UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

27 de Setembro de 2014

VEÍCULO: TRIBUNA DE MINAS

Cuidados com o coração
Órgão é responsável pelo maior número de mortes no mundo

A próxima segunda-feira (29) é o Dia Mundial do Coração, órgão responsável pelo maior número de mortes no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). As doenças cardiovasculares provocam 17,3 milhões de óbitos anualmente, sendo que 80% estão concentrados em países de média e baixa renda.  No Brasil, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, são mais de 300 mil mortes por ano decorrentes de doenças cardíacas. O último estudo com números de Juiz de Fora é de 2006 e mostrou que 50% das causas de morte naturais estavam relacionadas a problemas com o coração.

O levantamento foi feito pelo chefe do serviço de cardiologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (HU/UFJF) e professor da Faculdade de Medicina da instituição, Hélio Brito, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde. As estatísticas de óbitos na cidade foram comparadas com dados coletados nos Estados Unidos. “Embora haja uma grande diferença entre o padrão de vida de juiz-foranos e norte-americanos, o resultado mostra uma preocupação comum: as doenças do coração aqui na cidade matam tanto quanto lá. Para se ter a dimensão da gravidade, as mortes causadas por doenças do coração foram três vezes mais frequentes do que mortes por câncer de pulmão ou doença vascular cerebral, e dez vezes mais comuns do que mortes por câncer de mama ou Aids. Algumas mulheres se preocupam tanto com o câncer de mama e desconhecem que o coração pode matar até dez vezes mais.”

De acordo com o especialista, pessoas com histórico de doenças cardiovasculares na família, como hipertensão, diabetes e colesterol alto, devem fazer o controle com o cardiologista mesmo antes de chegar à fase adulta. Há ainda o alerta para quem vai iniciar uma atividade física, independente da faixa etária, fazer um check-up de seu coração. Mesmo não detectando problema aparente, a periodicidade da ida ao médico deve ser de um ano.

 

________________________________________________________________________________________

VEÍCULO: G1

Justiça suspende liminar sobre repasse de gestão da UFJF em MG

Hospital em Juiz de Fora deve ser gerido pela Ebserh.
Decisão garante recursos humanos e financeiros para HU da instituição.

hu_ufjf_dom_bosco_2

Unidade do HU da UFJF no Bairro Dom Bosco (Foto:
Assessoria HU-UFJF/ Divulgação )

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) anunciou que está suspensa a decisão liminar da Justiça Federal local que impedia a instituição de celebrar contrato com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que permite à empresa a gestão e o fornecimento de recursos humanos e financeiros para o Hospital Universitário da instituição. Em nota publicada no site oficial, a UFJF explicou que o recurso de agravo foi acolhido pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF), em Brasília. A decisão do TRF foi publicada no Diário Oficial da União de quinta-feira (25).

A partir da decisão, a instituição afirma que irá tomar as providências, nas próximas semanas, para a celebração do contrato com a Ebserh, tais como a aprovação da minuta do contrato pelos setores competentes antes da assinatura do documento.

A liminar foi concedida no dia 3 de setembro, após ação civil ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) , que solicitou à Justiça a suspensão da Resolução 2/2013 do Conselho Superior da UFJF, que aprovara a autorização para a Universidade tomar as providências para a celebração de contrato com a Ebserh. O MPF alegava inconstitucionalidade da lei que criou a empresa devido à falta de legislação complementar que regule a execução de serviços públicos de saúde por fundações de direito privado. Na opinião do MPF, a contratação poderia levar a uma eventual prestação dos serviços hospitalares mediante pagamento, caracterizando, “o início da privatização dos serviços de educação e saúde e ainda o fim das pesquisas voltadas aos interesses sociais”.

Alegações da UFJF
No recurso, a UFJF argumentou que a contratação não é uma privatização, mas um contrato de direito público, celebrado entre uma autarquia federal, a UFJF, e a Ebserh, que é uma empresa pública, da mesma forma que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

 No recurso, a UFJF afirmou que a Ebserh vai contratar os funcionários, mediante concursos públicos, pelo regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e que a decisão foi tomada pelo Conselho Superior (Consu), setor máximo da instituição, demonstrando que a autonomia administrativa e acadêmica da Universidade foi preservada integralmente. “A UFJF entende que a opção por ela tomada, por meio do Consu, de contratar com a Ebserh, foi a medida mais adequada e responsável ante as necessidades, dificuldades e realidade atuais”, afirmou em nota. A Universidade também destacou a autonomia acadêmica está mantida, porque o planejamento e execução das atividades acadêmicas, de ensino, pesquisa e extensão, continuarão sendo de exclusiva responsabilidade dos setores competentes da Universidade.

Outra alegação da universidade é de que a União determinou via Lei 12.550/2011 e Decreto 7.651/2011 que a forma de oferecer recursos humanos e financeiros é exclusivamente através da Ebserh e não mais pelos repasses de códigos de vagas de servidores públicos e de verbas públicas diretamente para as Universidades.  “E a UFJF não poderia e nem pode ignorar esta realidade, pois se o fizesse certamente levaria ao fechamento do atual HU e à impossibilidade de ocupação e funcionamento do Novo HU, cuja construção deverá ser finalizada em 2015”, diz a nota publicada no site da UFJF.

Novo HU

De acordo com as informações da nota oficial da UFJF, o novo HU, em construção no Bairro Dom Bosco, será um complexo hospitalar de alta tecnologia, com 12 edificações integradas e com capacidade de atendimento de 50 mil consultas por mês. O local terá 350 novos leitos de internação e UTI, centros cirúrgicos, maternidade e centro de parto normal, e os mais variados e modernos recursos que farão dele um dos três maiores e mais sofisticados equipamentos de internação e cirurgia do Brasil. Para a etapa inicial da ocupação do Novo HU será necessário o provimento de cerca de 1.800 postos de trabalho, com previsão de criação de quase 4.000 postos de trabalho na fase final e funcionamento amplo. “A Universidade também esclarece que os serviços prestados pelo atual HU e pelo Novo HU, após a contratação com a Ebserh, continuarão a atender a 100% das demandas do Sistema Único de Saúde (SUS), conforme está expressamente previsto na minuta do contrato a ser celebrado”, afirmou a UFJF em nota.

620_still0422_00002

Obras do novo HU da UFJF estão em andamento no Bairro Dom Bosco (Foto: Reprodução/TV Integração)

 

________________________________________________________________________________________

VEÍCULO: CBN

Justiça suspende liminar sobre repasse de gestão da UFJF em MG

 

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) anunciou que está suspensa a decisão liminar da Justiça Federal local que impedia a instituição de celebrar contrato com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que permite à empresa a gestão e o fornecimento de recursos humanos e financeiros para o Hospital Universitário da instituição. Em nota publicada no site oficial, a UFJF explicou que o recurso de agravo foi acolhido pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF), em Brasília. A decisão do TRF foi publicada no Diário Oficial da União de quinta-feira (25).

A partir da decisão, a instituição afirma que irá tomar as providências, nas próximas semanas, para a celebração do contrato com a Ebserh, tais como a aprovação da minuta do contrato pelos setores competentes antes da assinatura do documento.

A liminar foi concedida no dia 3 de setembro, após ação civil ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) , que solicitou à Justiça a suspensão da Resolução 2/2013 do Conselho Superior da UFJF, que aprovara a autorização para a Universidade tomar as providências para a celebração de contrato com a Ebserh. O MPF alegava inconstitucionalidade da lei que criou a empresa devido à falta de legislação complementar que regule a execução de serviços públicos de saúde por fundações de direito privado. Na opinião do MPF, a contratação poderia levar a uma eventual prestação dos serviços hospitalares mediante pagamento, caracterizando, “o início da privatização dos serviços de educação e saúde e ainda o fim das pesquisas voltadas aos interesses sociais”.

Alegações da UFJF
No recurso, a UFJF argumentou que a contratação não é uma privatização, mas um contrato de direito público, celebrado entre uma autarquia federal, a UFJF, e a Ebserh, que é uma empresa pública, da mesma forma que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

No recurso, a UFJF afirmou que a Ebserh vai contratar os funcionários, mediante concursos públicos, pelo regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e que a decisão foi tomada pelo Conselho Superior (Consu), setor máximo da instituição, demonstrando que a autonomia administrativa e acadêmica da Universidade foi preservada integralmente. “A UFJF entende que a opção por ela tomada, por meio do Consu, de contratar com a Ebserh, foi a medida mais adequada e responsável ante as necessidades, dificuldades e realidade atuais”, afirmou em nota. A Universidade também destacou a autonomia acadêmica está mantida, porque o planejamento e execução das atividades acadêmicas, de ensino, pesquisa e extensão, continuarão sendo de exclusiva responsabilidade dos setores competentes da Universidade.

Outra alegação da universidade é de que a União determinou via Lei 12.550/2011 e Decreto 7.651/2011 que a forma de oferecer recursos humanos e financeiros é exclusivamente através da Ebserh e não mais pelos repasses de códigos de vagas de servidores públicos e de verbas públicas diretamente para as Universidades.  “E a UFJF não poderia e nem pode ignorar esta realidade, pois se o fizesse certamente levaria ao fechamento do atual HU e à impossibilidade de ocupação e funcionamento do Novo HU, cuja construção deverá ser finalizada em 2015”, diz a nota publicada no site da UFJF.

Novo HU
De acordo com as informações da nota oficial da UFJF, o novo HU, em construção no Bairro Dom Bosco, será um complexo hospitalar de alta tecnologia, com 12 edificações integradas e com capacidade de atendimento de 50 mil consultas por mês. O local terá 350 novos leitos de internação e UTI, centros cirúrgicos, maternidade e centro de parto normal, e os mais variados e modernos recursos que farão dele um dos três maiores e mais sofisticados equipamentos de internação e cirurgia do Brasil. Para a etapa inicial da ocupação do Novo HU será necessário o provimento de cerca de 1.800 postos de trabalho, com previsão de criação de quase 4.000 postos de trabalho na fase final e funcionamento amplo. “A Universidade também esclarece que os serviços prestados pelo atual HU e pelo Novo HU, após a contratação com a Ebserh, continuarão a atender a 100% das demandas do Sistema Único de Saúde (SUS), conforme está expressamente previsto na minuta do contrato a ser celebrado”, afirmou a UFJF em nota.

