou na formação de Grupos de Pesquisa na área no país. Daí parte nosso propósito de ampliar esse estudo, buscando nos programas de pós-graduação em Comunicação de cinco grandes centros – Rio, São Paulo, Minas Gerais. Rio Grande do Sul e Brasília – a coleta de todas as dissertações e teses que abordem o futebol, estabelecendo categorias que possam mapear tendências sobre a pesquisa das relações do esporte com a comunicação. A proposta articula-se à linha de “Comunicação e Poder” por entender que, além de o campo esportivo ser permeado por relações de poder, quando a área “Comunicação e Esporte” se consolida como uma nova área do saber tem-se novas configurações de disputas simbólicas e de poder discursivo no campo acadêmico da Comunicação. Quanto às justificativas, destaca-se que, quando os associados da Intercom aprovaram o tema para o Congresso de 2012, em Fortaleza, “Esportes na Idade Mídia – diversão, informação e educação”, certamente boa parte do mundo acadêmico ficou reticente, em função das resistências, já que para alguns era uma área do saber sem maior relevância. Mas o evento foi muito bem sucedido, e o professor Helal demonstrou como cresceu o olhar dos pesquisadores sobre a relação entre comunicação e esporte. O propósito é dar continuidade ao embrião lançado por ele, oferecendo elementos que possam avançar na sinalização de novas perspectivas, a partir do levantamento do que vem sendo produzido em alguns dos principais centros de desenvolvimento de programas de pós-graduação do Brasil. Entre os objetivos, estão: (1) Perceber tendências nas linhas de pesquisa na área; (2) Identificar novas possibilidades e espaços ainda pouco explorados pelos pesquisadores; (3) Oferecer aos pesquisadores, doutorandos, mestrandos e graduandos, referencial teórico que possa ser explorado e ampliado; (4) Contribuir para a desmistificação de que não há profundidade nos estudos sobre esporte e comunicação; (5) Contribuir para o diagnóstico de produção acadêmica no campo da Comunicação e Esporte, ou seja, identificar o crescimento das produções acadêmicas, categorizar os temas e autores mais trabalhados, elencar as tradições teóricas e metodológicas mais utilizadas, no intuito de consolidar o campo do saber e estabelecer diálogos entre os grupos.

Topo

 

 

Marta de Araújo Pinheiro

Título: Biopolítica, riscos e catástrofes na mídia

Descrição: Vinculado à linha de pesquisa “Comunicação e Poder”, este projeto busca destacar as relações sociais e as formas de vida concretas que são produzidas como uma produção biopolítica contemporânea, em que as ferramentas exploratórias seriam ambientes, espaços, redes globais. Busca-se entender o poder como complexas relações entre o pensamento e os modos de governo, não no sentido de práticas de Estado, e sim no seu nível instrumental, quer dizer, com os meios pelos quais determinadas políticas são projetadas e implementadas, as relações entre as formas e as racionalidades de poder e os processos de subjetivação, tanto na formação de sujeitos/cidadãos governáveis quanto na formação da existência individual. A hipótese a ser testada é a de que houve a passagem do predomínio do parâmetro do risco para o da catástrofe associada à emergência de uma cultura da urgência. A retórica associada às catástrofes – vulnerabilidade, prevenção, resiliência – mobiliza sentidos científicos, discursos políticos ou gerenciais distribuídos às populações. O objetivo é consultar a existência desta forma de sensibilidade do ponto de vista da comunicação, e focar a atenção sobre o problema das vítimas, central na definição de evento catastrófico que gera, de uma maneira ou de outra, um sofrimento coletivo. Trata-se de uma investigação orientada pelo princípio da raridade discursiva (Foucault), que se dirige no sentido de verificar como os enunciados descrevem a realidade, e identificar quais deles são produzidos e por que não são outros. Com esta finalidade, buscar-se-á contrastar narrativas de acontecimentos ocorridos em momentos e locais distintos. As perguntas que conduzirão as pesquisas são: como as vítimas são integradas em um discurso para o mundo? Como elas formam (ou não) um sistema de significado para o acontecimento? Como a mídia narra, agenda, imagina os desastres “naturais”? O que está em jogo na evocação da catástrofe e dos riscos nas formações discursivas contemporâneas? Que futuro é imaginado e planejado? Quais dotações e solicitações das populações mais afetadas são transmitidas?

