UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

Imãs, Bússolas e o Magnetismo

Você está em: Física à sua volta > Imãs, Bússolas e o Magnetismo

por Pablo Rafael

Origem da palavra Magnetismo

 

Magnetita

Magnetita

As observações dos fenômenos magnéticos datam de muito antigamente, uma das observações realizadas por Gregos em uma região da Ásia conhecida por Magnésia – hoje a atual Turquia – no século VI Tales de Mileto em uma de suas viagens  constatou que pequenas pedrinhas tinham a capacidade de atrair materiais de ferro bem como atrair umas as outras. Essas pedras ficaram conhecidas como magnetita.

Mas segundo algumas lendas Tales não teria sido o único e nem o primeiro a observar esses fenômenos. Um pastor de ovelhas de nome Magnes teria percebido que a ponta de seu cajado ficava presa quando encostada em determinadas pedras (provavelmente a magnetita).

Não sabemos se a origem do nome Magnetismo vem do nome da região onde foi observada, ou se foi pelo nome do pastor de ovelhas. Mas o fato é que até hoje usamos essa nomenclatura para falar sobre fenômenos muito importantes.

 

 

Primeiras aplicações do magnetismo

 

Precursor da Bússola

Os chineses foram os primeiros a encontrar aplicação para tal fenômeno, no inicio da era cristã eles já utilizavam o precursor da bussola, uma colher feita de magnetita que colocada sobre um ponto de apoio central podia girar livremente, apontando sempre para o sul.

 

Bússola chinesa: Si Nan

Bússola chinesa: Si Nan

 

Bússola

É um instrumento de orientação que se baseia nas propriedades magnéticas dos materiais e da Terra. A palavra Bússola vem do italiano bussola que significa pequena caixa. Basicamente uma bússola possui uma agulha imantada que pode girar livremente, essa agulha sempre se alinha na direção norte-sul da Terra, sobre a ação do magnetismo terrestre.

Ímãs

A palavra ímã é derivada da palavra francesa aimant que significa amante. Os ímãs têm a propriedade de atrair alguns objetos metálicos e atrair ou repelir outros ímãs. Mais tarde entenderemos como realmente o ímã age. Os ímãs possuem duas regiões que chamamos de polo norte e polo sul.

Os fenômenos do magnetismo só foram realmente despertar interesses no século XIII, quando começaram a aparecer observações e trabalhos mais detalhados sobre o assunto.

Pierre de Maricourt em 1269 desenvolveu diversos estudos sobre o magnetismo. Devido a ele que a nomenclatura de polo norte e polo sul é dada aos polos de um ímã, e a lei dos “opostos se atraem e iguais se repelem”. Nessa mesma época se observou que um ímã sempre tem os dois polos mesmo quando o dividimos em pedaços menores.

Mais tarde William Gilbert em seu livro De Magnete, sistematizou todas as especulações sobre os fenômenos magnéticos daquela época. E conseguiu inclusive explicar o comportamento das bússolas, que naquela época já eram bastante usadas, propondo que a Terra se comportava como um ímã gigantesco. Também descobriu que ao aquecer um ímã este perde suas propriedades magnéticas, e que o fenômeno de magnetização e desmagnetização não alterava o peso do objeto.

 

 

Referências:

<Física, volume único: ensino médio / Aurélio Gonçalves Filho, Carlos Toscano. – São Paulo: Scipione, 2005. 1ª Edição.>

<Física para o Ensino Médio, vol 3 / Luiz Felipe Fuke, Kazuhito Yamamoto. – 1. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2010.>

<http://pt.wikipedia.org/wiki/Magnetismo, acessado em 23/03/2012>

Compartilhe:

    Projeto Física e Cidadania


    Acessos desde 02/04/2013: 395,652