 

 

Compartilhe:

26 de setembro de 2014

___

VEÍCULO: SITE UFJF

Nota: UFJF assegura direito de celebrar contrato com a Ebserh para garantir recursos do HU

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF), em Brasília, atendendo recurso de agravo apresentado pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), suspendeu a decisão liminar da Justiça Federal de Juiz de Fora, em ação civil ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), que impedia a UFJF de celebrar contrato com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). O objetivo do contrato é permitir à empresa a gestão e o fornecimento de recursos humanos e financeiros para o Hospital Universitário da instituição. A decisão do TRF foi publicada nesta quinta-feira, 25, no Diário Oficial da União.

A ação civil ajuizada pelo MPF, em Juiz de Fora, solicitara à Justiça a suspensão da Resolução 2/2013 do Conselho Superior da UFJF, que aprovara a autorização para a Universidade tomar as providências para a celebração de contrato com a Ebserh. Para isso, alegava inconstitucionalidade da lei que criou a empresa devido à falta de legislação complementar que regule a execução de serviços públicos de saúde por fundações de direito privado. Na opinião do MPF, a contratação da Universidade poderia levar a uma eventual prestação dos serviços hospitalares mediante pagamento, caracterizando, ainda segundo o MPF, “o início da privatização dos serviços de educação e saúde e ainda o fim das pesquisas voltadas aos interesses sociais”.

Por sua vez, a UFJF, através de suas autoridades e órgãos competentes, sempre apresentou os argumentos pelos quais sustenta a legalidade da contratação:

a. não se tratará de “privatização” de serviços de saúde e nem de educação, mas sim de um contrato de direito público, celebrado entre uma autarquia federal, a UFJF, e uma empresa pública (e não uma “fundação de direito privado”), a Ebserh;

b. a Ebserh é uma empresa pública e, portanto, tem capital social 100% público, tal como ocorre, por exemplo, com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC);

c. a Ebserh, como empresa pública, irá contratar seus funcionários, pelo regime da CLT (o que é absolutamente legal), mediante concursos públicos;

d. a autonomia administrativa e acadêmica da Universidade sempre foi preservada integralmente, porque a decisão de autorizar a contratação com a Ebserh foi tomada pelo órgão máximo de deliberação da instituição, que é o Conselho Superior (Consu);

e. além disso, a opção político-administrativa que havia sido tornada definitivamente pela União (Ministérios da Educação e da Saúde), inclusive tornada oficial pela Legislação Federal (Lei 12.550/2011 e Decreto 7.651/2011), foi a de fornecer recursos humanos e financeiros para todos os hospitais universitários do país exclusivamente através da Ebserh (e não mais pelos repasses de códigos de vagas de servidores públicos e de verbas públicas diretamente para as Universidades), e a UFJF não poderia e nem pode ignorar esta realidade, pois se o fizesse certamente levaria ao fechamento do atual HU e à impossibilidade de ocupação e funcionamento do Novo HU, cuja construção deverá ser finalizada em 2015;

f. o Novo HU será um complexo hospitalar de alta tecnologia, contendo 12 edificações integradas, com capacidade de atendimento de 50 mil consultas por mês, 350 novos leitos de internação e UTI, centros cirúrgicos, maternidade e centro de parto normal, e os mais variados e modernos recursos que farão dele um dos três maiores e mais sofisticados equipamentos de internação e cirurgia do Brasil

g. somente para a etapa inicial da ocupação do Novo HU será necessário o provimento de cerca de 1.800 postos de trabalho, com previsão, para a fase final de ocupação e funcionamento amplo, de quase 4.000 postos de trabalho;

h. é fato público e notório que, na União Federal, não existe qualquer plano de providências para a criação, através de Lei Federal (de iniciativa do Poder Executivo), de milhares de códigos de vagas para cargos de servidores públicos, em especial para atenderem às demandas dos mais de 50 HUs de todo o país, tanto que a lei de criação da Ebserh foi elaborada e sancionada exatamente para tratar do assunto;

i. assim, a UFJF entende que a opção por ela tomada, por meio do Consu, de contratar com a Ebserh, foi a medida mais adequada e responsável ante as necessidades, dificuldades e realidade atuais;

j. a Universidade também esclarece que os serviços prestados pelo atual HU e pelo Novo HU, após a contratação com a Ebserh, continuarão a atender a 100% das demandas do Sistema Único de Saúde (SUS), conforme está expressamente previsto na minuta do contrato a ser celebrado;

k. a UFJF enfatiza ainda que as atividades acadêmicas – de ensino, pesquisa e extensão – quanto ao seu planejamento e execução, continuarão sendo de exclusiva responsabilidade dos órgãos competentes da Universidade (departamentos, conselhos de unidade, coordenações de cursos, núcleos de pesquisa, comitês acadêmicos e outros), garantindo-se assim a sua autonomia acadêmica.

Ao fundamentar o seu recurso de agravo perante o TRF, e assim viabilizar a contratação com a Ebserh, a UFJF, por meio das Procuradorias Seccional e Geral Federal (Advocacia Geral da União), alegou também que a suspensão da contratação com a Ebserh inviabilizaria o custeio e o funcionamento do HU, trazendo “graves consequências para a Universidade e para a sociedade, de modo especial os dependentes do Sistema Único de Saúde – faixa da população pobre e doente”. Argumentou ainda que, em razão do princípio de continuidade do serviço público, o Hospital somente poderia conseguir os recursos financeiros e humanos necessários para seu funcionamento por meio da empresa pública Ebserh.

Uma vez que o Tribunal acatou os argumentos da UFJF, cabe agora à instituição tomar as providências, nas próximas semanas, para a celebração do contrato com a Ebserh, tais como a aprovação da minuta do contrato pelos órgãos competentes antes da assinatura do documento.

 Íntegra da decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

______________________________________________________________________

VEICULO: SITE UFJF

HU participa de mutirão de cirurgia plástica e beneficia mais de 40 pacientes

Um mutirão de cirurgia plástica será realizado pelo Hospital Universitário (HU) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) entre os próximos dias 29 e 1º de outubro. As cirurgias, que serão feitas no HU/Dom Bosco, beneficiarão mais de 40 pacientes encaminhados pelo SUS.

O mutirão, idealizado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – Regional Minas Gerais, será realizado em várias cidades mineiras. Segundo a chefe do Serviço de Cirurgia Plástica do HU, Marília Dornelas Corrêa, “esta é a segunda vez que acontece o mutirão para tumores de pele, talvez por ser uma patologia muito frequente e de grande número de pacientes. O Serviço espera que mais de 40 pessoas portadoras desta doença sejam beneficiadas”.

José Aurélio, 51 anos, é um dos beneficiados pelo atendimento no HU. Ele descobriu o câncer de pele há três anos. A doença primeiro se manifestou na orelha que foi operada para retirada do tumor. Depois reapareceu no nariz, que também foi submetido à cirurgia, mas teve de ser interrompida devido a problemas com a pressão arterial. Já foram feitas várias sessões de quimioterapia, mas o tumor no nariz persiste. Ele conta ainda que vive na roça e sempre se expôs ao sol tanto no trabalho, quanto no lazer, sem se preocupar com protetor solar.

Marília explica que “a maioria dos tumores malignos de pele é causada pela exposição excessiva ao sol e o não uso do protetor solar. Já os tumores benignos possuem várias causas desconhecidas. Os sinais são muito variados, vão desde mudança de coloração em lesões (pintas), até pequenas feridas que cicatrizam e reabrem cada vez maior”. A cirurgia é um dos procedimentos de cura, porém, dependendo do diagnóstico, pode-se associar a radioterapia e a quimioterapia, como no caso de José Aurélio que, após a descoberta do tumor, passou a se preocupar mais com o uso do protetor solar e seguir rigorosamente o tratamento recomendado pelo médico.

O mutirão faz parte das atividades da 19º Jornada Mineira de Cirurgia Plástica, que acontecerá entre 2 e 4 de outubro, em Belo Horizonte.

Outras informações: (32) 4009-5393 (Assessoria do HU-UFJF)

______________________________________________________________________

 VEÍCULO: ECADERNO

Tribunal Federal decide que UFJF pode transferir gestão do HU
Decisão foi publicada no Diário Oficial e suspende a liminar da Justiça Federal de Juiz de Fora

Atendendo ao recurso da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF) suspendeu a liminar da Justiça Federal de Juiz de Fora que impedia a transferência de gestão do Hospital Universitário (HU) à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). A ação civil que pedia a proibição da assinatura do contrato entre as duas instituições foi ajuizada pelo Ministério Público Federal. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 25.

thumb

 

 

 

 

 

Na ação, o MPF alegava que a transferência de gestão do HU para a Ebserh caracterizaria terceirização e poderia prejudicar a prestação de serviços à comunidade e a formação dos estudantes que se utilizam do hospital como local de prática do que foi aprendido em sala de aula. A UFJF, por sua vez, alegava que o procedimento era legal, já que a Ebserh funciona como empresa pública, a exemplo da Embrapa, e que a cessão de gestão não implicaria na perda de autonomia administrativa e acadêmica.

No recurso, a UFJF, por meio das Procuradorias Seccional e Geral Federal (Advocacia Geral da União), alegou também que a suspensão da contratação com a Ebserh inviabilizaria o custeio e o funcionamento do HU, trazendo “graves consequências para a Universidade e para a sociedade, de modo especial os dependentes do Sistema Único de Saúde – faixa da população pobre e doente”. Argumentou ainda que, em razão do princípio de continuidade do serviço público, o Hospital somente poderia conseguir os recursos financeiros e humanos necessários para seu funcionamento por meio da empresa pública Ebserh.

Uma vez que o Tribunal acatou os argumentos da UFJF, cabe agora à instituição tomar as providências, nas próximas semanas, para a celebração do contrato com a Ebserh, tais como a aprovação da minuta do contrato pelos órgãos competentes antes da assinatura do documento.