Topo

 

 

Paulo Roberto Figueira Leal

Título: Parlamentares federais com domicílio eleitoral em Juiz de Fora e mecanismos de identificação política – visibilidade midiática, poder simbólico e capital político

Descrição: O regime democrático depende, em larga medida, do livre fluxo de informações, opiniões e ideias para que os cidadãos possam tomar decisões políticas conscientes. Como eles adquirem tais informações? A literatura acadêmica – tanto brasileira quanto internacional – aponta fartamente evidências de correlação entre os sistemas político e midiático. E mais: aponta-se sistematicamente que a visibilidade midiática e a reputação dela proveniente constituem diferençais competitivos cada vez mais demandados por lideranças políticas no contexto de uma “democracia de público” (MANIN, 1997) e de personalização das campanhas (WATTENBERG, 1991). De acordo com Luís Felipe Miguel (2002), a emergência dos meios de comunicação de massa e o seu uso pela esfera política determinam uma nova forma de se obter capital político. Tal descrição, entretanto, não se aplica de modo uniforme a todos os políticos nem deixa de considerar a possibilidade de que possam existir diferentes estratégias eleitorais de integração e de sucesso, especialmente quando se trata de disputas para o Legislativo. Nesse sentido, o que dizem os próprios parlamentares sobre a importância da comunicação e de suas imagens na mídia para a construção de suas carreiras? Que variáveis outras condicionariam pesos e ênfases distintas nesse capital político chamado “visibilidade midiática” entre aqueles que ocupam cargos legislativos? O objetivo da presente pesquisa é responder a tais questões, a partir da hipótese de candidatos têm conexões eleitorais distintas (MAYHEW, 1974). Busca-se, no presente projeto, avaliar quais variáveis condicionariam maior ou menor importância, por parte dos deputados, à construção de uma imagem pública por meio de aparatos (próprios ou externos) de comunicação de massa. Para iniciar uma agenda de pesquisa que pretende alcançar, futuramente, todos os membros do Congresso Nacional brasileiro (e, em seguida, estabelecer parâmetros comparativos com outras democracias ocidentais), e já tendo sido realizado um survey junto aos 53 deputados da bancada do Estado de Minas Gerais na Câmara dos Deputados do Brasil, pretende-se, no presente projeto, empreender entrevistas qualitativas com os quatro deputados federais com domicílio eleitoral em Juiz de Fora: Júlio Delgado (PSB), Marcus Pestana (PSDB), Margarida Salomão (PT), Wadson Ribeiro (PC do B).

Financiador (es): Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais – FAPEMIG – Bolsa; Pró-Reitoria de Pós-Graduação – PROPESQ – Bolsa; Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq – Bolsa.

Topo

 

 

Wedencley Alves Santana

Título: Mídia e poder discursivo sobre o bem e o mal-estar (físico, mental e social)

Descrição: Partindo da definição da OMS para a saúde (“Estado de completo bem-estar físico, mental e social”), o projeto, a que preferimos denominar “programa de pesquisas e estudos”, objetiva um acompanhamento permanente dos discursos sobre o bem/mal-estar conforme se apresentam nas mídias ou em relações sociais midiatizadas. Aqui se encontram imbricadas tanto questões propriamente de comunicação e saúde, como também relativas às violências e às transformações das corporeidades e sensibilidades, testemunhadas nas sociedades contemporâneas. A justificativa para o acompanhamento deve-se, principalmente, ao fato de que hoje as mídias são um espaço privilegiado de observação da economia dos discursos sociais, e, especialmente, para nossos propósitos, acerca do bem e do mal-estar em nossas sociedades. O projeto se desenvolve no âmbito da linha Comunicação e Poder, do PPGCOM da UFJF. As questões que nos movem partem da perspectiva da Análise do Discurso (Pêcheux-Orlandi), em diálogo com teorias sociais, história e teorias da comunicação e do jornalismo, e sempre em relação ao lugar das mídias em nossas sociedades: quais sentidos de bem e mal estar são colocados em cena? Quais vozes são autorizadas e quais desautorizadas pelas mídias ou nos ambientes midiatizados? Quais formações discursivas e ideológicas, em outras palavras, que relações de sentido e poder emergem nas lutas pelo estatuto do sujeito do bem e do mal estar (o que é ser doente, o que é ser vítima, o que é o sujeito do saber etc.)? Repercussões: Até agora, o programa de pesquisa, iniciado em 24/09/2012 (com conclusão da Fase I prevista para  23/09/2015) abrigou e abriga orientações de mestrado, projetos de iniciação científica e trabalhos de conclusão de curso. Recentemente, foi aprovada pela instituição acolhedora e pela Capes um projeto de pós-doutoramento voltado para os discursos na mídia sobre o bem e o mal estar na juventude, realizado durante o ano de 2015, na Escola de Altos Estudos de Ciências Sociais. Convênios também vêm sendo firmados com outras instituições, por conta do seu arco temático: entre elas a Univás e a Fiocruz. Um livro também está previsto para o ano de 2015.

Financiador (es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) – Bolsa; Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) – Auxílio Financeiro e Bolsa; Pró-Reitoria de Pesquisa (PROPEQ) – Bolsa.

