UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

Grupos de pesquisa

Você está em: Pesquisa > Grupos de pesquisa

 

 

Comunicação, Arte e Literacia Midiática

 

 Líder do grupo:

Gabriela Borges Martins Caravela

Maria Beatriz Colucci

 

Repercussões:

Este grupo de pesquisadores e alunos esteve integrado no grupo Redes, ambientes imersivos e linguagens de 2013 a 2017, quando se subdividiu. Desenvolve pesquisa e extensão na interface da comunicação com a arte, dialogando com os processos atuais de aprendizagem e produção crítica de conteúdos midiáticos. É constituído a partir das linhas de pesquisa Análise e crítica de mídia, que se dedica à discussão sobre a qualidade no audiovisual contemporâneo; Arte e Tecnologia, que discute os imbricamentos entre as artes e as mídias analógicas e digitais e Competência Midiática, que se dedica ao estudo sobre a formação crítica do profissional de comunicação e questões relativas à infância e o audiovisual.

Um dos seus principais projetos é o Observatório da Qualidade no Audiovisual que opera desde 2013 como um espaço de diálogo e produção de conteúdo a partir da curadoria, análise e crítica da produção audiovisual contemporânea feita por alunos da graduação e pós-graduação. Integra a Alfamed, Rede Interinstitucional Euroamericana de Investigação sobre Competências Midiáticas para a Cidadania, composta por 13 países, sendo líder da equipe brasileira. Integra a Rede Obitel Brasil de Pesquisadores de ficção televisiva, coordenando a equipe da UFJF. É parceiro do CIAC da Universidade do Algarve, Portugal, com atuação no Doutorado em Média Arte Digital da UAB-PT e UALG. 

Para acompanhar as atividades do grupo visite: https://www.facebook.com/observatoriodaqualidadeufjf/.

 

 

Comunicação, Cidade, Memória e Cultura

comuniação e memória 

Líderes do grupo:
Christina Ferraz Musse
Rosali Maria Nunes Henriques

 

Website: http://pesquisafacomufjf.wordpress.com/

 

Repercussões:

O grupo de pesquisa “Comunicação, cidade, memória e cultura” teve formação em 2013 e tem como principais linhas de pesquisa : “Cidade e Memória”, “Estudos de memória social” e “Mídia e memória”. No grupo, são discutidos assuntos relacionados à memória, à história oral, à construção de narrativas e à representação da mídia em geral. A líder é a doutora em comunicação Christina Ferraz Musse, e a vice é a doutora em história Rosali Henriques. O grupo conta com 32 membros, entre graduandos, mestrandos e doutorandos dos cursos de Comunicação, História, Artes e Design, e Letras. O grupo se reúne no Museu de Arte Murilo Mendes e busca realizar projetos, eventos, seminários e minicursos para debater os temas propostos, como o Seminário “Narrativas, memória e mídias digitais”, o Projeto “Memórias Possíveis” e o curso de capacitação em “História Oral com a metodologia do Museu da Pessoa”.

Topo

 

Comunicação, Identidade e Cidadania

 

Logo Grupo de Pesquisa

Líderes do grupo:

Paulo Roberto Figueira Leal
Luiz Ademir de Oliveira

 

Website: http://www.ufjf.br/comunicacaoeidentidade/ | https://comunicufjf.wordpress.com 

 

Repercussões:

O grupo de pesquisa Comunicação, Identidade e Cidadania reúne docentes e discentes com o objetivo de realizar trabalhos de pesquisa e de extensão voltados para as possibilidades de contribuição da comunicação para o exercício da cidadania, com preocupação central  nos impactos da mídia sobre a produção de saberes e identidades e suas conexões com os debates relativos às culturas locais e/ou globais e às questões contemporâneas da política.

Numa realidade contemporânea marcada pela presença dos meios de comunicação na vida cotidiana (inclusive na interface com a política), a variável midiática transforma-se em instância fundamental para a discussão da criação, consolidação ou reconfiguração das identidades e das autopercepções de atores sociais.

Este processo necessariamente estrutura-se com base em valores e práticas compartilhadas socialmente, que se relacionam à participação dos indivíduos no espaço público e, portanto, estabelecem interfaces com o conceito de cidadania.
O grupo busca resgatar exatamente os potenciais diálogos (teóricos e de intervenção social) entre os fenômenos da comunicação de massa e os aspectos identitários e de vida cidadã – com especial ênfase nos estudos da Comunicação Política.