______________________________________________________________________

VEÍCULO: ESTADO DE MINAS

Hospitais universitários de Minas recebem recursos para reestruturação
Os contemplados são Hospital das Clínicas da UFMG, Hospital da UFJF, Hospital da UFTM e Hospital das Clínicas da UFU

Estado de Minas

Publicação: 26/09/2014 08:19 Atualização: 26/09/2014 08:39

Quatro hospitais de universidades federais de Minas Gerais vão receber novos investimentos do Ministério da Saúde por meio do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF). Ao todo, foram liberados R$ 150 milhões para várias unidades pelo país.

O Rehuf é uma parceria dos Ministérios da Saúde e da Educação e tem o objetivo de aperfeiçoar a gestão administrativa, financeira e hospitalar no campo da assistência e do ensino, melhorando a integração serviço-saúde. Os valores são definidos junto com as instituições e levam em conta os indicadores e metas de desempenho de cada local.

______________________________________________________________________

VEÍCULO: SINTETUFU

Hospitais universitários de Minas recebem recursos para reestruturação

Os contemplados são Hospital das Clínicas da UFMG, Hospital da UFJF, Hospital da UFTM e Hospital das Clínicas da UFU

Estado de Minas
Publicação: 26/09/2014 08:19 Atualização: 26/09/2014 08:39
Quatro hospitais de universidades federais de Minas Gerais vão receber novos investimentos do Ministério da Saúde por meio do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF). Ao todo, foram liberados R$ 150 milhões para várias unidades pelo país.

O Rehuf é uma parceria dos Ministérios da Saúde e da Educação e tem o objetivo de aperfeiçoar a gestão administrativa, financeira e hospitalar no campo da assistência e do ensino, melhorando a integração serviço-saúde. Os valores são definidos junto com as instituições e levam em conta os indicadores e metas de desempenho de cada local.

O Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em Belo Horizonte receberá R$ 12 milhões, o Hospital da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) receberá R$ 4,5 milhões, o Hospital da Universidade Federal do Triângulo Mineiro será contemplado com R$ 4,6 milhões e o Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia terá R% 3,5 milhões.

 

 

 

 

 

Compartilhe:

Nota: UFJF assegura direito de celebrar contrato com a Ebserh para garantir recursos do HU

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF), em Brasília, atendendo recurso de agravo apresentado pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), suspendeu a decisão liminar da Justiça Federal de Juiz de Fora, em ação civil ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), que impedia a UFJF de celebrar contrato com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). O objetivo do contrato é permitir à empresa a gestão e o fornecimento de recursos humanos e financeiros para o Hospital Universitário da instituição. A decisão do TRF foi publicada nesta quinta-feira, 25, no Diário Oficial da União.

A ação civil ajuizada pelo MPF, em Juiz de Fora, solicitara à Justiça a suspensão da Resolução 2/2013 do Conselho Superior da UFJF, que aprovara a autorização para a Universidade tomar as providências para a celebração de contrato com a Ebserh. Para isso, alegava inconstitucionalidade da lei que criou a empresa devido à falta de legislação complementar que regule a execução de serviços públicos de saúde por fundações de direito privado. Na opinião do MPF, a contratação da Universidade poderia levar a uma eventual prestação dos serviços hospitalares mediante pagamento, caracterizando, ainda segundo o MPF, “o início da privatização dos serviços de educação e saúde e ainda o fim das pesquisas voltadas aos interesses sociais”.

Por sua vez, a UFJF, através de suas autoridades e órgãos competentes, sempre apresentou os argumentos pelos quais sustenta a legalidade da contratação:

a. não se tratará de “privatização” de serviços de saúde e nem de educação, mas sim de um contrato de direito público, celebrado entre uma autarquia federal, a UFJF, e uma empresa pública (e não uma “fundação de direito privado”), a Ebserh;

b. a Ebserh é uma empresa pública e, portanto, tem capital social 100% público, tal como ocorre, por exemplo, com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC);

c. a Ebserh, como empresa pública, irá contratar seus funcionários, pelo regime da CLT (o que é absolutamente legal), mediante concursos públicos;

d. a autonomia administrativa e acadêmica da Universidade sempre foi preservada integralmente, porque a decisão de autorizar a contratação com a Ebserh foi tomada pelo órgão máximo de deliberação da instituição, que é o Conselho Superior (Consu);

e. além disso, a opção político-administrativa que havia sido tornada definitivamente pela União (Ministérios da Educação e da Saúde), inclusive tornada oficial pela Legislação Federal (Lei 12.550/2011 e Decreto 7.651/2011), foi a de fornecer recursos humanos e financeiros para todos os hospitais universitários do país exclusivamente através da Ebserh (e não mais pelos repasses de códigos de vagas de servidores públicos e de verbas públicas diretamente para as Universidades), e a UFJF não poderia e nem pode ignorar esta realidade, pois se o fizesse certamente levaria ao fechamento do atual HU e à impossibilidade de ocupação e funcionamento do Novo HU, cuja construção deverá ser finalizada em 2015;

f. o Novo HU será um complexo hospitalar de alta tecnologia, contendo 12 edificações integradas, com capacidade de atendimento de 50 mil consultas por mês, 350 novos leitos de internação e UTI, centros cirúrgicos, maternidade e centro de parto normal, e os mais variados e modernos recursos que farão dele um dos três maiores e mais sofisticados equipamentos de internação e cirurgia do Brasil

g. somente para a etapa inicial da ocupação do Novo HU será necessário o provimento de cerca de 1.800 postos de trabalho, com previsão, para a fase final de ocupação e funcionamento amplo, de quase 4.000 postos de trabalho;

h. é fato público e notório que, na União Federal, não existe qualquer plano de providências para a criação, através de Lei Federal (de iniciativa do Poder Executivo), de milhares de códigos de vagas para cargos de servidores públicos, em especial para atenderem às demandas dos mais de 50 HUs de todo o país, tanto que a lei de criação da Ebserh foi elaborada e sancionada exatamente para tratar do assunto;

i. assim, a UFJF entende que a opção por ela tomada, por meio do Consu, de contratar com a Ebserh, foi a medida mais adequada e responsável ante as necessidades, dificuldades e realidade atuais;

j. a Universidade também esclarece que os serviços prestados pelo atual HU e pelo Novo HU, após a contratação com a Ebserh, continuarão a atender a 100% das demandas do Sistema Único de Saúde (SUS), conforme está expressamente previsto na minuta do contrato a ser celebrado;

k. a UFJF enfatiza ainda que as atividades acadêmicas – de ensino, pesquisa e extensão – quanto ao seu planejamento e execução, continuarão sendo de exclusiva responsabilidade dos órgãos competentes da Universidade (departamentos, conselhos de unidade, coordenações de cursos, núcleos de pesquisa, comitês acadêmicos e outros), garantindo-se assim a sua autonomia acadêmica.

Ao fundamentar o seu recurso de agravo perante o TRF, e assim viabilizar a contratação com a Ebserh, a UFJF, por meio das Procuradorias Seccional e Geral Federal (Advocacia Geral da União), alegou também que a suspensão da contratação com a Ebserh inviabilizaria o custeio e o funcionamento do HU, trazendo “graves consequências para a Universidade e para a sociedade, de modo especial os dependentes do Sistema Único de Saúde – faixa da população pobre e doente”. Argumentou ainda que, em razão do princípio de continuidade do serviço público, o Hospital somente poderia conseguir os recursos financeiros e humanos necessários para seu funcionamento por meio da empresa pública Ebserh.

Uma vez que o Tribunal acatou os argumentos da UFJF, cabe agora à instituição tomar as providências, nas próximas semanas, para a celebração do contrato com a Ebserh, tais como a aprovação da minuta do contrato pelos órgãos competentes antes da assinatura do documento.

Íntegra da decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

 

Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Compartilhe:

13 de maio de 2014

VEÍCULO: ACESSA.COM

UFJF anuncia construção de unidade de pronto atendimento e novo RU

O reitor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF),aCESSA Henrique Duque anunciou na última segunda-feira, 12 de maio, algumas ações para benefício dos estudantes e da comunidade acadêmica. A implantação de scanners, tablets e netbooks nas bibliotecas, além de ações de assistência a saúde e a construção de um novo Restaurante Universitário foram destaques na fala do reitor.

Dentro da proposta do Centro de Difusão do Conhecimento, uma das principais novidades anunciadas é o scanner planetário, capaz de digitalizar imagens e salvá-las em pen-drive ou mesmo em outros meios digitais. Foram investidos em torno de R$ 800 mil nesses equipamentos e cada biblioteca terá um scanner, sendo dois deles na Biblioteca Central. “Isso significará uma enorme economia para nossos alunos, que não precisarão mais ter gastos com xerox”, explicou.

Também foram disponibilizados 50 tablets e 50 netbooks para empréstimo aos alunos, com prazo de até dez dias, na Biblioteca Central. Em breve será lançado em breve um novo edital para aquisição de novas obras para o acervo da biblioteca, no valor de R$ 1,5 milhão para o campus Juiz de Fora e de R$ 1 milhão para o campus de Governador Valadares. Também foi anunciado o empréstimo para alunos de educação a distância, a disponibilização do acervo da Tribuna de Minas, entre os anos de 1981 e 2010 e a renovação das bases digitais.

O reitor fez ainda um balanço das novas bibliotecas setoriais, como da Faculdade de Educação, Direito, Medicina, Farmácia e Odontologia, Instituto de Ciências Humanas e Instituto de Ciências Exatas e Engenharias. Além das lançadas, novos projetos da biblioteca da Faculdade de Farmácia, do Colégio de Aplicação João XXIII, da Faculdade de Educação Física e da Faculdade de Comunicação. Um servidor bibliotecário será alocado em cada unidade.

Internet wi-fi e comunicação em Voip

Foi apresentada pelo reitor a internet wi-fi na Biblioteca Central. Outra novidade é a disponibilização de wi-fi no campus, hoje funcionando em áreas como ICE, Medicina, Reitoria. “A previsão é expandir para todo o raio da Universidade em breve”, adiantou o reitor.

A interação entre alunos, professores e servidores da UFJF será facilitada com uma nova ferramenta de comunicação via VoIP, que é um tipo de sistema de telefonia pela internet. Todos os usuários com acesso ao Siga receberão um número identificador pelo qual poderão se comunicar gratuitamente por som e imagem com outros usuários. Basta que o computador, smartphone ou tablet esteja conectado à internet e possua um aplicativo. Segundo o reitor, o sistema significará uma grande economia em relação aos gastos de telefonia do campus. A previsão de funcionamento é a partir do mês de julho.