Topo

 

 

Cultura, Narrativas e Produção de Sentido

 

Carlos Pernisa Júnior

Título: Uso do vídeo interativo distribuído na experiência narrativa

Descrição: O uso da interação em uma segunda tela é algo bastante recente, mas que começa a ser mais utilizado nos últimos anos. Assim, a proposta do projeto é tentar avaliar a utilização das telas interativas por meio da ligação entre a Comunicação, as Artes e a Ciência da Computação. Essas telas podem ser utilizadas tanto com a programação de uma rede de televisão como com um outro dispositivo que sirva como o meio principal de divulgação de material audiovisual interativo. As pesquisas a serem feitas vão apontar tanto para o uso de telas que acompanhem programas televisivos, atuando ou não em tempo real, quanto para programas feitos exclusivamente para um determinado objetivo, sem a necessidade de uma transmissão, seja ela televisiva ou por qualquer outro meio semelhante. A ideia geral é conseguir produzir material com qualidade e atendendo a públicos específicos, os quais, muitas vezes, não têm acesso a determinados conteúdos, mas que, por sistemas que se pretende estudar aqui, possam acessar diversos tipos de produções. Notadamente, a principal vertente de experiências vai tratar de uma análise da chamada segunda tela para a interação. O que se propõe aqui é observar que é possível trabalhar com a ideia de mais de uma tela nessa interação.

Financiador (es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Auxílio financeiro.

Topo

 

 

Christina Ferraz Musse

Título: Cidade e memória: a construção da identidade urbana pela narrativa audiovisual

Descrição: O projeto de pesquisa tem por objetivo principal analisar as sociabilidades e subjetividades que o hábito de ir ao cinema provocou na população de Juiz de Fora, cidade com intensa tradição audiovisual. O trabalho proposto faz parte de uma grande pesquisa, iniciada há alguns anos, e que tem procurado analisar a construção da identidade urbana pela narrativa audiovisual. A pesquisa em seu aspecto macro-estrutural já resultou em inúmeros artigos científicos, monografias de conclusão de curso, duas dissertações de mestrado defendidas, outras duas em andamento, e um livro. A pesquisa tem como objetivos: fazer um mapeamento dos espaços onde as salas de cinema funcionaram, identificar as antigas construções que abrigaram os cinemas, mostrar como esses espaços estão ocupados hoje e, ao mesmo tempo, por meio da pesquisa em arquivos de jornal, categorizar a programação que era assistida, além de, utilizando-se de entrevistas de história de vida, reconstruir as percepções que aqueles que trabalhavam nos cinemas e os que frequentavam as projeções, tinham sobre a cidade e o momento que viviam. A metodologia a ser utilizada envolve a pesquisa documental em acervos de texto e imagem, em especial, hemerotecas, além da realização de entrevistas em profundidade com personagens que participaram da história recente da cidade, no que se refere ao hábito de frequentar cinemas de rua, no período proposto. A investigação deverá ocorrer em alguns eixos privilegiados: (1) Identificação dos cinemas em atividade na cidade de Juiz de Fora no período de 1950 a 2015; (2) Elaboração de uma cartografia, em que sejam localizados os endereços de funcionamento dos cinemas, com base em mapas, e também a identificação dos prédios onde funcionavam as salas de exibição por meio de fotografias; (3) Identificação e registro fotográfico da destinação atual dos velhos prédios ou das novas construções que os substituíram; (4) Pesquisa nos arquivos dos jornais “Diário Mercantil” (1950/1980) e “Tribuna de Minas” (1980/2015) para registro da programação exibida nos cinemas de rua; (5) Criação de categorias para identificar os gêneros dos filmes exibidos no período; (6) Entrevistas com profissionais que trabalharam nos cinemas (“lanterninhas”, responsáveis pela projeção), como também aqueles indiretamente envolvidos com a atividade (pipoqueiros, vendedores de balas); (7) Entrevistas com frequentadores dos cinemas, para mapear os hábitos que envolviam essa atividade e como, através desses hábitos, as pessoas estabeleciam relações com a cidade.

Topo

 

 

Cláudia de Albuquerque Thomé

Título: Memória da cidade nas crônicas mineiras

Descrição: O projeto propõe o estudo das crônicas mineiras como gênero jornalístico, focando nas relações entre os discursos midiáticos, a sociedade e a memória da cidade. Gênero que nasce nas páginas dos jornais, a crônica é uma modalidade de literatura urbana que, no Brasil, tem como cenário recorrente a cidade do Rio de Janeiro. Diante desse pressuposto, pretende-se analisar o cronismo sobre o cotidiano das cidades de Minas Gerais ou nascida em solo mineiro, com foco na produção em jornais com sede em Juiz de Fora. Será necessário construir teoricamente possibilidades de leitura dessas crônicas a partir dos referenciais teóricos dos críticos literários Antonio Candido, Fernando Portella e Afrânio Coutinho com olhar sobre a estrutura narrativa, e do teórico da Comunicação Luiz Beltrão, a partir de critérios jornalísticos, abordando tanto a natureza e quanto tratamento do tema. Pretende-se ainda detectar nesta narrativa, literária e midiática, rastros de memória sobre a cidade, no contexto de cada época. Como resultado busca-se ter um mapeamento das crônicas publicadas nos jornais impressos mineiros, sobretudo no Diário Mercantil, de Juiz de Fora; a digitalização desse material para construção de acervo sobre o gênero na cidade; e o levantamento e análise das temáticas a cada momento histórico. Busca-se ainda responder a questionamentos sobre estrutura narrativa, temáticas e memória deste gênero em solo mineiro. Qual é o cenário representado neste gênero, que mescla o factual e o fictício? Quais são os traços memorialísticos sobre Juiz de Fora presentes nas crônicas? A proposta de resgate e análise dessas crônicas tem a intenção de comprovar duas hipóteses: a primeira, de que o noticiário, como registro do cotidiano, pauta a temática das crônicas sobre a cidade; a segunda, de que Juiz de Fora se inscreve como relevante cenário para as crônicas nas páginas dos jornais, cenário desenhado de acordo com os limites da produção das narrativas em ritmo industrial e das limitações editoriais, de forma afinada ao contexto histórico e às demandas da sociedade a cada momento histórico.

