Clipping UFJF – 25, 26 e 27 de Novembro de 2015

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cultura

Data: 25/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/instrumentos-e-parcerias-que-levam-a-um-so-caminho/

Instrumentos e parcerias que levam a um só caminho

Em um mundo tão plural, nada mais natural que a arte siga o mesmo caminho. Foi com este norte que o trio juiz-forano Duolhodágua chega ao seu álbum de estreia, “Circo cigano”, lançado este mês por meio da Lei Murilo Mendes. Formado em 2010 por Alexandre Moraes (violões), André Oliveira (violino) e Lula Ricardo (contrabaixo), o grupo apresenta um trabalho orgânico, em que a música erudita e popular se encontram por meio de suas diversas expressões, instigando o ouvinte a partir dos improvisos que integram as oito faixas do álbum.

O trabalho, diz Alexandre, traz as canções que existiam mesmo antes da aprovação do projeto pela lei, o que aconteceu em 2013. O primeiro passo, então, foi partir para Ibitipoca, no mesmo ano, e ficar dez dias em estúdio para trabalhar as músicas que entrariam no álbum. Com exceção de duas canções (“Caos” e “Porto inseguro”, gravadas em 2012 no espírito “ao vivo em estúdio” ainda em 2012, no estúdio A Casa), “Circo cigano” foi gravado no segundo semestre de 2014 no estúdio Animasom, com produção do próprio trio. “Tentamos fazer um CD ‘orgânico’, tanto que não há qualquer instrumento ‘dobrado’”, explica Alexandre Moraes.

“Mesmo em estúdio, procuramos manter o clima de improviso que rola nos shows. Podemos ir por caminhos diferentes, mas a convergência nos leva ao mesmo ponto.” Dentro desse contexto, acredita, a escolha pela música instrumental em 2010 – quando o grupo ainda era uma dupla formada por Alexandre e André – foi considerada natural.

“Fomos nos aproximando dessa coisa ‘fora de métrica’ que se vê no teatro, com quebras, improvisos, descompassos. E temos influências bem diferentes, que resultam nessa convergência. O André é professor de violino e faz bacharelado em música na UFJF. Ao mesmo tempo, porém, em que tem essa ligação com a música erudita, também é ligado à boemia de Juiz de Fora. O Lula tem ligação com a música popular, o samba, a MPB, e eu venho da escola entre o popular e o erudito. Isso faz com que a nossa música passe pelo rock, a música celta, erudita, o baião e o frevo, entre outros. Juiz de Fora tem público para esse tipo de som”, analisa Alexandre.

Dialogando com outras artes

Há tempos, não faltam críticas a determinados artistas que são vendidos como se fossem uma nova “marca de sabão em pó”, em que a forma se sobrepõe ao conteúdo. No caso do Duolhodágua, porém, a embalagem serve para mostrar a ligação do trio com outras expressões artísticas: de acordo com o projeto aprovado pela Lei Murilo Mendes, “Circo cigano” seria lançado numa embalagem tradicional de CD, mas outras ideias foram surgindo no meio do caminho. Uma delas foi trocar o invólucro de plástico por um embornal, aquela bolsa que tantos carregam a tiracolo, a outra foi convidar diversos artistas para criarem pequenos cartões com artes que tivessem alguma ligação com determinada música. “Convidamos artistas de diversas expressões, como escultura, fotografia, dança, gastronomia, teatro, bordado, desenho, prosa. Mostramos a música reservada a cada um e deixamos bem livre a leitura (de cada uma), e mantivemos o respeito em relação a essas visões”, destaca.

Essa “invenção de moda”, como disse Alexandre, porém, atrasou o lançamento do disco, pois foi preciso buscar patrocínio para fechar os custos do projeto gráfico, a cargo de Daniele de Sá Alves. Conseguimos convencer a Gabriela Machado (produtora executiva) e a Daniele, mas elas compraram a ideia”, conta. A batalha para conseguir o apoio fez com que os custos fossem fechados apenas em abril, mas a concepção visual pensada pela equipe acabou resultando num trabalho que impressiona pelo cuidado e esmero em sua realização, capaz de rivalizar com o produto sonoro contido na bolachinha prateada.