A Universidade também aumentou a velocidade de seu link de 310 Mb por segundo para 1Gb por segundo e está adquirindo um novo DataCenter (onde todos os dados da instituição são armazenados) e uma solução de segurança de última geração.

Clínica e UTI móvel

Uma Clínica de Pronto Atendimento funcionará tanto em Juiz de Fora quanto em Governador Valadares. O objetivo é disponibilizar à comunidade acadêmica consultas de urgência de pequena e média complexidade e pequenos procedimentos como suturas, curativos e vacinas. Nos dois campi haverá uma equipe constituída de médicos generalistas, enfermeiros e técnicos de enfermagem, cujos concursos já foram realizados.

Também já foram adquiridas duas ambulâncias preparadas para UTI, uma para o campus sede e outra para o avançado. O funcionamento será durante todo o período de aulas, de segunda a sexta-feira, das 7h às 22h40 (em JF) e das 7h às 17h (em Valadares, onde não há cursos noturnos).

Assistência odontológica e anti-drogas

A assistência odontológica será outro benefício oferecido à comunidade acadêmica. Alunos e servidores terão atendimento odontológico especializado. Segundo o ex-diretor da Faculdade de Odontologia, Antônio Márcio Resende do Carmo, os consultórios estão construídos, com 20 equipos (unidades de atendimento) já preparados. Já foram selecionados oito odontólogos em concurso para Juiz de Fora e quatro para Governador Valadares.

Outro avanço é a implantação de um ambulatório do Centro de Referência em Pesquisa, Intervenção e Avaliação em Álcool e Outras Drogas (Crepeia) no HU.

Moradia Estudantil e novo RU

A primeira unidade da Moradia Estudantil deverá ser entregue nos próximos 60 dias. Segundo o reitor Henrique Duque, será agendada uma reunião no Conselho Superior (Consu) para a definição das normas de ocupação das mais de 200 unidades disponibilizadas nesta primeira fase. Os benefícios de auxílio moradia serão mantidos para os que não forem contemplados com a moradia estudantil. O reitor também informou que as obras da nova moradia, serão iniciadas no próximos dias. Serão contemplados alunos da graduação, pós-graduação e de intercâmbio.

Outra iniciativa que está em discussão é o pagamento do valor da alimentação do Restaurante Universitário para bolsistas de assistência estudantil, durante o período em que as unidades estiveram fechadas durante a greve. “Também queremos fazer o pagamento retroativo das bolsas daqueles que foram prejudicados pela greve. Para isso, precisamos consultar o Consu”, explicou.

O reitor Henrique Duque também anunciou a reforma da unidade do Centro do Restaurante Universitário e a construção de uma nova unidade no novo prédio da Reitoria.

Duque também anunciou a construção do novo prédio do Diretório Central dos Estudantes (DCE) no campus. A previsão é de que a licitação seja lançada em até 30 dias.

Creche

Segundo o reitor Henrique Duque, a UFJF está em negociação avançada com a Prefeitura de Juiz de Fora para a construção de uma creche próximo ao CAEd, no Bairro Dom Orione. A proposta é a UFJF ceder o terreno, os recursos para construção virão da União e a Prefeitura fará a gestão, com 110 vagas exclusivas para a UFJF preenchidas por meio de sorteio e 110 vagas para a comunidade em geral, selecionada pela prefeitura municipal.

Com informações da Secretaria de Comunicação da UFJF

_____________________________________________________________________________________________

VEÍCULO: G1

Exames de mamografias grátis em MG marcam combate à mortalidade

Mulheres da Zona da Mata poderão realizar exames.

Data de realização é 28 de maio no Hospital Universitário da UFJF.

Mulheres de 37 municípios da Zona da Mata e do Sul de Minas podem agendar mamografias para o dia 28 de maio no Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (HU/UFJF), na unidade do Bairro Dom Bosco. A iniciativa, de acordo com a assessoria de comunicação, é dedicada ao Dia de Combate à Mortalidade Materna e ao Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher. Os exames devem ser marcados pelo telefone: (32) 4009-5390.

Na data da mamografia, as pacientes deverão trazer documento de identidade, comprovante de residência e cartão do Sistema Único de Saúde (SUS). Durante todo o dia, serão oferecidas 100 exames, mas caso o número de pacientes seja maior, a ação volta a acontecer na cidade.

Também estão realizadas palestras e distribuição de material informativo sobre saúde feminina e geral, como doenças na mama, nutrição, psicologia, ginecologia, tabagismo, problemas no coração e saúde dental.

 

 

Compartilhe:

12 de maio de 2014

VEÍCULO: UFJF

Reitor anuncia benefícios e oportunidades para estudantes

f1

Scanners planetários já estão disponíveis na Biblioteca Central, o que vai reduzir os custos dos alunos com xerox. (Foto: Audiovisual da Secom)

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) está investindo em uma série de ações que irão beneficiar estudantes, nas áreas de assistência estudantil, assistência em saúde, tecnologia da informação, ensino e bem-estar. O reitor Henrique Duque, ao lado do vice-reitor José Luiz Rezende Pereira, apresentaram novidades e também os prazo de anúncios já realizados anteriormente.

Um dos setores que já está trazendo benefícios para a comunidade acadêmica é o Centro de Difusão do Conhecimento. Uma das principais novidades anunciadas é o scanner planetário, capaz de digitalizar imagens e salvá-las em pen-drive ou mesmo em outros meios digitais. “Fizemos investimentos em torno de R$ 800 mil nesses equipamentos e cada biblioteca terá um scanner, sendo dois deles na Biblioteca Central. Isso significará uma enorme economia para nossos alunos, que não precisarão mais ter gastos com xerox”, explicou o reitor Henrique Duque.

Também foram disponibilizados 50 tablets e 50 netbooks para empréstimo aos alunos, com prazo de até dez dias, na Biblioteca Central. “Temos o Infocentro, mas hoje a mobilidade está presente na vida de todos. Por isso apresentamos esse projeto”, explicou a coordenadora do Centro de Difusão do Conhecimento, Adriana Oliveira. Ainda de acordo com Adriana, será feito um esquema de conferência dos equipamentos antes e depois do empréstimo, para garantir o bom uso e durabilidade das máquinas. Também serão adquiridos outros tablets e netbook para as bibliotecas setoriais e para o campus avançado.

YouTube Direkt

A coordenadora também destacou que será lançado em breve um novo edital para aquisição de novas obras para o acervo da biblioteca, no valor de R$ 1,5 milhão para o campus Juiz de Fora e de R$ 1 milhão para o campus de Governador Valadares. “Nos últimos oito anos, o número de obras do acervo de nossas bibliotecas cresceu 107% e o de exemplares subiu 163%. Com esse novo edital, esperamos um crescimento de mais 20% em nosso acervo.”

Também foi anunciado o empréstimo para alunos de educação a distância, a disponibilização do acervo da Tribuna de Minas, entre os anos de 1981 e 2010 e a renovação das bases digitais. Além disso, foi apresentada a internet wi-fi na Biblioteca Central e feito um balanço das novas bibliotecas setoriais, como da Faculdade de Educação, Direito, Medicina, Farmácia e Odontologia, Instituto de Ciências Humanas e Instituto de Ciências Exatas e Engenharias.

F2

20 unidades de atendimento estarão disponíveis na Faculdade de Odontologia para a comunidade da UFJF. (Foto: Márcio Brigatto)

“Além das lançadas, temos novos projetos da biblioteca da Faculdade de Farmácia, do Colégio de Aplicação João XXIII, da Faculdade de Educação Física e da Faculdade de Comunicação. Já fizemos concursos e vamos colocar um servidor bibliotecário em cada unidade. Acreditamos que não existe graduação e pós-graduação sem uma biblioteca forte”, destacou Duque.

Assistência em saúde

Outra novidade que irá beneficiar não apenas alunos, mas também técnico-administrativos, docentes e toda a comunidade que frequenta o campus é a Clínica de Pronto Atendimento, que funcionará tanto em Juiz de Fora quanto em Governador Valadares. O objetivo é disponibilizar à comunidade acadêmica consultas de urgência de pequena e média complexidade e pequenos procedimentos como suturas, curativos e vacinas. Nos dois campi haverá uma equipe constituída de médicos generalistas, enfermeiros e técnicos de enfermagem, cujos concursos já foram realizados.

Segundo o diretor-geral do Hospital Universitário, Dimas Araújo, a clínica terá foco no atendimento primário. “Se o paciente precisar de atendimento especializado, a referência será o Hospital Universitário. A unidade vem resolver de forma definitiva a inserção da comunidade acadêmica no HU, já que passará a ter acesso imediato por meio dessa Clínica.”

Também já foram adquiridas duas ambulâncias preparadas para UTI, uma para o campus sede e outra para o avançado. O funcionamento será durante todo o período de aulas, de segunda a sexta-feira, das 7h às 22h40 (em JF) e das 7h às 17h (em Valadares, onde não há cursos noturnos).

f3

Duas ambulâncias, já comparadas, darão suporte à Clínica de Pronto Atendimento da UFJF, nos dois campi (Foto: Alexandre Dornelas)

A assistência odontológica será outro benefício oferecido à comunidade acadêmica. Alunos e servidores terão atendimento odontológico especializado. Segundo o ex-diretor da Faculdade de Odontologia, Antônio Márcio Resende do Carmo, os consultórios estão construídos, com 20 equipos (unidades de atendimento) já preparados. Já foram selecionados oito odontólogos em concurso para Juiz de Fora e quatro para Governador Valadares. “Procuramos atender a uma demanda que hoje não é contemplada no plano de saúde dos servidores”, disse o reitor Henrique Duque.

Outro avanço é a implantação de um ambulatório do Centro de Referência em Pesquisa, Intervenção e Avaliação em Álcool e Outras Drogas (Crepeia) no HU. “Uma coisa que sempre tivemos em mente foi aplicar nossos estudos diretamente em assistência à população”, disse o coordenador do Centro, Telmo Ronzani.