Topo

 

 

Iluska Maria da Silva Coutinho

Título: O telejornalismo nas emissoras públicas brasileiras: TV Brasil e Rede Minas

Descrição: O presente projeto de pesquisa propõe-se a monitorar a efetivação do jornalismo público nas edições dos telejornais da TV Brasil e da Rede Minas. Por meio do acompanhamento sistemático de diversos programas de informação veiculados pelas duas emissoras, pretende-se avaliar em que níveis e com qual grau de qualidade, interesse público e os direitos à Comunicação são de fato incorporados na narrativa de duas emissoras do chamado campo público de televisão. A pesquisa inclui análise da materialidade audiovisual dos programas analisados, tendo como referência teórico-metodológica a dramaturgia do telejornalismo e as noções de circuito cultural. Entre os objetivos do projeto está a compreensão das relações de troca e/ou parceria entre essas emissoras e outros produtores e realizadores, vinculados às instituições públicas, grupos sociais ou coletivos audiovisuais. A proposta é compreender como a grade informativa é tecida no caso das duas emissoras tomadas como objeto e perceber a eventual emergência de novas vozes nas narrativas audiovisuais da TV pública. Assim, entre seus procedimentos metodológicos, inclui-se a produção/ envio de material audiovisual, com acompanhamento de possíveis formas de inserção e/ou aproveitamento de novos modelos de jornalismo audiovisual na narrativa dos canais do campo público.

Financiador (es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) – Auxílio Financeiro, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) –Auxílio Financeiro e Pró-Reitoria de Pesquisa da UFJF – Bolsa.

Topo

 

 

Maria Cristina Brandão de Faria

Título: A ficção televisiva brasileira transmídia: do estudo das narrativas a uma investigação sobre as formas de recepção no ambiente da cultura participativa.

Descrição: O projeto de pesquisa parte de duas linhas de investigação. O primeiro eixo concentra-se no eixo da produção, focado na tensão entre os aspectos mercadológico, técnico e por outro lado nas questões culturais e artísticas implicadas em um determinado tipo de narração, central em nosso país. A segunda vertente de análise tem como investigar como os processos de produção, circulação e recepção das narrativas ficcionais na televisão brasileira (em especial a telenovela) estão sendo impactados pela cultura participativa ou, mais especificamente, pelas possibilidades de participação dos fãs propiciadas pelas mídias interativas. Entre os objetivos específicos destacam-se: (1) Analisar a narrativa a partir da tensão entre o caráter mercadológico e industrial versus a perspectiva artística e cultural presente na teledramaturgia brasileira; (2) Identificar os usos, apropriações e modos de engajamento do público; (3) Pesquisar as mudanças geradas pela narrativa transmidiática nas produções ficicionais, com ênfase nas telenovelas brasileiras; (4) Compreender como se dá a cultura participativa nas relações que se dão no cenário atual entre os eixos de produção, circulação e recepção; (5) Analisar a importância da memória afetiva no resgate de produções antigas e antológicas que marcaram a história da teledramarturgia e que estão sendo revisitadas na contemporaneidade. Quanto à metodologia a investigação tem a pesquisa bibliográfica como primeira técnica a ser utilizada, com base nas Perspectivas Críticas (Adorno & Horkheimer, 1990; Morin, 1997), nos Estudos Culturais (Kellner, 2001; Stuart Hall, 2001, Martín-Barbero, 1997), nos Estudos de Recepção (Certeau, 1998; Thompson, 1998; Jacks, 2008, 2014) e Estudos sobre Telenovela (Lopes, 2002; Brandão, 2012). O estudo contempla ainda pesquisa documental, análise de conteúdo e estudos de recepção.

