UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

Atividade de Extensão – EvidenciAção – Promoção de Saúde extra-muros

Você está em: Atividades > Atividades de Extensão > EvidenciAção > Atividade de Extensão – EvidenciAção – Promoção de Saúde extra-muros

Segunda, 27 de agosto de 2012

PET-Odontologia-UFJF participa da Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla – APAE – JF

 

 

 

A Faculdade de Odontologia da UFJF apresentou nessa segunda-feira, 27, orientações sobre saúde bucal na Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla, em Juiz de Fora. Realizado pela Apae, o evento acontece até esta terça-feira, 28, em várias cidades do país. A unidade esteve representada pelos alunos do Programa de Educação Tutorial (PET), do Projeto Pró-Saúde e do Mestrado em Clínica Odontológica. A professora Rosangela Almeida Ribeiro, tutora do PET, acompanhou as atividades. Para ela, a participação “mostra o envolvimento da faculdade nas ações de promoção da saúde bucal na cidade”.

Os alunos deram uma palestra descontraída, em tom de conversa, abordando a influência da alimentação e dos medicamentos no desenvolvimento das principais doenças bucais, os cuidados de prevenção, a higienização (escovação e utilização de fio dental) e formas de adaptações necessárias, dependendo da condição física e motora dos portadores de deficiência. Os estudantes levaram ilustrações em macromodelos para ensinar como escovar os dentes corretamente.

 

 

Apesar de destinado aos pais e responsáveis, os próprios alunos da Apae se interessaram pelo tema, fazendo perguntas. Para os palestrantes, a participação foi importante para que eles pudessem conduzir o assunto de acordo com as dúvidas levantadas.

A professora Rosângela diz que, no caso das pessoas com deficiência, é essencial ter a consciência de que as doenças bucais podem levar a um comprometimento geral da saúde do indivíduo. “Uma condição bucal ruim pode implicar em dificuldades na alimentação, por exemplo, e isso gera muitas outras consequências”. Quanto as dificuldades para se lidar com o assunto, Rosângela lembra que a escovação é um desafio comum para todas as crianças. “Tem criança que não gosta de pasta, ou tem irritação tátil, então, esse pode ser um problema para qualquer responsável e não apenas daqueles que cuidam de pessoas com deficiência”. Ela aposta nas orientações para tornar os pais mais preparados e dispostos a usar as adaptações apresentadas.

 

 

Para Camila Faria Carrada, 23, estudante do 9° período e bolsista do PET, a motivação pode ser a chave para a mudança no comportamento. “Se a pessoa tem maior dificuldade para fazer a escovação, acabam desistindo, achando que não é importante ou que não é necessário”. Segundo ela, ainda é preciso uma maior conscientização sobre as consequências de uma má higienização.

A cirurgiã-dentista Magali Bastos Automari de Souza é quem realiza sozinha o atendimento dentário na Apae. Ela costuma dar orientações sobre os cuidados bucais, mas notou que quando pessoas de fora participam das atividades da instituição, há “um interesse maior dos pais e dos próprios alunos em prestar atenção”. Magali viu como positiva a ideia de tratar o assunto de uma forma dinâmica, com ilustrações.

 

 

Notícia retirada do site da secretaria de comunicação da UFJF:

http://www.ufjf.br/secom/2012/08/28/estudantes-da-odonto-dao-orientacoes-sobre-saude-bucal-a-pessoas-com-deficiencia/

PET Odonto