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Esportes

Data: 25/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/jf-reencontra-o-minas-hoje/

JF reencontra o Minas hoje

O Juiz de Fora Vôlei está de volta em casa. Após viajar até Bento Gonçalves, onde foi derrotado pelo Bento Vôlei/Isabela-RS, o time juiz-forano contará hoje com o apoio da torcida no Ginásio da UFJF para encarar o Minas Tênis Clube, pela quinta rodada da Superliga. Um adversário que já mostrou suas armas recentemente, quando se enfrentaram duas vezes no Campeonato Mineiro.

Foram dois duelos em Ponte Nova, em setembro, em ambas as ocasiões com vitórias do Minas. De lá para cá, muita coisa mudou no JF Vôlei, o que pode representar um fator de vantagem para a equipe de Juiz de Fora. “Agora estamos com um volume de jogo muito melhor. Nossa equipe evoluiu muito”, afirma o levantador Felipe Hernandez. “Nosso time mudou bastante, eles não têm muito conhecimento sobre a equipe. Acho que é uma vantagem. Mesmo com o time mais enfraquecido, como era no Mineiro, fizemos um jogo muito disputado, com oportunidade de vencer. Claro que eles também estavam em uma forma física diferente, mas vejo isso como uma vantagem para a gente.”

Se o início de Superliga têm sido de dificuldades para o JF Vôlei, que ainda não conseguiu vencer no torneio, para o Minas a situação não é muito diferente. A equipe de Belo Horizonte iniciou a competição com duas derrotas, para São José dos Campos e Vôlei Brasil Kirin-SP. Na sequência, bateu o Sesi-SP por 3 sets a 0, apontando para um início de reação. Porém, na última rodada, voltou a ser derrotado, dessa vez pelo Funvic/Taubaté. Uma instabilidade que, segundo Felipe Hernandez, pode ser um ponto a ser explorado. “Eles estão buscando espaço para subir na tabela. Vieram de uma temporada muito boa e nesse ano demoraram a engrenar, mas chegam de dois jogos muito bons. Acho que eles vão vir muito pressionados pelo resultado, e vai ser mais um fator para a gente tentar sair com a vitória”, diz Felipe Hernandez.

O JF Vôlei ocupa a lanterna da Superliga, com 2 pontos ganhos. Em quatro jogos, foram quatro derrotas, sendo duas no tie-break. Já o Minas conquistou 4 pontos e ocupa a nona colocação, com três derrotas e uma vitória.

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Esportes

Data: 25/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/coluna-cr-25-11-2015/

Coluna CR – 25-11-2015

De primeira

A convite da Funalfa e da Pró-Reitoria de Cultura da UFJF, a Lúdica Música! assumiu a batuta do show “Tempo de Amor e Alegria”, marcado para 15 de dezembro, no Central.

Com repertório de clássicos do samba e da MPB, o grupo dividirá o palco com Alessandra Crispin, Carlos Fernando, Sandra Portela, Roger Resende, Thiago Miranda, Tresdias e Oficina Lúdica de Ritmos.

A Caravana Mezcla de Palhaços e a Estação Palco farão participação especial na noite, e os convites serão trocados por brinquedos e material escolar.

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Esportes

Data: 25/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/transicao-da-gestao-do-hu-prejudica-atendimento/

Transição da gestão do HU prejudica atendimento

A transição da gestão do Hospital Universitário da UFJF tem ocorrido de forma tumultuada. A administração da instituição está deixando de ser feita pela Fundação de Apoio ao Hospital Universitário (Fundação HU) e passa para a gerência da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). Além disso, a unidade enfrenta uma greve dos funcionários terceirizados. Este quadro tem levado à ociosidade dos leitos, enquanto sobram pacientes de Juiz de Fora e região à espera de vaga na rede pública. Na noite de ontem, por exemplo, dos nove leitos de UTI do HU, apenas cinco estavam ocupados, conforme a coordenadora da Central de Regulação de Vagas Hospitalares, Maria das Graças Carrão. A situação agrava a superlotação nas unidades de pronto atendimento (UPAs), onde pacientes ficam à espera de vagas para internação.