Nessa perspectiva, reúne docentes da e discentes (de mestrado e graduação) da UFJF e da UFSJ, além de egressos do programa cujas linhas de pesquisa assentam-se nesse espaço de discussão. Na linha Mídia e Representação propõe-se o estudo sobre os impactos sociais da mídia, suas características e limites. Discute-se, a partir do conteúdo socializado pela mídia, como se dá a produção de saberes e identidades. Outras interfaces possíveis (como as relações entre a mídia e o processo de formação da opinião pública) são aqui também abordadas.

Topo

 

Grupo Sensus – Comunicação e Discursos (Saúde, Sensibilidades e Violências) 

 sensus

Líderes do grupo:
Wedencley Alves Santana
Marco Antonio de Carvalho Bonetti

 

Website: http://www.ufjf.br/sensus/

 

Repercussões:

O Grupo Sensus – Comunicação e Discursos, tem como objetivo o desenvolvimento de pesquisas, leituras, publicações, atividades extensionistas e de laboratório, no âmbito da Faculdade de Comunicação da UFJF. Contando com professores, alunos de graduação e do Programa de Pós-Graduação da unidade, além de interlocutores, o grupo parte da Análise do Discurso (Pêcheux-Orlandi) para compreender a relação entre Comunicação e Poder em três eixos: Saúde, Sensibilidades e Violências. Desta forma, são motivadas discussões, pesquisas e atividades sobre: (1) discursos na mídia ou em ambientes mediados acerca do bem e do mal estar físico, mental e social; (2) questões de biopolíticas, bioidentidades e biossocialidades; (3) transformações das sensibilidades sob a ótica das relações entre poder e comunicação; (4) relação entre violências (física, psicológica, institucional, simbólica), mídia e Estado; (5) corpo como materialidade simbólica e política no espaço público e midiatizado. No PPGCom, o grupo se filia à linha de pesquisa Comunicação e Poder. 

 Topo

 

Núcleo de Jornalismo e Audiovisual

 

nja 

 

 

 

 

Líder do grupo:
Iluska Maria da Silva Coutinho

 

Website: https://www.jornalismoaudiovisual.com/ 

Facebook: facebook.com/narrativasaudiovisuais/

Youtube: https://bit.ly/2xOy0tt


Repercussões:

O Laboratório caracteriza-se como espaço de produção científica e de narrativas diversas, com privilégio para jornalismo e audiovisual. Estruturado em três linhas de pesquisa – Imagem e produção de sentido; Telejornalismo e público; Jornalismo, narrativa e identidade – atualmente é o espaço em que se desenvolvem pesquisas financiadas pela Fapemig (Telejornalismo em emissoras públicas) e pelo CNPq (Nossas narrativas). Os trabalhos desenvolvidos no Laboratório de Jornalismo e Narrativas Audiovisuais envolvem atividades de pesquisa e extensão realizadas no âmbito da graduação e do mestrado em Comunicação da UFJF. Os resultados tem sido publicizados em artigos publicados em anais, revistas, livros e capítulos. Destaca-se a organização do livro “A informação na TV pública”(2013), com capítulos dos pesquisadores e estudantes vinculados ao grupo, e a titulação de onze mestres em Comunicação entre os anos de 2009 e 2014, três deles doutorandos atualmente. Na UFJF, o Laboratório tem como parceiros o Graphos, Laboratório de Pesquisa em Jornalismo Gráfico e Visual, e com o Laboratório de Mídia Digital. Internacionalmente um parceiro é o CIMJ, Centro de Investigação Media e Jornalismo, da Universidade Nova de Lisboa. Há Interlocução com duas sociedades científicas da área, Intercom e SBPJor, na última vinculado à Rede de Pesquisadores de Telejornalismo (TELEJOR).

 

 

Topo

 

Laboratório de Mídia Digital

lmd 

 

 

 

Líderes do grupo:
Carlos Pernisa Júnior
Marcelo Ferreira Moreno

 

Website: http://www.ufjf.br/midiadigital/

 

Repercussões:

O Grupo de Pesquisa tem início em 2002, com o nome de Poéticas da Imagem Técnica. Em 2003, o projeto do grupo, “A imagem em Walter Benjamin”, obteve recursos financeiros e bolsas de iniciação científica junto à Universidade Federal de Juiz de Fora. Em 2008, publica-se o livro “Walter Benjamin: imagens”, com artigos de membros do grupo. Em 2006, nova pesquisa é aprovada, “Um homem com uma câmera: um filme didático”, tanto no CNPq quanto na Fapemig. Entre 2005 e 2008, o grupo participa de eventos divulgando as pesquisas realizadas no projeto, com a publicação de um livro – “Vertov: o homem e sua câmera” – e um DVD encartado referente a este trabalho em 2009. Em 2010, o grupo passa por reformulações e passa a se chamar “Cinema e Mídias Digitais”. A proposta a partir de então é produzir projetos que tenham um viés acadêmico, mas com produções teóricas e práticas. Com nova reformulação em 2014, o grupo agora se chama “Laboratório de Mídia Digital” e tem novos projetos aprovados no CNPq. Dois deles tratam da chamada segunda tela. Há também o desenvolvimento de um projeto sobre IPTV, em conjunto com o Departamento de Ciência da Computação da UFJF, que contou com o apoio da RNP. Esses projetos estão em fase de finalização.