Tecnologia da informação

A interação entre alunos, professores e servidores da UFJF será facilitada com uma nova ferramenta de comunicação via VoIP, que é um tipo de sistema de telefonia pela internet. Todos os usuários com acesso ao Siga receberão um número identificador pelo qual poderão se comunicar gratuitamente por som e imagem com outros usuários. Basta que o computador, smartphone ou tablet esteja conectado à internet e possua um aplicativo. Segundo o reitor Henrique Duque o sistema significará uma grande economia em relação aos gastos de telefonia do campus.

De acordo com o diretor do Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional (CGCO), Luiz Emygdio Guedes, o VoIP UFJF vai passar por uma fase de teste estará em funcionamento em toda instituição, inclusive para o campus avançado de Governador Valadares, a partir do mês de julho.

A Universidade também aumentou a velocidade de seu link de 310 Mb por segundo para 1Gb por segundo e está adquirindo um novo DataCenter (onde todos os dados da instituição são armazenados) e uma solução de segurança de última geração.

A ideia é de que no futuro também seja possível ligar para os ramais fixos da UFJF através do VoIP UFJF e, ainda, para outras instituições de ensino fora de Juiz de Fora, que fazem parte da Rede Nacional de Pesquisa (RNP), tudo sem custo.

f4

A primeira unidade de Moradia Estudantil está pronta e um novo prédio será erguido para atender também aos alunos de pós-graduação e os intercambistas (Foto: Alexandre Dornelas)

Outra novidade é a disponibilização de wi-fi no campus, hoje funcionando em áreas como ICE, Medicina, Reitoria. “A previsão é expandir para todo o raio da Universidade em breve”, adiantou o reitor.

Assistência a estudantes

A primeira unidade da Moradia Estudantil deverá ser entregue nos próximos 60 dias. Segundo o reitor Henrique Duque, será agendada uma reunião no Conselho Superior (Consu) para a definição das normas de ocupação das mais de 200 unidades disponibilizadas nesta primeira fase. “É importante destacar que os benefícios de auxílio moradia serão mantidos para os que não forem contemplados com a moradia estudantil”, explicou Duque.

O reitor também informou que as obras da nova moradia, serão iniciadas no próximos dias. Serão contemplados alunos da graduação, pós-graduação e de intercâmbio.

Outra iniciativa que está em discussão é o pagamento do valor da alimentação do Restaurante Universitário para bolsistas de assistência estudantil, durante o período em que as unidades estiveram fechadas durante a greve. “Também queremos fazer o pagamento retroativo das bolsas daqueles que foram prejudicados pela greve. Para isso, precisamos consultar o Consu”, explicou.

O reitor Henrique Duque também anunciou a reforma da unidade do Centro do Restaurante Universitário e a construção de uma nova unidade no novo prédio da Reitoria. “Queremos disponibilizar mais uma opção para facilitar o acesso de alunos e servidores.”

Duque também anunciou a construção do novo prédio do Diretório Central dos Estudantes (DCE) no campus. A previsão é de que a licitação seja lançada em até 30 dias.

Reforço

F5

DCE ganhará uma nova sede no campus (Projeto Skylab)

Outro projeto anunciado pelo reitor é o que fornecerá apoio pedagógico a alunos, sobretudo da área de Exatas. Segundo o diretor do Instituto de Ciências Exatas, Wilhelm Passarela, o objetivo reduzir o represamento de alunos em disciplinas como Matemática e Cálculo I. “Teremos dois professores com dedicação exclusiva para atender os alunos. vamos disponibilizar 50 vagas presenciais para Matemática e 50 para Cálculo I. A previsão é lançar o projeto já no segundo semestre e os alunos poderão se candidatar voluntariamente.”

Creche

Segundo o reitor Henrique Duque, a UFJF está em negociação avançada com a Prefeitura de Juiz de Fora para a construção de uma creche próximo ao CAEd, no Bairro Dom Orione. A proposta é a UFJF ceder o terreno, os recursos para construção virão da União e a Prefeitura fará a gestão, com 110 vagas exclusivas para a UFJF preenchidas por meio de sorteio e 110 vagas para a comunidade em geral, selecionada pela prefeitura municipal.

“Depois de muitos meses de trabalho, apresentamos esses benefícios e oportunidades para alunos e esperamos que possam fazer parte de uma política de gestão para os próximos anos e para quem assumir a reitoria nos próximos quatro anos.”

______________________________________________________________________________________________

VEÍCULO: TRIBUNA DE MINAS

Reitor promete posto de saúde e novo RU

Às vésperas de deixar cargo, Duque garante ainda melhorias tecnológicas para comunidade acadêmica

tHU

Henrique Duque ressaltou que alunos poderão fazer empréstimos de netbooks e tablets na biblioteca

Construção de clínica de pronto atendimento, investimentos em tecnologia, reforma do Restaurante Universitário (RU) do Centro e construção de nova unidade, além de expansão e criação de novos projetos pedagógicos e sociais foram alguns dos anúncios feitos na manhã desta segunda-feira (12) pelo reitor da UFJF, Henrique Duque. “O que vai acontecer aqui também acontecerá em Governador Valadares em benefício dos alunos”, promete o reitor, às vésperas de deixar o cargo, já que as eleições acontecem no próximo mês, e o mandato atual segue até 29 de agosto.

 A clínica de pronto atendimento irá proporcionar o acesso da comunidade acadêmica ao Hospital

THU2

Entre as novidades está o acervo de 30 anos da Tribuna

Universitário (HU), além de realizar pequenos procedimentos, como curativos e suturas. A informação é do diretor-geral da unidade, Dimas Araújo, que participou da entrevista. “Apesar de a universidade ter o HU, ele está conveniado ao SUS. Para ter acesso ao hospital, é preciso passar pelas Uaps (unidade de atenção primária à saúde), e isso dificulta o atendimento a alunos, servidores e professores. Visando a sanar esse problema, foi pensada a criação da clínica.” Uma ambulância de UTI e quatro equipes de saúde farão parte da clínica. De acordo com Duque, a ambulância está no setor de transporte da instituição, e já foi dada a ordem de serviço para a construção do prédio. “Enquanto são realizadas as obras, o atendimento da clínica será feito em outro espaço.”

Segundo a Secretaria de Comunicação da UFJF, a unidade de saúde irá funcionar das 7h às 22h40, de segunda-feira a sexta-feira, e atenderá, além da comunidade acadêmica, a população que frequenta o campus.

Tecnologia

Cinquenta netbooks e 50 tablets foram adquiridos e estarão disponíveis para empréstimo aos alunos na Biblioteca Central. Os netbooks poderão ser levados para casa por um período de dez dias, e os tablets serão para consulta local. Em todas as bibliotecas da instituição haverá um scanner planetário. “O scanner copia o material, joga na nuvem, e o aluno coloca no e-mail ou no pen drive. O aluno, assim, não terá mais gastos com xerox”, enfatizou Duque. Foram gastos R$ 800 mil na compra dos scanners. Ainda estão previstas a nomeação de um bibliotecário e um técnico-administrativo em educação (TAE) para cada biblioteca e a inauguração das unidades do Instituto de Ciências Exatas (ICE) e Engenharia e do Instituto de Ciências Humanas (ICH). A Biblioteca Central ainda contará com o acervo da Tribuna, com mais de 30 anos de história.

Duque contou que começará, nessa semana, a troca de toda a iluminação do Campus da UFJF por luzes em LED. O diretor do Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional (CGCO), Luiz Emygdio Guedes, afirmou que, até julho, todo o campus contará com rede wi-fi e com a ferramenta de comunicação via VoIP, que é um tipo de sistema de telefonia pela internet. Todos os usuários com acesso ao Siga receberão um número identificador pelo qual poderão se comunicar gratuitamente por som e imagem, basta que o computador, smartphone ou tablet esteja conectado à internet e possua um aplicativo. “Será uma economia para a universidade”, garante o diretor. Estão sendo investidos R$ 15 milhões para a modernização do sistema.

Assistência estudantil

Além da reforma do RU do Centro, que está orçada em R$ 4 milhões, está prevista a construção de um novo RU juntamente ao novo prédio da Reitoria. Duque ainda anunciou o pagamento do valor da alimentação, referente ao período em que os RUs estiveram fechados, decorrente da greve dos técnico-administrativos, para os alunos apoiados, proposta que ainda passará pelo Conselho Superior (Consu).

Segundo o reitor, os prédios de moradia estudantil estão sendo mobiliados e devem ser ocupados no próximo semestre. O espaço comporta 230 alunos. “Continuaremos com o programa de bolsas para os que não forem contemplados com a moradia”, ressaltou o reitor. Também está previsto o início das obras de três blocos de moradia estudantil para os próximos dias, que irão comportar 500 apartamentos. Duque também anunciou a construção do novo prédio do Diretório Central dos Estudantes (DCE) no campus. A previsão é de que a licitação seja lançada em até 30 dias.

A coordenadora-geral do DCE, Laiz Perrut, critica a falta de diálogo da Reitoria. “A gente não foi chamado para discutir a moradia estudantil. Não é o modelo que a gente queria e, até hoje, não fomos chamados para discutir o regimento. A gente só fica sabendo depois que o reitor anuncia.”

______________________________________________________________________________________________

VEÍCULO: G1

Mulher reclama de realização de teste para tuberculose em Juiz de Fora

Família não conseguiu fazer o exame PPD em posto.

Secretaria de Saúde informou que vai apurar o caso.

g1

Familiares de Joana (à esq.) aguardam resultados
Foto: Reprodução/TV Integração)

Um novo caso de tuberculose é registrado a cada dois dias na Secretaria Municipal de Saúde de Juiz de Fora. Em 2013, foram 287 casos. Já em 2014, até agora, são 72. E, além da doença, a família de uma paciente da cidade precisou enfrentar um outro problema: a falta de testes para diagnóstico rápido.

No posto do Bairro Nossa Senhora Aparecida, os familiares foram informados que a Secretaria de Saúde repassa poucas doses do teste denominado PPD e que, por isso, não teria como aplicá-lo. Porém, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a família realizou o teste na última sexta-feira (9), pouco depois da gravação da reportagem do MGTV.