Segundo sindicatos da cidade, o número de pessoas contratadas pela nova gestora não está sendo suficiente para suprir os cargos desocupados. “A transição para a entrada da Ebserh está toda errada. O problema atinge principalmente o setor de enfermagem. A Fundação mandou embora enfermeiros, principalmente técnicos, e pessoas do setor administrativo, e a Ebserh está contratando engenheiro do trabalho – que não tinha na unidade -, médicos, psicólogos, assistentes sociais, mas chamou poucos enfermeiros. A assistência ao usuário está comprometida”, alega o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde de Juiz de Fora (Serv Saúde), Anderson Stehling. “Tem leitos ociosos no HU porque a unidade não está tendo como internar pacientes, já que não tem pessoal para tratá-los”, complementa o presidente do Sindicato dos Técnicos e Auxiliares em Radiologia de Juiz de Fora, Isaías Lopes. Apesar das reclamações, o percentual de leitos ociosos não foi divulgado e nem os setores que estariam mais vulneráveis com as mudanças.

O superintendente do hospital, Dimas Araújo, admite que há leitos parados, mas que são situações pontuais. “Estamos monitorando diariamente. Onde detectamos algum problema na transição, reduzimos a ocupação. Mas já era previsto isso. Com uma transição de volume grande como essa, não tem como o HU funcionar com carga total.” Conforme a coordenadora da Central de Regulação, a vaga é solicitada, e cabe ao hospital aceitar ou negar a internação, necessitando justificar as negativas. “O HU tem alegado que está passando por uma reestruturação administrativa. Como o pessoal está em greve, eles estão sem suporte da enfermagem e da limpeza. A gente não pode submeter o paciente a risco de desassistência, forçando uma internação. O diretor-clínico precisa se comprometer com a internação. Se eles justificam que não têm suporte, não temos como encaminhar os pacientes.”

Novas convocações

Segundo a assessoria da Fundação HU, até o momento, 160 contratos de trabalho foram rescindidos, restando 220 funcionários provenientes da instituição. Já a Ebserh convocou 153 concursados, mas apenas 130 assumiram as vagas, conforme Dimas. Desta forma, 30 cargos estariam vagos. O superintendente reforça que, em janeiro, serão realizadas novas convocações e, até março, todos os 353 funcionários da Fundação HU terão sido substituídos pelos concursados. A Fundação HU disse que possui um acordo com o Ministério Público para que as próximas rescisões sejam feitas em fevereiro e março. O contrato da Fundação com a unidade hospitalar encerra-se em abril.

70% dos terceirizados em greve

Cerca de 70% dos trabalhadores terceirizados, contratados pela Fundação HU, estão em greve devido ao não pagamento do salário referente ao mês de outubro. O percentual representa cerca de 150 pessoas paradas. “No setor de imagem, são 12 funcionários, sendo sete da Fundação HU. Todos os sete estão em greve. O setor está funcionando com menos da metade da equipe. Assim, acaba atrasando o diagnóstico dos pacientes e, consequentemente, o médico demora para conseguir iniciar o tratamento”, afirma o presidente do Sindicato dos Técnicos e Auxiliares em Radiologia, Isaías Lopes.

A Fundação HU informou que o pagamento dos profissionais não foi efetuado por conta de atrasos em repasses financeiros do Hospital Universitário, necessários para a operação. “Deste modo, a Fundação fica impossibilitada de determinar quando o acerto será feito. É importante ressaltar que o pagamento dos funcionários das outras unidades gerenciadas pela fundação, cujos repasses são originados de outros parceiros, já foram realizados”, diz a nota.