 Topo

 

Narrativas Midiáticas e Dialogias

narrativas

 

 

 

 

Líderes do Grupo:

Cláudia Thomé (Facom/UFJF)

Marco Aurelio Reis (Unesa-RJ)

 

Website: http://www.ufjf.br/narrativasmidiaticas/

 

Repercussões:

O grupo Narrativas midiáticas e dialogias pesquisa as mudanças na narrativa jornalística, buscando detectar e analisar os deslizamentos entre os gêneros e as plataformas midiáticas, e as estratégias de uma hibridização que é anterior à convergência midiática, mas que se acelera no contexto atual.

A velocidade com que a narrativa midiática contemporânea se altera e é atravessada por novas possibilidades de narrar, diante da convergência das mídias, acena para a necessidade de uma análise de gêneros que se hibridizam, no “deslizamento” de um meio a outro. As tecnologias digitais aceleraram esse fenômeno que, no entanto, não é tão novo.

O foco é a análise de narrativas em mutação, em deslizamentos entre plataformas e também de um tempo a outro, que vem gerando também novas funções e competências na cadeia produtiva do jornalismo. São estudados conceitos de remediação, convergência e transmidialidade, em três linhas: ‘Estudo da crônica: entre o jornalismo e a literatura’, ‘Jornalismo e novos desafios’ e ‘Narrativas em mutação’.

Certificado pelo CNPq, o grupo é liderado pelos professores Cláudia Thomé (UFJF) e Marco Aurelio Reis (UNESA-RJ), e tem reuniões semanais para debate e leitura de textos, na Facom/UFJF.

Reuniões: Todas as segundas-feira as 14h, na Facom. Aberta ao público.

 

 

Topo

Redes sociais, ambientes imersivos e linguagem

 

Linha de Pesquisa 1: Signos multicódigos, ambientes imersivos e competência comunicacional

Pesquisa mudanças interpretativas na esfera comunicacional derivadas da disseminação dos meios digitais, em especial aqueles desencadeados por processos multicódigos, em vista do problema de caracterização dos processos comunicacionais na atual ambiência digital multicódigos, no sentido de propiciar efetividade representacional e competência interpretativa. Como metodologia, considera-se o Pragmaticismo a via mais adequada para a compreensão da produção de signos no atual ambiente multicódigos, com dados via observação de processos comunicacionais, pesquisas bibliográficas e testes empíricos das hipóteses.

Líderes: Francisco J. Paoliello Pimenta e Soraya M. Ferreira Vieira

 

Linha de Pesquisa 2: Comunicação, estética e psicanálise

Pesquisa sobre temas e questões do campo da comunicação (teorias, definições, focos e aplicações) e suas articulações com ambientes imersivos, redes sociais e demais desenvolvimentos atuais das tecnologias da informação e do campo freudiano. Ênfase nas perspectivas de investigação apresentadas pela Nova Psicanálise: teorias do conhecimento, da arte total, da flecha cultural, das tecnologias mentais, das vinculações basais e teoria polar das formações.

Líderes: Potiguara Mendes da Silveira Jr. e Aristides Alonso

 

Repercussões:

Pesquisa sobre temas do campo da comunicação com ênfase nos processos envolvendo ambientes imersivos, redes sociais e meios digitais. Utiliza perspectivas teóricas que incluem a semiótica, a psicanálise, teorias da comunicação de massa e a estética. Parte do pressuposto de que o atual contexto comunicacional propicia uma série de mudanças, das esferas emocionais às cognitivas, passando pelas comportamentais, que merecem ser estudadas.

O trabalho do grupo está relacionado com atividades de pesquisa e extensão, tendo projetos de pesquisa financiados pela Sesu/MEC, Capes, CNPq, Fapemig e UFJF, com impacto na formação discente da graduação e pós-graduação. Tem organizado eventos ligados à promoção e debate da Competência midiática, Cibercultura e Epistemologia da Comunicação. Tem participação destacada no âmbito da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Comunicação – Compós e desenvolve atividades em redes de pesquisa, em especial com a Unisinos e com a PUC-SP. 

 

 

Topo

 

 

 

Compartilhe:

    Programa de Pós-Graduação em Comunicação