UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

ISSN 1983-8379

Editorial

Você está em: Edições Anteriores > Volume 08 - Número 2 - Maio/2016 > Editorial

A DarandinaRevisteletrônica, em sua 16ª edição, contou com artigos que trazem discussões acerca da literatura e as escritas da violência. A violência, como aspecto marcante no texto literário, aparece como base de composição e revela experiências traumáticas do sujeito social. Assim, a violência ou múltiplas violências revelam suas peculiaridades para a interpretação de relações políticas, sociais, econômicas, culturais, entre outros.

Essa edição trouxe o artigo de Nathalia Bezerra da Silva Ferreira e Verônica Maria de Araújo Pontes. Elas retratam a violência por meio de uma análise das relações entre as personagens do conto “A ilha dos gatos pingados”, de José J. Veiga. Outro artigo que é membro dessa edição é o de Francine Natasha Alves de Oliveira, que aborda a violência existente no travesti em duas obras literárias: a novela O milagre, de Roberto Freire (1978) e a autobiografia/biografia Luís Antônio-Gabriela, de Nelson Baskerville (2012).

Participaram também desta edição Laysa Louise S. Beretta eAna Paula da Silva Ribeiro. Beretta observou em sua análise a representação do final do segundo milênio feita por Loyola Brandão no conto a “A mão perdida na caixa do correio” a fim de compreender de que forma a violência e o absurdo do cotidiano nas metrópoles amedronta e segrega o homem urbano. Ribeiro acompanhou em seu artigo a trajetória,perpassada pela violência, da personagem infantil do conto “Menina a caminho”, de Raduan Nassar.

O artigo, de Camila Stefanello e Raquel Trentin Oliveira,traz para esta publicação uma análise da violência por meio da obra O esplendor de Portugal (1997), de António Lobo Antunes, que retrata a guerra civil em Angola. Nesse viés, destaca-se inclusive a autora Bruna Farias Machado, que analisa o romance Uma Duas (2011), de Eliane Brum, tendo como foco principal as figurações da violência representadas na obra por meio do cromatismo vermelho. Ressalta-se ainda nesta edição o artigo de Gabriel Felipe PautzMunsberg, em que as manifestações da violência na literatura são analisadas a partir da novela Passo de caranguejo (2002), de Günter Grass.

A revista contou com a contribuição de Rosicley Andrade Coimbra, que faz uma leitura da violência presente em dois contos “Feliz ano novo”, de Rubem Fonseca, presente no livro Feliz ano novo (1975), e “Creme de alface”, de Caio Fernando Abreu, do livro Ovelhas negras(1995). Além desses artigos mencionados conta-se, também, com a participação de Bruno Darcoleto Malavolta,Elisandra Lorenzoni Leiria, Rosane Cardoso, Magda Medianeira de Mello e Lígia Gomes do Valle. Malavolta trata em seu artigo de temas da guerra e do esquecimento, recorrentes na obra Poesias, de Dante Milano. Leiria e Cardoso abordam a poética da dor em Grandes miradas, de Alonso Cueto. Mello percorre alguns aspectos tanáticos no que se refere àcrueldade aos escravos presente no conto machadiano “Pai Contra Mãe”. E Valle analisa a relação entre o extraliterário e o intraliterário no tocante à violência vivida,pelos autores da Literatura Marginal/Periférica, e narrada em seus escritos.

Karla Cristina Eiterer Santana participa desta edição ao abordar a obra de Alex Polari de Alverga por meio de uma reflexão sobre o momento histórico perpassado pela violência no cárcere e experiência de tortura. Assim como Karla, Juliane Vargas Welter, contribui para esta publicação ao analisa comparativamente experiências de memória e violência nos romances Dois irmãos (2000) e Cinzas do Norte (2005), de Milton Hatoum; Não falei (2004), de Beatriz Bracher; Azul-corvo (2010), de Adriana Lisboa; e K. Relato de uma busca (2014), de Bernardo Kucinski.

Os artigos que compõem esta edição trazem importantes insumos para uma discussão mais aprofundada do tema à medida que as obras literárias analisadas abarcam uma gama de relações em que a violência perpassa as experiências do ser.

Esta 16ª edição traz ainda otexto de criação literária, de Marcos Vinícius Almeida, intitulado “Impressão”. O escritor é autor dos livros Inércia (ed. Multifoco, 2009) e Quebranto (e-Galáxia, 2014).

Lígia Gomes do Valle

Comissão Editorial da DarandinaRevisteletrônica

 

Darandina Revisteletrônica