Topo

 

 

Teresa Cristina da Costa Neves

Título: Narrativa, memória e esquecimento

Descrição: Um dos aspectos que distanciam os novos modos de narrar, em suas mais diversas manifestações midiáticas, das formas tradicionais de narrativa é o que se refere às relações estabelecidas com a memória e o esquecimento. Se a tradição narrativa oral encarregou-se de converter a memória de povos e civilizações em patrimônios culturais que serviram como respostas aos desafios existenciais cotidianos, as produções narrativas contemporâneas comportam expressões bem mais ambíguas. Nelas estão abrigados tanto discursos empenhados em convencer os seres humanos a dispensar passivamente memórias tidas como inúteis ou nocivas à vida ordinária quanto subsistem enunciados que evidenciam a valia e a proficuidade da elaboração de lembranças que, uma vez atravessadas por novos significados, facultam modos mais criativos de lidar com os embaraços inerentes à vida. A investigação de fronteiras e distâncias entre uma e outra formas de narrar postas em circulação pelos múltiplos e complexos sistemas de comunicação contemporâneos permite incrementar as reflexões em torno da elaboração de significados nas práticas culturais da atualidade, bem como contribuir para a análise das mensagens midiáticas e dos processos a elas associados. O estudo proposto pretende: (1) examinar, em perspectivas diacrônica e sincrônica, a configuração dos significados de narrativa, memória e esquecimento na atualidade; (2) distinguir vínculos culturais, sociológicos e filosóficos, entre narrativa, memória e esquecimento em produções literárias e/ou midiáticas contemporâneas; (3) estudar as expressões da memória e do esquecimento em mensagens narrativas de múltiplas feições (artísticas, documentais, de entretenimento etc.), modeladas em diferentes linguagens (escritas e/ou audiovisuais) e veiculadas por variados suportes (meios impressos, cinema, TV e internet). O referencial teórico tem como principais autores Walter Benjamin, Henri Bergson, Anthony Giddens, Maurice Halbwachs, Andreas Huyssen, Friedrich Nietzsche e Paul Ricoeur.

Topo

 

 

Estética, Redes e Linguagens

 

Aluizio Ramos Trinta

Título: Para conhecer Marshall McLuhan

Descrição: Destacar a importância do pensamento e a decisiva contribuição da obra de Marshall McLuhan para a abordagem e o tratamento de temas contemporâneos, tais como novos meios de comunicação, regimes digitais de codificação, TICs, convergência midial, intermidialidade e outros mais. Este Projeto irá então centrar-se em um cotejo sistemático de duas obras suas, a saber, “Understanding Media” (1964) e “Laws of Media” (1988) — esta última, de publicação póstuma, escrita em parceria com Eric McLuhan, seu filho primogênito. Teórico canadense dos meios de comunicação, Herbert Marshall McLuhan (1911-1980) revolucionou teorias e estudos da Comunicação ao propor, nos anos 1960 e 70, que tais meios fossem considerados não à luz de sua funcionalidade social e, menos ainda, de sua condição de vetores de difusão ideológica; para ele, era preciso conhecê-los e lhes dar significados à vista sua forma sensível. “O meio é [sua própria] mensagem”. Em seus últimos anos de vida, ante exigências de “cientificidade” feitas a seus escritos,Marshall McLuhan dirigiu sua atenção para o que chamava de “leis [naturais] dos meios”, em conformidade a pensadores da estatura de Giambatista Vico (1668-1744). Especialista em retórica medieval e professor de língua e literatura inglesa, Marshall McLuhan imprimiu às suas obras um estilo de escrita similar ao literário, revelando uma aguda inteligência para examinar aqueles meios à medida da imaginação poética; do mesmo modo, exibiu um senso de humor próximo à sátira que, algo velada, era ainda assim perceptível no modo sentencioso em que se exprimia, recorrendo a lemas, aforismos ou fazendo boutades filosóficas. “Explorador de galáxias”, como a si mesmo chamava, Marshall McLuhan marcou o pensamento comunicacional nos últimos decênios do século XX e, ao menos, a primeira década deste novo século. Explicar compreensivamente Marshall McLuhan, explorando sua obra; explorar intensivamente Marshall McLuhan explicando sua obra. Trata-se, enfim, de restaurar a posição de referência que, de inteiras justiça, cabe à produção teórica de Marshall McLuhan, dando a conhecer traços biográficos marcantes de sua personalidade intelectual, seus métodos de trabalho, sua contribuição para o estudo teórico e crítico da mídia, e desvelando suas motivações, suas razões, seus significados prováveis. Da comparação metódica, sistemática e rigorosa dos dois mencionados textos, resultarão observações, anotações e comentários críticos, os quais, ao fim e ao cabo, deverão instruir a tradução de Laws of Media: The New Science em língua portuguesa do Brasil.