Conforme o presidente do Sindicato dos Médicos, Gilson Salomão, os trabalhadores que foram demitidos também estão apreensivos em relação às rescisões. “Ontem (segunda-feira), estivemos no Ministério do Trabalho e estamos avaliando as medidas que vamos tomar já que a Fundação alegou não ter dinheiro para nada.”

O superintendente do hospital, Dimas Araújo, afirma que, no dia 30 de outubro, foram repassados para a Fundação em torno de R$ 1 milhão para a folha de pagamento dos funcionários. “Os recursos referentes às rescisões também estão garantidos pelo MEC (Ministério da Educação) e serão repassados na primeira semana de dezembro.”

—————————————

Veículo: Terra

Editoria: Esportes

Data: 25/11/2015

Link: http://esportes.terra.com.br/lance/sesi-sp-segura-sao-jose-e-assume-vice-lideranca-da-superliga,f5072b4f26d92a2a157700ab8fb54cfcyvaxwf0u.html

Sesi-SP segura São José e assume vice-liderança da Superliga

O Sesi-SP freou a arrancada do São José na Superliga Masculina de Vôlei, nesta quarta (25), em pleno Vale do Paraíba. Mesmo atuando fora de casa, o time da capital paulista conquistou sua segunda vitória consecutiva na competição ao derrotar o adversário por 3 sets a 1 (25/19, 22/25, 25/19 e 25/20). Com o triunfo, o Sesi foi para a vice-liderança provisória da Superliga, com 10 pontos. Já o São José, que buscava a liderança da competição, acabou perdendo sua segunda partida no torneio e pode cair para a quarta colocação. O meio-de-rede Gustavão ganhou o Troféu Viva Vôlei de melhor jogador da partida.

No próximo sábado (28), as equipes voltam à quadra. O Sesi-SP vai enfrentar o Funvic/Taubaté, no Abaeté. Já o São José vai tentar reencontrar o caminho das vitórias contra o Vôlei Brasil Kirin, no Ginásio do Tênis Clube, em São José dos Campos.

No duelo mineiro desta quinta rodada da Superliga, o Minas bateu o Juiz de Fora também por 3 sets a 1 (25/23, 24/26, 25/18 e 25/15). Destaque para o ponteiro Thiago Vanole e o oposto cubano Escobar que devastaram a defesa do Juiz de Fora, no Ginásio da UFJF. Com a derrota, o time da zona da mata segue virgem de vitórias na competição. É o único time sem triunfos no campeonato. Na próxima rodada, mais duelos mineiros à vista, com o Minas enfrentando o Sada Cruzeiro e o Juiz de Fora encarando o Montes Claros.

—————————————

Veículo: Huffpost Brasil

Editoria: –

Data: 25/11/2015

Link: http://www.brasilpost.com.br/2015/11/25/ufjf-banheiros-genero_n_8650268.html

Não à transfobia: UFJF libera uso de banheiros para o gênero com o qual VOCÊ identifica

Na UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora) “você é livre para usar o banheiro correspondente ao gênero com que se identifica”.

Cartazes com a frase acima foram espalhados pelos banheiros da universidade, que aderiu à campanha #liberameuxixi. O objetivo é garantir a pessoas trans o acesso ao banheiro correspondente ao gênero com que se identificam.

“O principal objetivo é criar dentro da Universidade um ambiente que aceite, acolha e respeite as várias orientações, e as formas que as pessoas são e se enxergam no mundo”, disse a diretora de Ações Afirmativas da UFJF, Carolina dos Santos Bezerra.

Por enquanto, os cartazes estão sendo colados apenas no prédio da Reitoria, mas a ideia é que as unidades também façam parte do projeto.