Em janeiro, a irmã da aposentada Imaculada Vital, Joana Vital, ficou internada por um mês no Hospital Universitário (HU). Ela foi diagnosticada com pneumonia. Contudo, mesmo depois da alta, sintomas como tosse e fraqueza no corpo continuaram. Três meses depois veio a confirmação: a doença que atacava os pulmões da aposentada era, na verdade, tuberculose. “O médico falou conosco que ela estava com pneumonia e água na pleura. Falaram que ela não tinha previsão de alta, mas liberaram em seguida. E de lá para cá a situação foi só piorando”, disse Imaculada.

A tuberculose é uma doença contagiosa e, junto com Joana, moram outras sete pessoas. A irmã, Imaculada Vital, contou que todos foram orientados a fazer testes para confirmar a doença. O raio-x pulmonar deu certo. Mas quando Imaculada foi até a Unidade de Atenção Primária à Saúde (UAPS) do Bairro Nossa Senhora Aparecida para pedir o exame chamado PPD, a má notícia: o produto estava vencido.

O PPD é aplicado na pele em pequenas quantidades. É o primeiro de muitos exames que confirmam se o paciente tem tuberculose. Sem ele, é impossível dar continuidade ao diagnóstico e depois, em caso positivo, ao tratamento. “Esse exame deveria ser feito até sexta-feira, para na segunda-feira buscarmos o resultado e levarmos para a médica na quarta-feira. Não chegou e não se sabe quando vai chegar”, lamentou a aposentada.

A justificativa dada à Imaculada Vital no posto foi que a Secretaria de Saúde repassa poucas doses do PPD para a realização do exame, já que não são muitos casos da doença registrados na cidade. Já a Secretaria Municipal de Saúde alegou que a família realizou o teste na última sexta-feira (9), pouco depois da gravação da reportagem. Informou também que a leitura do teste só pode ser realizada nesta segunda-feira (12) porque é preciso aguardar 72 horas e garantiu ainda que vai apurar a conduta do profissional da unidade por não ter realizado o exame da primeira vez.

A doença

Apesar de existir tratamento, a tuberculose ainda é comum no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde são registrados mil novos casos por ano. A proporção é que para cada 100 mil habitantes, 33 tenham a doença. A meta é chegar a 25. E um dos fatores que mais contribuem para o avanço da tuberculose é a falta de informação. A doença progride silenciosamente.

Segundo o pneumologista Cristiano Rodrigo, o contágio é feito através de partículas expelidas na tosse. “Quanto mais exposto você está e quanto menos ventilado o ambiente, maior o risco de contaminação”, destacou.

Ainda de acordo com ele, o número de casos em Juiz de Fora é preocupante. “É uma doença contagiosa. Quanto maior o número de pessoas contaminadas, maior o risco de contaminação de outras pessoas. Além disso, o inverno está começando agora, que é a fase de maior risco, já que as pessoas ficam mais tempo em ambientes fechados”, disse.

______________________________________________________________________________________________

Compartilhe:

17 de Março de 2014

VEÍCULO: JORNAL LEOPOLDINENSE

Simpósio debate temas na área de hematologia

Discutir os avanços da área hematológica. Esse é o objetivo do VI Simpósio de Hematologia, realizado pela Liga de Hematologia da UFJF e pelos serviços de Hematologia e de Hemoterapia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de fora (HU/UFJF). Serão discutidos temas como Anemia ferropriva refratária; Conduta no paciente hematológico na urgência; Como abordar as linfonodomegalias e esplenomegalia; Diarreia no paciente onco-hematológico e a Abordagem de plaquetopenia.

Para fazer a inscrição, os interessados devem levar um quilo de alimento não perecível, no primeiro dia do evento, e enviar um e-mail para lahufjf@hotmail.com até 19 de março, com informações como nome completo e telefone. Para os alunos, deve-se incluir o número de matrícula. Serão disponibilizadas 200 vagas.

Mais informações pelos telefones 8811-5120 (Karen) e 9979-4383 (Sonielle).

__________________________________________________________________________________________________________________

VEÍCULO: ACESSA

Servidores técnicos-administrativos da UFJF entram em greve por tempo indeterminado

Os servidores técnicos-administrativos em educação (TAEs) FOTO PORTALda Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) entraram em greve por tempo indeterminado nesta segunda-feira, 17 de março.

 De acordo com o presidente do Sindicato dos Técnicos-Administrativos das Instituições Federais de Ensino de Juiz de Fora (Sintufejuf), Paulo Dimas de Castro, ficou definido na assembleia realizada durante a manhã desta segunda que os dois restaurantes universitários, o almoxarifado central, a Central de Atendimento, a garagem e as bibliotecas da UFJF permanecerão de portas fechadas, sem previsão de volta. Ao todo, mais de 16 mil alunos serão afetados. De acordo com Paulo, a reivindicação é a mesma de 2012. “Entramos de greve pois o governo federal não cumpriu o acordo feito em 2012″, afirma.

Entre o que foi acordado e, segundo os grevistas, não foi cumprido, está o cumprimento do piso e step salarial; ascensão funcional; turnos de seis horas, para manter a universidade aberta nos três turnos; paridade entre os servidores ativos e aposentados; reconhecimento de cursos de mestrado e doutorado realizados no exterior, entre outras reivindicações.

As próximas assembleias ocorrem ainda esta semana. Na quarta-feira, 19, os TAEs se reúnem no Restaurante Universitário do Centro às 9h. Já na sexta, 21, a reunião será no Hospital Universitário (HU) do bairro Santa Catarina.

Em nota, a assessoria da UFJF afirmou que a administração superior da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) respeita a mobilização dos técnicos-administrativos em educação (TAEs) e compreende que a greve interfere no cotidiano da universidade ao interromper a prestação de determinados serviços, como Restaurante Universitário, bibliotecas e Central de Atendimento. A administração acompanha, com atenção, as negociações entre os servidores e o governo federal, esperando que se alcance um acordo em espaço de tempo mais breve possível.

__________________________________________________________________________________________________________________

VEÍCULO: SITE UFJF

Recepção aos calouros terá cadastro para doação de medula óssea nesta 3ª

Dentro da programação da recepção aos calouros do primeiro semestre de 2014, a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e o Hemominas realizam nesta terça-feira, dia 18, das 8h às 12h, no anfiteatro das pró-reitorias, no Centro do Campus Juiz de Fora, o cadastro de doadores de medula óssea. Antes da doação, funcionários do Hemomimas realizarão mini-palestra sobre a importância da doação, entre outras informações. Um residente de Hematologia do Hospital Universitário (HU) acompanhará a ação do Hemominas em parceria com a UFJF

Para integrar o cadastro de doadores, a pessoa tem que ter entre 18 e 54 anos e apresentar boa saúde. No anfiteatro das pró-reitorias será colhida uma pequena amostra de sangue destinada à realização do exame HLA. Este exame vai traçar as características genéticas do candidato e verificar a compatibilidade com o receptor voluntário. Quando surgir compatibilidade do candidato com algum dos pacientes que aguardam o transplante, novos procedimentos vão garantir a efetivação da doação.

A chance de encontrar um doador com medula compatível entre não parentes é de um em cem mil, devido à miscigenação do povo brasileiro. Quando não há um doador aparentado (um irmão ou outro parente próximo, geralmente um dos pais), a solução para o transplante de medula é procurar um doador compatível entre os grupos étnicos (brancos, negros, amarelos etc.) semelhantes, mas não aparentados. Para reunir as informações (nome, endereço, resultados de exames, características genéticas) de pessoas que se dispõem a doar medula para o transplante, foi criado, em 1993, o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), instalado no Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca). Desta forma, com as informações do receptor, que não disponha de doador aparentado, busca-se no Redome um doador cadastrado que seja compatível com ele e, se encontrado, articula-se a doação.

O número de doadores voluntários tem aumentado expressivamente nos últimos anos. Em 2000, existiam apenas 12 mil inscritos. Naquele ano, dos transplantes de medula realizados, apenas 10% dos doadores eram brasileiros localizados no Redome. Em maio de 2013, existiam 3.112 milhões de doadores inscritos e o percentual subiu para 70%. O Brasil tornou-se o terceiro maior banco de dados do gênero no mundo, ficando atrás apenas dos registros dos Estados Unidos (quase 7 milhões de doadores) e da Alemanha (quase 5 milhões de doadores).

 ______________________________________________________________________________________________

VEÍCULO:  TRIBUNA DE MINAS

Greve de servidores da UFJF tem 80% de adesão

O período letivo na Universidade Federal de Juiz deGREVE TRIBUNA Fora (UFJF) começou junto com a deflagração da greve dos técnico- administrativos em educação (TAEs). Nesta segunda-feira (17), serviços como os do Restaurante Universitário (RU), das bibliotecas e de transporte funcionaram apenas na parte da manhã. Segundo sindicato da categoria, 80% dos servidores aderiram ao movimento. Em nota, a assessoria de comunicação da UFJF informou que “respeita a mobilização dos técnico- administrativos em educação e compreende que a greve interfere no cotidiano da universidade”.

No primeiro dia do movimento, foi criado o comando de greve, durante uma assembleia, que aconteceu por volta de 9h, no anfiteatro da Reitoria. De acordo com o coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores Técnico- Administrativos das Instituições Federais de Ensino no Município de Juiz de Fora (Sintufejuf), Lucas Simeão, o grupo realizou uma visita a diversos departamentos da universidade. “Pela manhã, visitamos alguns setores e concluímos que alguns deles não podem ser fechados, pois podem causar danos irreversíveis à UFJF.”

O coordenador do Sintufejuf reiterou que as provas dos concursos para seleção de novos técnicos da UFJF, que serão aplicadas nos dias 23 de março, em Juiz de Fora, e 30 de março, em Governador Valadares, não serão prejudicadas, pois a abertura de vagas é um pedido da categoria. Simeão relatou que o sindicato está aberto a negociações. “Ninguém da administração da UFJF nos procurou. Eles já estavam sabendo que a greve seria deflagrada hoje, pois há mais de um mês informamos aos responsáveis que ficaríamos de braços parados.”

