UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

ISSN 1983-8379

Editorial

Você está em: Edições Anteriores > Volume 06 – Número 1- Junho/2013 > Editorial

Editorial Darandina – Volume 6 – Número 1 – Junho∕2013

 

Em um universo de papel e tinta, arranjar letras, assentar palavras, arquitetar um corpo envolto pelo eu no mundo, e ou pelo mundo do eu. Eis a tarefa daquele que narra sobre si. Tarefa essa que tem ganhado cada dia mais destaque, tanto pelo espaço que ocupa no mercado editorial, quanto pelo interesse acadêmico que desperta. Atento a isso, a Darandina Revisteletrônica propõe a presente edição, que pela riqueza das contribuições aqui publicadas, corrobora com o sucesso do gênero que envolve as escritas de si.
História, Filosofia, estudos da Memória muito tem contribuído para avançar o campo das pesquisas e o trabalho crítico nessa área. Contudo, Jovita M. G. Noronha, salienta, na apresentação a esta edição, que a autobiografia torna-se um gênero passível de ser estudado esteticamente, com Philippe Lejeune ao propor o ‘pacto autobiográfico’. A citada apresentação à edição coloca-se como uma excelente ferramenta de acesso aos fundamentos e à questões relevantes ao estudo da temática, cabendo como texto introdutório ‘obrigatório’ à curiosos e interessados nas pesquisa da área.
De grande valia também é a tradução de Daniel Moreira Silva da Conferência de P. Lejeune: A autobiografia e as novas tecnologias de comunicação. Nela, o autor pondera que não será ele a anunciar a ‘morte da autobiografia’ como identidade narrativa que harmoniza passado e presente ao destacar um projeto de existência, mas salienta que tal gênero – açambarcado pelo espaço virtual – não se prende mais à clássica narrativa linear e teleológica, mas utiliza-se de todos os recursos de hibridização e fragmentação disponíveis à composição estética da narrativa.
A despeito da forte presença, na edição, de artigos que destacam os aspectos estéticos e teóricos da escrita de si e para tal utilizam os conceitos de ‘autobiografia’ (Lejeune) e ‘autoficção’ (Doubrovsky), há também artigos que mobilizam, na escrita de si, os imbricamentos História∕Literatura∕Memória∕arquivo (Foucault, Le Goff), os que destacam as relações de poder na sociedade capitalista (Bordieu), os aspectos da ‘desterritorialização’ marcados nas subjetividades (Deleuze e Guattari) e também artigo que aborda o tema a partir do ‘cuidado de si’ (Foucaut). Mais uma vez, é válido enfatizar o sucesso da edição, aqui medido não pela quantidade, mas pela diversidade conceitual que aborda.
A edição conta ainda com a resenha elaborada por Ligia Gomes do Valle, Cidinha da Silva – identidade racial e periférica, bem como por textos de criação literária: Minhas Milhares, de Ana Maria Vasconcelos; Confissão a um amigo de Francisco Neto Pereira Pinto, As pessoas… de Maico Fernando Costa e Poemas de Teca Miranda.
Reflexão, fruição e apreciação te aguardam aqui. Boa Leitura!

Lúcia Joviano
Comissão Editorial

Darandina Revisteletrônica