Topo

 

 

Álvaro João Magalhães Queiroz

Título: Intermidialidade e Tradução intersemiótica

Descrição: São conhecidas e debatidas as relações criativas entre diferentes linguagens e sistemas semióticos, com trabalhos notáveis e importantes análises, em muitos domínios (dança, cinema, HQ, artes visuais, literatura). É raro observar, entretanto, um tratamento sistemático deste fenômeno baseado na semiótica de C.S.Peirce e em Estudos de Tradução (Translation Studies). Este projeto, prático-teórico, explora as relações criativas entre as artes visuais, dança, literatura, cinema e HQ, através de exercícios e experiências, análise de casos, e introdução às metodologias e modelos desenvolvidos em semiótica e estudos de intermidialidade.
Entre os processos criativos recentemente realizados encontra-se VIA, com apoio da fundação européia “Price Claus Fund”. Este projeto explora um domínio de investigação estética recém-inaugurado pelo uso de mídias locativas sensíveis a geolocalização, em atividades que integram música, vídeo, dança e literatura. Desdobramentos: O uso de mídias locativas tem importantes consequências na relação do usuário com o entorno físico imediato, que é o território ou a paisagem urbano-arquitetônica das cidades. Tal tecnologia permite novas formas de interação com o espaço, e novas modalidades de experiências estéticas (in situ) podem ser exploradas. Adicionalmente, este projeto é capaz de deslocar o foco e a atenção para o patrimônio urbanístico e arquitetônico das cidades indicadas.

Financiador (es): Prince Claus Fund

Topo

 

 

Érika Savernini Lopes

Título: Cinema e a língua escrita da realidade: diálogos contemporâneos com Pier Paolo Pasolini

Descrição: O objetivo da pesquisa é sistematizar o pensamento de Pier Paolo Pasolini quanto ao cinema, buscando apontar a originalidade de sua proposta (na conciliação de certa concepção de real com o neo-formalismo que preconiza num certo cinema moderno), estabelecer um diálogo tanto com os pensadores/teóricos do realismo quanto da abordagem formativa e discutir a atualidade de suas propostas na produção contemporânea. Para tal, o projeto tem como objetivos: (1) Discutir os conceitos que fundamentam a concepção de cinema nos escritos teóricos de Pasolini (realidade/real, cinema, filme, plano sequência, linguagem/língua/gramática cinematográfica. configurações do cinema de poesia e de prosa); (2) Analisar as relações entre o pensamento teórico-reflexivo de Pasolini e a produção fílmica (sua própria filmografia e de diretores seus contemporâneos ou predecessores que mereceram sua atenção); (3) Relacionar o pensamento teórico-reflexivo e a produção fílmica de Pasolini e sua concepção do papel do artista e do intelectual, bem como o contexto de transformações da sociedade italiana; (4) Levantar a discussão atual do retorno do real na teoria do cinema contemporâneo e sua relação com um estilo e um modo de narrar realista; (5) Estabelecer a atualidade do pensamento de Pasolini na análise fílmica de certa produção contemporânea, particularmente no uso de planos longos e/ou planos sequência (que, para Pasolini, e outros autores, concentraria a discussão fundamental do real e o cinema). Como repercussões do projeto, destacam-se a participação com apresentação de trabalho e publicação de artigos completos nos anais de dois eventos: Conferência Internacional de Avanca – “Avanca/Cinema” em 2015 (com o paper “A vida escrita em O Cavalo de Turim: aplicando ao cinema contemporâneo os conceitos de cinema e de plano-sequência de Pier Paolo Pasolini” e no Encontro da Socine (Campinas) em outubro de 2015 (com o paper “Assincronismo sonoro e plano-sequência em contraponto no filme Birdman”).

Financiador (es): Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Científico (CNPq) – Auxílio Financeiro.

Topo

 

 

Francisco José Paoliello Pimenta

Título: Ambientes imersivos e redes sociais como bases para a disseminação de mudanças no pensamento e nos processos comunicacionais

Descrição: O projeto investiga processos de mudança na esfera comunicacional derivados da disseminação da tecnologia digital, dos ambientes imersivos multicódigos e das redes sociais, por meio de observações de plataformas de compartilhamento de informações e jogos eletrônicos, entre outros. À questão colocada, ou seja, “Quais os efeitos da utilização de plataformas imersivas sustentadas por redes digitais multicódigos como suporte para o pensamento e as produções comunicacionais?”, apresentam-se as seguintes hipóteses: (1) predispõem à participação em atividades em grupo, pela percepção de compartilhamento gerada pela representação imersiva multicódigos; (2) conduzem a maior eficiência comunicacional, pela intensificação dos processos de troca de informação e de maior focalização face ao objeto investigado, derivados da sensação de presença; (3) promovem crescente inserção de pensamentos e práticas comunicacionais compartilhadas em comunidades que operam por meio de redes digitais, com adoção de hábitos de sentimento, ação e pensamento de crescente complexidade, formados sob crítica coletiva. O projeto visa pesquisar, analisar e descrever: (A) características estéticas das atividades em grupo nas representações imersivas das redes digitais; (B) aspectos ligados a procedimentos de estímulo à eficiência comunicacional em rede; (C) modos de pensamento de comunidades que operam por meio de redes digitais. A investigação já cumpriu inúmeras metas, incluindo pós-doutorado Procad Capes, publicação de livros, capítulos de livros, trabalhos em anais de congressos, orientações de mestrado, de bacharelado e de iniciação científica. Obteve financiamentos CNPq, Capes, SESU, Fapemig e Propesq UFJF. Um dos principais resultados foi a geração de metodologia pragmaticista de ensino de pesquisa em comunicação (graduação e mestrado), gerando artigos, monografias e dissertações.

Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) – Bolsa; Secretaria de Educação Superior (SESU/MEC) – Bolsa; Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG) – Bolsa; Pró-Reitoria de Pesquisa –UFJF – Bolsa.

Topo

 

 

Gabriela Borges Martins Caravela

Título: Poéticas tecnológicas: do analógico ao digital

Descrição: No contexto de convergência midiática em que estamos inseridos, este projeto pretende mapear e analisar as especificidades das novas formas de expressão surgidas com o advento da tecnologia digital com enfoque nas propostas de criação e transcriação de formas narrativas ficcionais e de novas dramaturgias que requerem diferentes formas de participação do interator em termos interventivos e colaborativos. Vários trabalhos de levantamento e análise de obras de artemídia já foram realizados no contexto brasileiro, nomeadamente por Machado (1993, 2008), Santaella (2003), Leão (2005) e Arantes (2009, 2015), entre outros autores que apresentam contextos internacionais, como Colson (2007), Rees et all (2011), Ryan (2004), Rieser e Zapp (2002), Lister et all (2009). Porém, este trabalho tem o intuito de refletir sobre as possíveis inovações que ocorreram, em termos de linguagem e dramaturgia, com o advento da tecnologia digital. O corpus abrange obras intermídias; produzidas para multiplataformas, em especial aquelas que exploram a convergência da televisão com a internet; transmídias; de ciberliteratura e ciberdrama; híbridas oriundas de práticas verbi-voco-visuais e que exploram interfaces áudio-tátil-moto-visuais. O mapeamento compreende o período de 1990 a 2015 e a metodologia adotada será de base semiótica. O estudo tem como ponto de partida a estrutura arquivística, de composição de bancos de dados, que é uma das características da linguagem digital, bem como os percursos de navegação e interatividade. A hibridização de linguagens permite que os conceitos de intermidialidade (Clüver, 2008) e tradução intersemiótica (Plaza, 1987) também sejam relevantes neste contexto. Sendo assim, a questão central que colocamos é até que ponto estas novas formas de expressão digitais desenvolvem, de fato, novas linguagens ou apenas mimetizam e reciclam linguagens já existentes no ambiente analógico. Portanto, esta proposta tem como objetivos principais proporcionar uma cartografia do que foi produzido nos últimos 25 anos, propor formas de análise que consideram as idiossincrasias dessas obras; bem como disponibilizar numa plataforma hipermídia online os resultados encontrados; a qual servirá como veículo de divulgação científica e espaço de discussão sobre as potencialidades poéticas, narrativas, estéticas e éticas da tecnologia digital. Resultados: 3 dissertações de mestrado, artigos em revistas e livros, participações em congressos, 1 Trabalho de Conclusão de Curso.

Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Bolsa / Pró-Reitoria de Pesquisa UFJF – Bolsa / CAPES – Bolsa.

Topo

 

 

Nilson Assunção Alvarenga

Título: Realismos Digitais

Descrição: No contexto dos estudos do cinema, sobressaem hoje pelo menos três grandes debates. No nível de uma teoria da espectatorialidade fílmica, encontramos a perspectiva cognitivista. Na linha de abordagem temática, temos a vertente dos estudos culturais, incluindo tanto a perspectiva dos cinemas nacionais e suas cartografias quanto os estudos que levam em conta o impacto das novas tecnologias na produção dos conteúdos audiovisuais e seus modos de produção de sentido. E, numa uma terceira via, no terreno propriamente de uma estética do cinema, encontramos uma revitalização do pensamento de Gilles Deleuze e seus seguidores – embora não se deva ignorar críticas importantes, como, por exemplo, a de Jacques Ranciére –, a qual estimula pensar acerca das “novas imagens” propiciadas pelas novas tecnologias e ou novas estratégias de expressão cinematográficas em diálogo ou em contraste com a produção midiática. Seguindo esta linha de pensamento, questões tidas como “clássicas” e relacionadas ao conceito de “realismo cinematográfico” podem ser colocadas, na conjuntura atual, à luz de novas abordagens. Os focos da pesquisa incluem, então: a) em que sentido novas tecnologias permitem uma revisão de conceitos chave para o estudo do realismo cinematográfico como o conceito (e nao apenas a técnica) de profundidade de campo, tornado de novo importante pelo uso de tecnologias como a de 3D, ou a ideia de “narrativa em blocos”, que pode ser repensada a partir das possibilidades de criação de novos espaços de espectatorialidade em rede; b) como, dentre outros, estes novos meios e ou novas estratégias críticas dão margem a novos “dispositivos” do olhar, criando as bases para falarmos em novas “estéticas do real”. O projeto tem, assim, como objetivo geral debater a pertinência e adequação da noção de realismo cinematográfico no contexto contemporâneo, marcado pela presença cada vez maior de recursos digitais para captação de imagens e distribuição das obras audiovisuais. A inserção do Projeto de Pesquisa na Linha Pesquisa “Estética, Redes e Linguagens” explica-se pela abordagem do tema e pelas questões pertinentes no contexto contemporâneo de comunicação audiovisual, abordadas desde uma perspectiva eminentemente estética.