Apesar de o movimentar afetar a rotina dos mais de 16 mil alunos, a coordenadora-geral do Diretório Central dos Estudantes(DCE), Laiz Perrut, ressaltou que a entidade está apoiando a paralisação. “Participamos da assembleia que aconteceu ontem e estamos nos solidarizando com os técnico- administrativos, pois queremos melhoria nos serviços da instituição e na educação”. A assessoria da UFJF informou que a instituição está acompanhando as negociações entre os servidores e o Governo federal e espera que se alcance um acordo em espaço de tempo mais breve possível. Para esta terça, está marcada uma reunião da categoria, às 9h, no RU do Centro, onde serão definidos os próximos passos do movimento.

Reivindicações

Os servidores da UFJF reivindicam o cumprimento do acordo firmado entre a categoria e a universidade em 2012, que prevê progressão na carreira, conforme plano de cargos e salários da classe, e maior isonomia em relação aos ganhos e benefícios dos técnicos de outros setores do serviço público federal. Na pauta dos técnico-administrativos ainda estão a fixação de uma data base, garantindo a correção anual dos vencimentos acima da inflação, melhor qualidade de trabalho e pagamento de benefícios para os aposentados da categoria. Outra reivindicação dos profissionais é pela revogação da lei que determinou a adesão do Hospital Universitário (HU) à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH).

Compartilhe:

15 de Março de 2014

VEÍCULO: G1

Curso do HU de Juiz de Fora capacita evangélicos em visitas hospitalares

Aulas ensinam maneira adequada de realizar visitas de cunho espiritual. Interessados devem realizar a inscrição no HU unidade Santa Catarina.

Curso do HU de Juiz de Fora capacita evangélicos em visitas hospitalares Aulas ensinam maneira adequada de realizar visitas de cunho espiritual.

Interessados devem realizar a inscrição no HU unidade Santa Catarina.

Começou neste sábado (15) o 10º curso de Formação de Visitadores Hospitalares Evangélicos no Hospital Universitário (HU) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). O projeto é promovido pelo serviço de Capelania Evangélica do HU com o objetivo de capacitar as pessoas de forma técnica para realizar visitas de cunho espiritual. Para realizar a inscrição, os interessados devem comparecer à unidade do HU no Bairro Santa Catarina, localizada na Rua Catulo

A capacitação disponibiliza 40 vagas; 10% destas são reservadas para funcionários do HU. O curso terá duração de seis meses, sendo dois de aulas teóricas e quatro de aulas práticas, sempre ministradas aos sábados, das 13h às 17h. O valor do curso é de R$110. Os participantes receberão certificado emitido pela Direção de Ensino e Pesquisa do HU e passarão a integrar o serviço.

A parte teórica do curso ensina aos participantes a maneira mais adequada de se portar no ambiente hospitalar, incluindo como abordar os pacientes e se relacionar com os profissionais de saúde. Também serão explicadas normas do HU e noções de infecção hospitalar. Nos quatro meses de aulas práticas serão realizadas visitas aos enfermos, feitas em conjunto com os coordenadores do curso. O serviço inclui palavras de ânimo, conversas com os pacientes e orações.

__________________________________________________________________________________________________________________

VEÍCULO: TRIBUNA DE MINAS

Categoria pede aumento anual acima da inflação e melhores condições de trabalho. Professores também param esta semana

Os técnicos da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) iniciam, a partir desta segunda-feira (17), greve por tempo indeterminado. A iniciativa é pelo cumprimento do acordo firmado entre a categoria e a universidade em 2012, que prevê progressão na carreira, conforme plano de cargos e salários da classe, e maior isonomia em relação aos ganhos e benefícios dos técnicos de outros setores do serviço público federal. Os profissionais pedem ainda fixação de uma data base, garantindo a correção anual dos vencimentos acima da inflação, melhor qualidade de trabalho e pagamento de benefícios para os aposentados da categoria. O início do movimento coincide com o retorno das aulas na federal e vai comprometer diversos setores.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos das Instituições Federais de Ensino no Município de Juiz de Fora (Sintufejuf), a partir de segunda-feira, ficarão fechados os restaurantes universitários (RUs), as bibliotecas central e setoriais e outras repartições internas. Os carros da instituição também estarão parados, e os ônibus para transporte de funcionários vão operar apenas das 7h às 8h. Nas datas em que serão realizadas as primeiras provas dos concursos para seleção de novos técnicos da UFJF – nos dias 23 de março, em Juiz de Fora, e 30 de março, em Governador Valadares -, o sindicato vai permitir o funcionamento dos setores essenciais para a realização do certame, visto que, segundo a entidade, a realização de concursos públicos é uma pauta da categoria.

Segundo o presidente do Sintufejuf, Paulo Dimas, a greve foi deliberada há mais de um mês e foi dado o tempo necessário para que a instituições se preparassem para a mesma, uma vez que a categoria estará de braços cruzados por tempo indeterminado. “Esta semana, visitamos todos os setores da UFJF para comunicar a paralisação.”

Outra reivindicação da categoria, segundo o presidente, é pela revogação da lei que determinou a adesão do Hospital Universitário (HU) à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH). “Entendemos que o hospital foi construído e equipado com dinheiro público e que, portanto, deve ser administrado diretamente pela UFJF, empregando servidores federais concursados. Não por uma empresa de direito privado.”

No primeiro dia da greve, será realizada assembleia do Sintufejuf, às 9h, no anfiteatro da Reitoria.

______________________________________________________________________________________________

VEÍCULO: RÁDIO CBN

Curso do HU de Juiz de Fora capacita evangélicos em visitas hospitalares

Começou neste sábado (15) o 10º curso de Formação de Visitadores Hospitalares Evangélicos no Hospital Universitário (HU) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). O projeto é promovido pelo serviço de Capelania Evangélica do HU com o objetivo de capacitar as pessoas de forma técnica para realizar visitas de cunho espiritual. Para realizar a inscrição, os interessados devem comparecer à unidade do HU no Bairro Santa Catarina, localizada na Rua Catulo Breviglieri, com uma foto 3×4 e uma carta de apresentação do pastor da igreja que frequenta.

A capacitação disponibiliza 40 vagas; 10% destas são reservadas para funcionários do HU. O curso terá duração de seis meses, sendo dois de aulas teóricas e quatro de aulas práticas, sempre ministradas aos sábados, das 13h às 17h. O valor do curso é de R$110. Os participantes receberão certificado emitido pela Direção de Ensino e Pesquisa do HU e passarão a integrar o serviço.

A parte teórica do curso ensina aos participantes a maneira mais adequada de se portar no ambiente hospitalar, incluindo como abordar os pacientes e se relacionar com os profissionais de saúde. Também serão explicadas normas do HU e noções de infecção hospitalar. Nos quatro meses de aulas práticas serão realizadas visitas aos enfermos, feitas em conjunto com os coordenadores do curso. O serviço inclui palavras de ânimo, conversas com os pacientes e orações.

Compartilhe:

UFJF lança maior concurso de sua história com mais de 400 vagas

concurso2014-300x209A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) abrirá o maior concurso de sua história. Serão cerca de 400 vagas para técnico-administrativos em educação (TAE) nos níveis fundamental, médio e superior. O primeiro edital, com aproximadamente 280 vagas, será lançado na próxima semana, com publicação no Diário Oficial da União entre os dias 19 e 21 de fevereiro. As vagas serão distribuídas entre os dois campi da instituição, com a aplicação de provas nos dias 23 de março (Governador Valadares) e 30 de março (Juiz de Fora).

O anúncio foi feito nesta sexta-feira, 14, em coletiva de imprensa realizada no Museu de Arte Murilo Mendes (Mamm). Para o reitor, Henrique Duque, o fato inédito na história da Universidade consagra o crescimento da instituição em todos os aspectos. Além do aporte físico e financeiro, a UFJF conseguiu aumentar seu quadro de professores e técnico-administrativos em educação em mais de 100%. Desde 2008 já foram contratados 1.152 servidores efetivos, sendo 689 docentes e 463 TAEs. “Com esse novo concurso, modificamos o perfil da Universidade, diminuindo o número de terceirizados, os quais terão a chance de concorrer a uma vaga efetiva”. Algumas áreas, segundo ele, tiveram prioridade na elaboração do quadro de vagas, como as bibliotecas e os programas de pós-graduação (PPGs). “Todos os 33 PPGs terão um servidor do quadro para aumentar ainda mais a performance dos cursos de mestrado e doutorado”.

O edital a ser lançado nos próximos dias traz 212 vagas para Juiz de Fora e 129 para Governador Valadares. O maior volume de vagas será destinado ao cargo de Assistente em Administração, com exigência de nível médio completo – serão mais de 120 oportunidades nos dois campi. Outro que se destaca é o de Técnico em Enfermagem, com 20 vagas. Entre os cargos de nível superior, há oportunidades para Analista de Tecnologia da Informação, Bibliotecário-Documentalista, Administrador, Psicólogo, Odontólogo, Médico, entre outros. Estão previstos 41 cargos neste primeiro edital, que deverá ser consultado, após a publicação do Diário Oficial da União, através da página http://www.ufjf.br/copese/. Ainda não foi divulgado o período de inscrições.

Para o pró-reitor de Planejamento, Carlos Elízio Barral, a Universidade conseguiu mostrar em Brasília que a proposta de expansão precisaria ser acompanhada da qualidade, e o volume de contratações é prova de que ela não abriu mão disso. “Novos prédios foram construídos, novos cursos criados e mais professores contratados. O que estava faltando, chegou. Teremos o suporte dos novos técnico-administrativos para acompanhar esse crescimento”. O vice-reitor da UFJF, José Luiz Rezende Pereira, acrescentou que além da qualidade dos professores e técnicos, os alunos têm tido um excelente desempenho. “Os candidatos aprovados pelo Sisu (Sistema de Seleção Unificada) têm nota acima de 700 no Enem, nota compatível com as universidades das capitais do país”.

Próximo edital

Outro edital com cerca de 60 vagas também para técnico-administrativos em educação será lançado no próximo mês. Há, ainda, a previsão de liberação de outras 62 pelo Ministério da Educação (MEC), também em março, totalizando mais de 120 oportunidades. O reitor adiantou que este número poderá ser ampliado com o curso de Medicina Veterinária e com uma possível liberação de vagas no segundo semestre. Duque chegou a falar em 600 oportunidades, somando todos os editais do ano.

A validade dos concursos é de dois anos, podendo ser prorrogado, a critério da administração, por mais dois. O pró-reitor Carlos Elízio Barral afirmou que as nomeações do primeiro concurso serão feitas bem antes de junho, quando termina o prazo de homologação, em razão da legislação eleitoral.

