UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

INICIAL

Data: 18 de novembro de 2014

O curso de graduação em Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora teve sua origem na extinta Faculdade de Filosofia e de Letras (FAFILE), no ano de 1951, com o Decreto Federal 30160 que criava, na ocasião, os cursos de Ciências Sociais, Geografia, História e Letras Clássicas. Com a criação da Universidade Federal de Juiz de Fora, a FAFILE foi a ela incorporada em 1968 e, em decorrência, o Curso de Letras. Desde então, o curso passou a integrar o Instituto de Ciências Humanas e de Letras (ICHL), que oferecia também os cursos de Filosofia, História, Geografia, Ciências Sociais, Ciência da Religião e Psicologia. A partir de 2006, a Faculdade de Letras desmembrou-se do ICHL (que passou a chamar-se Instituto de Ciências Humanas/ICH), assumindo, desde então, autonomia fiscal, administrativa e pedagógica.

 

 

A criação da Faculdade de Letras era antiga aspiração dos professores reunidos nos Departamentos de Letras Estrangeiras Modernas (DLEM) e de Letras (DLET), tendo feito parte do projeto original dos fundadores da Universidade Federal de Juiz de Fora. Em reunião de 15 de dezembro de 2005, a Congregação do antigo Instituto de Ciências Humanas e de Letras – ICHL, que passou a ser ICH – aprovou, por unanimidade, a desvinculação dos referidos Departamentos do Instituto e a criação da Faculdade de Letras. O Conselho Superior da UFJF, em reunião ordinária de 30 de janeiro de 2006, aprovou a Resolução no. 01/2006, que efetivava a criação da Faculdade de Letras. No dia 31 de janeiro de 2006, a nova Faculdade foi inaugurada pela diretora Terezinha Maria Scher Pereira e a vice-diretora Marta Cristina da Silva.

Como nova unidade, constituída de dois departamentos – o Departamento de Letras (DLET) e o Departamento de Letras Estrangeiras Modernas (DLEM), nos quais estão lotados 46 docentes efetivos: 44 professores doutores e 2 mestres – a Faculdade de Letras oferece hoje aos seus alunos um percurso acadêmico completo: graduação, pós-graduação lato sensu (dois cursos de Especialização: Ensino da Língua Portuguesa e Estudos Literários) e pós-graduação stricto sensu (dois Programas de Mestrado e Doutorado: um em Linguística e outro Estudos Literários, e um Programa de Mestrado Profissional em Letras). Portanto, contando com um corpo docente formado, em sua maior parte, por profissionais com título de doutorado, que desenvolvem projetos de pesquisa e extensão além de ministrarem cursos na graduação, a Faculdade tem como diferencial qualitativo a ênfase na articulação entre ensino e pesquisa, contribuindo para a formação de professores críticos de seus objetos teóricos e produtores de novos conhecimentos em diálogo com a sociedade.