Topo

 

 

Potiguara Mendes da Silveira Jr.

Título: Os Vínculos Telecomunicativos: Prótese e Transitividade

Descrição: A comunicação como campo plural de estudo e pesquisa surge no início do século XX e se desenvolve diretamente ligada à evolução das tecnologias de produção e difusão de informações e trocas sociais que ocorre a partir de então. Por situar-se historicamente em meio a redes físicas e imateriais e lidar com itens humanos e não-humanos, seus pres­supostos e objetivos necessariamente se misturam aos processos em curso no ambiente sociotécnico de cada época. Uma vez que, também desde o início do século XX, a psicanálise se disseminou e passou a funcionar como aparelho crítico de recusa de muitas repressões tidas por inquestionáveis até o século anterior, o pressuposto da pesquisa é que, justo pelo desenvolvimento exponencial e planetário das redes físicas e imateriais das últimas três décadas, também disseminaram-se em nosso regime social comportamentos cujos efeitos são “parecidos” com aqueles que a psicanálise obtém no regime do tratamento individual. Resulta desta situação que os efeitos comportamentais no regime social têm avançado em descompasso com os funcionamentos no regime individual. Estes, na maioria das vezes, ainda permanecem referidos a parâmetros (políticos, econômicos, mentais…) moldados antes da maciça presença tecnológica nos vínculos contemporâneos. Os focos de pesquisa (2015-2017) são: (a) A concepção de “Eu” expressa nas redes sociais digitais e nos contatos pessoais presenciais; (b) A experiência musical contemporânea (ruído / som) e as próteses; (c) Expressões da sexualidade para além das fronteiras macho / fêmea, homem / mulher e masculino / feminino. Inserção do Projeto de Pesquisa na Linha Pesquisa “Estética, Redes e Linguagens”: abordagem de temas e questões do campo da comunicação (teorias, definições e aplicações) e suas articulações com a transitividade das tecnologias da informação e os desenvolvimentos atuais do campo freudiano. Ênfase nas perspectivas de investigação apresentadas pela Nova Psicanálise: teorias do conhecimento, da estética (arte total), da flecha cultural, das tecnologias mentais e das vinculações basais.

Topo

 

 

Soraya Maria Ferreira Vieira

Título: Convergência de Mídia, Repetição e Estética: A produção na web por veículos com tradição televisiva

Descrição: A pesquisa investiga como vem sendo realizada a produção na web por veículos com tradição televisiva. Partimos dos resultados da nossa pesquisa anterior sobre: “A estética e a reconfiguração das linguagens audiovisuais e hipermidiáticas no cenário de convergência de mídia”, em que concluímos que a televisão, ao passar para as novas plataformas, repete-se, mas também reconfigura seus sistemas sígnicos, ainda que de maneira tímida, propiciando o que atualmente tem sido denominado de narrativas trasmidíáticas. O objetivo é averiguar como a estética televisiva se reconfigura quando migra para o meio virtual-digital, estendendo suas linguagens e de que modo ela se repete neste ambiente hipermidiático, por natureza, principalmente nos canais que exploram as potencialidades da interatividade. Referimo-nos, especialmente, às emissoras como Rede Globo, SBT, ESPN Brasil, GNT e Multishow. Tangenciamos conceitos como os de remediação, intersemiose, participação, rede, colaboração. Observa-se nos portais das emissoras a reconfiguração do papel do antigo espectador agora usuário de plataformas, aplicativos, que já está se integrando à cultura da convergência, em que as interações por meio da segunda tela se tornam relevantes. Esses interagentes não mais compactuam com estratégias e modos de organizar a linguagem com pausas e esperas para aglutinar os diferentes gêneros típicos do fluxo televisivo. A cultura da convergência vem alterando este modelo paulatinamente – e as emissoras através da reconfiguração estética nos portais usam diferentes plataformas e possibilidades, com hibridismos de linguagem, remediando a si próprias e criando o que estamos denominando de fluxo invertido de modo a garantir seu lugar neste espaço fluído, liquido e volátil. Isso ocorre em contraposição ao espaço com grade fixa de programação e verticalizada nada navegável. A fluição neste meio exige um leitor cada vez mais imersivo com expertise na comunicação ubiqüa. Enfim, que dinâmicas da comunicação são acionadas neste processo cada vez mais plural, sensorial, imersivo? Que estéticas e apelos semióticos são acionados? Utilizamos metodologias exploratória, empírica, blibliográfica, método quantitativo e qualitativo. Como resultados da pesquisa, destaca-se a publicação de dois capítulos de livro, apresentação e publicação de artigo em congressos e orientação de dissertação de mestrado e trabalho de conclusão de curso.

Financiador: Pró-Reitoria de Pesquisa – UFJF (PROPESQ) – Bolsa.

Topo

 

 

Compartilhe:

    Programa de Pós-Graduação em Comunicação