Salários

Os editais irão contemplar cargos de níveis B (fundamental incompleto), C (fundamental completo), D (médio, médio profissionalizante e médio/técnico) e E (superior). Os vencimentos iniciais são de R$ 1.302,72 (nível B), R$ 1.562,23 (nível C), R$ 1.942,75 (nível D) e R$ 3.230,88 (nível E). Os valores sofrerão reajuste de 5% a partir de março de 2014.

Além do vencimento básico os aprovados recebem auxílio-alimentação no valor de R$ 373 e poderão contar com outros benefícios, como auxílio pré-escolar, auxílio-saúde, auxílio-transporte e incentivo à qualificação. No caso da qualificação, servidores com mestrado podem aumentar seu salário em até 52% e, com doutorado, em 75%.

 

 

Compartilhe:

13 de outubro de 2013

VEÍCULO: TRIBUNA DE MINAS

Carência atinge áreas essenciais

Secretarias da PJF com maiores déficits são Assistência Social, Transporte, Saúde, Obras e Meio Ambiente; não há definição dos cargos

Por HÉLIO ROCHA

A Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) deve começar, nos próximos meses, a contratar funcionários temporários para suprir serviços emergenciais no setor público municipal. As demandas apuradas pela Tribuna evidenciam a não renovação dos quadros do funcionalismo, uma vez que a Administração Pública carece de profissionais em funções essenciais, como de atenção primária, na saúde, e operação de veículos, no setor de obras. Outras áreas carentes de novos trabalhadores seriam das secretarias de Assistência Social, Transporte e Trânsito e Meio Ambiente. As possíveis contratações, segundo a Administração, serão para preencher vagas de forma emergencial até a realização de concursos públicos para admissão de servidores de carreira. A assessoria da PJF informa que ainda não há definição sobre quantas vagas serão criadas nem em quais setores, uma vez que ainda são estudadas as demandas mais urgentes para o município.

 Na Secretaria de Saúde, as áreas mais necessitadas são aquelas que atendem diretamente à população: atenção primária e urgência e emergência. Segundo o chefe da pasta, José Laerte Barbosa, a secretaria precisa de médicos, fisioterapeutas, assistentes sociais e psicólogos. “A saúde talvez tenha a maior demanda devido a muitos anos sem concursos públicos.” O secretário lembra que já tomou outras medidas para suprir a falta de servidores, como manter o convênio com o Hospital Universitário (HU) da UFJF, a fim de não prejudicar o atendimento em urgência e emergência.

 Outro setor que precisa de mais funcionários é a Secretaria de Obras. De acordo com o subsecretário de Operações Urbanas, José Walter Ávila, há na pasta falta de motoristas para veículos pesados, categoria que abrange todo tipo de caminhões. Ele atribui a defasagem à não realização de concursos nos últimos anos. “Foram muitos anos sem concursos públicos, o que resultou na defasagem de nossos quadros. Com uma sequência de aposentadorias, ficamos num estado em que temos equipamentos, mas poucos profissionais.”

 Problema diferente acomete a pasta do Meio Ambiente. Criada em 2012, ela não realizou qualquer processo seletivo para suprir toda a sua demanda, tendo contado, desde então, com contratos temporários que expiraram. O secretário Luís Claudio dos Santos lista uma série de profissionais que o setor necessita, como geógrafo, biólogo, engenheiro civil, engenheiro químico e engenheiro florestal, além de fiscais, tecnólogos e técnicos em meio ambiente, agronomia e contabilidade. “A necessidade de atender a esta demanda é grande, porque muitas delas são necessárias à concessão e renovação de licenças ambientais para empresas.” Luís Claudio afirma que estuda, junto à Administração, a possibilidade de suprir o maior número de cargos possível. Outros dois setores que estudam demandas são Assistência Social e Transportes, mas, segundo a PJF, ainda não há consenso sobre quais funções faltam a essas secretarias.

 A Prefeitura afirma estar em fase de estudos para a publicação de editais para concursos públicos, de modo que as contratações temporárias não sejam realizadas sem a certeza de que o Município abrirá concursos. A secretária de Administração e Recursos Humanos, Andreia Goreske, diz que entre os aspectos levados em consideração estão questões financeiras e jurídicas, de modo a garantir a lisura das seleções e a adequação das mesmas ao orçamento municipal. Apenas após os levantamentos haverá a definição sobre em que áreas o Governo vai contratar. “A lei é clara quanto a contratações temporárias: elas só podem ser realizadas em paralelo à realização de concursos públicos. Vamos cumprir com esta norma e com o que a PJF já garantiu a todos.”

 Estatuto flexibilizado

 As contratações temporárias serão possíveis graças à aprovação, na Câmara Municipal, da mensagem do Executivo 4.051/2013, que propôs alterações no Estatuto dos Servidores Públicos da administração direta e indireta, facilitando a admissão de profissionais sem concursos públicos. A mensagem pedia a inclusão, no artigo que trata das justificativas para contratação temporária, de dois novos incisos, um autorizando a contratação excepcional para “atender à urgente exigência do serviço público, em decorrência da insuficiência de pessoal aprovado em concurso”, outro possibilitando a admissão que objetive “substituir servidor efetivo afastado, impedido ou licenciado, por prazo superior a 30 dias.”

 

Compartilhe:

Diogo Mancini: paixão pela tecnologia em saúde

Diogo Mancini, tecnologia é sua área

Diogo Mancini, tecnologia é sua área

Diogo Victor Gonçalves Mancini está prestes a completar cinco anos de atividade no Hospital Universitário da UFJF e pode-se dizer que rodou bastante pelas unidades de atendimento do hospital. “Inicialmente trabalhava na unidade Dom Bosco, ao assumir a coordenação de informática foi para a unidade Santa Catarina e com novas obras do hospital voltei a Unidade Dom Bosco para montar a estrutura definitiva da TI (Tecnologia da Informação)” explica Diogo. Seu começo no Hospital foi como Técnico em Informática, após passar na primeira seleção da fundação HU, depois passei para a função de Operador de Redes e Transmissão de Dados e por fim cheguei à função de Analista de Sistemas, que é o Gerente de TI, cargo que assumi após ser convidado quando o antigo analista saiu. “Posso dizer que passei pelas três funções que existem hoje na Informática. Sou formado em Tecnologia de Informática Empresarial, pela UNIPAC,  Pós-Graduado  e especializado em Ciência da Computação, pela Universidade Federal de Viçosa(UFV), atualmente fui selecionado no mestrado em Saúde Brasileira, curso oferecido pela Faculdade de medicina da UFJF, também sou técnico na área de Processamento de Dados e estou fazendo um outro curso técnico de Gerência de Saúde pelo IFET Sudeste” conta o gerente de TI sobre sua formação.

Sobre como descobriu a profissão, Diogo diz que sempre esteve envolvido com computador desde pequeno. Chegou a prestar vestibulares para direito e administração mas não achou que era a carreira certa; então optou por fazer algo que gostava: “Decidi seguir em uma área que gostava desde pequeno, tanto que com 15 anos comecei a trabalhar na Prefeitura de Juiz de Fora, mais precisamente na Secretaria Municipal de Saúde, e lá atuei em alguns setores como epidemiologia, atenção básica e a própria informática por 17 anos” relembra.

“Foi nessa época que fiz o link entre Tecnologia da Informação e Saúde, onde desempenhei vários trabalhos como colaborador para o NATES, que é um núcleo de pesquisa da UFJF, para pesquisas em parceria com a fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), UFRJ” explica Diogo Mancini. Até fevereiro deste ano, Diogo também trabalhava na Prefeitura de Juiz de Fora, agora, além de se dedicar ao Hospital Universitário, ele também está ocupado com o mestrado e o curso técnico para o qual foi selecionado. Também estou prestando alguns concursos públicos, pois acho bastante importante nos dias de hoje” resume o Gerente, que não se acomoda.

Mudanças são comuns para ele, e ficam mais evidentes após cinco anos. Diogo conta que quando foi admitido pelo Hospital não se podia dizer que havia uma Gerência de TI. “Existia um Centro de Processamento de Dados(CPD), com alguns computadores comuns, como os que temos em casa. Também havia um Sistema muito antigo, que era chamado de ‘o terminal’, da década de 80 e equipamentos, como servidores, não profissionais; com o tempo conseguimos obter alguns investimentos, entre eles um da atual administração da UFJF, de R$ 700 mil para construir o Data Center, o primeiro que o hospital terá com a política de trabalho que se deve ter, de acesso, de segurança. “Estamos implantado o sistema de vigilância por câmeras, totalizando 96 câmeras nas duas unidades, estamos ampliando em mais de 200 pontos a nossa rede de dados, a rede de internet passará de 100 megabytes para 1 gigabyte. Colocamos 276 novos computadores, com monitores retráteis para os funcionários se sentirem mais confortáveis, trouxemos novos aparelhos de comunicação para o hospital, estamos trabalhando em alguns contratos de manutenção, cuidamos do controle de acesso, reativando as catracas. Portanto, muita coisa mudou e nós atuamos bastante com a nossa equipe, que contempla apenas sete pessoas além de criarmos o programa de estágio para o setor de informática com o apoio da diretoria” explica.

Sobre trabalhar com Saúde, Diogo conta que gosta desse desafio, pois é uma área ainda pouco explorada em termos de Tecnologia e que é algo que o fez entrar nesse meio. Diz ainda que sente mais como funcionário da área do que de Informática. “Acho que consigo interpretar bem os funcionários da saúde e traduzir para a linguagem computacional pois, muitas vezes, os profissionais falam certas coisas e as pessoas que não têm essa vivência não compreendem o que está sendo falado” relata o Gerente que trabalha há quase 20 anos na área de saúde.

Como lazer, fora do Hospital Universitário, conta que está fazendo natação pois acha importante realizar atividades físicas, principalmente para quem trabalha muito parado. Ainda gosta de assistir um filme no cinema, viajar e estar com sua família, como mãe, primos e tios, pois ainda não se casou.

 

Por Vinícius Miranda – Bolsista Comunicação Social

Supervisionado por AscomHU

Compartilhe:

Hospital Universitário