—————————————

Veículo: G1

Editoria: Zona da Mata

Data: 25/11/2015

Link:http://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2015/11/contra-transfobia-ufjf-libera-uso-de-banheiros-por-todos-os-generos.html

Contra transfobia, UFJF libera uso de banheiros por todos os gêneros

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) liberou nesta quarta-feira (25) o uso de todos os banheiros da instituição por qualquer pessoa, conforme o gênero que se identifica. A iniciativa se deu pela adoção da campanha “Libera meu xixi”, voltada ao combate da transfobia em espaços públicos. Nos próximos dias, banheiros de todo o campus receberão uma placa com a frase “Aqui você é livre para usar o banheiro correspondente ao gênero com que se identifica.”.

De acordo com a diretora de Ações Afirmativas da universidade, Carolina Bezerra, a medida demonstra que a UFJF está se enquadrando cada vez mais ao mundo contemporâneo. “Estamos buscando cada vez mais o respeito à diversidade para criar um ambiente mais democrático, diverso e que respeite às diferenças. Ouvimos os setores mais conservadores e progressistas e assim conseguimos achar o meio, o ideal. É um movimento muito complexo e delicado”, disse.

Bezerra também contou que todo o projeto foi feito em conjunto e diversas modificações foram necessárias para que o resultado enquadrasse o maior número de pessoas possível. 

“A ideia de conversar com os movimentos sociais é no sentido de construir junto, dialogar com alunos, professores, funcionários. Neste caso, trabalhamos muito com a equipe da Secertaria de Comunicação. A campanha tinha que ter um foco, mas o problema é que quando você especifica, acaba deixando algum grupo de fora. Por isso adaptamos a mensagem”, contou.

Um dos coordenadores do Coletivo Duas Cabeças, que representa o movimento LGBT dentro daUFJF, Juber Pacífico, disse ao G1 que a decisão pela liberação é só o começo de uma ampla discussão sobre a adoção de banheiros unissex na instituição.

“A demanda chegou através de alunos transexuais que se sentiam constrangidos de utilizar os banheiros, por medo de represálias. Durante a ocupação da Reitoria da UFJF, reivindicamos a mudança. De lá pra cá, fizemos várias reuniões com a Diretoria de Ações Afirmativas e para discutir como seria e chegamos até a campanha. A partir de agora, vamos começar a discutir instalação de banheiros unissex, até para nos posicionarmos de forma oficial sobre o tema”, afirmou.

Identidade social

Em fevereiro deste ano, o Conselho Superior (Consu) da UFJF já havia aprovado o uso do nome social para estudantes e servidores da instituição. Com isso, qualquer pessoa pode se identificar com a identidade sexual ou de gênero que tem em todos os documentos da universidade, como carteirinhas, chamadas de frequência acadêmica, entre outros.

Poucos dias depois, em março, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da Repúblicapublicou a resolução nº 12 do Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoções dos Direitos de Lésbicas, Gays, Travestis e Transexuais, que recomendava o uso de banheiro e uniforme escolar de acordo com a identidade de gênero.

A campanha “Libera meu xixi” é nacional e pode ser conhecida neste link.

—————————————

Veículo: G1

Editoria: Zona da Mata

Data: 25/11/2015

Link:http://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2015/11/faculdade-recolhe-lixo-eletronico-para-transformar-em-presentes-de-natal.html

Faculdade recolhe lixo eletrônico para transformar em presentes de Natal

Instituições de ensino de Juiz de Fora estão realizando campanhas para arrecadar lixo eletrônico, que serão transformados em brinquedos, e lanche para crianças. Os projetos são da Estácio de Sá e da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Na Estácio, a Campanha Natal Makers do Bem tem o objetivo de dar nova vida à sucata eletrônica. Após um treinamento, uma equipe irá produzir cerca de 100 brinquedos em 3horas, no Centro Universitário de Juiz de Fora, localizado na Avenida Presidente João Goulart 600, no Bairro Cruzeiro do Sul.

Ao final do dia, os brinquedos serão doados para instituições da cidade que atendem crianças. A faculdade está recolhendo doações de equipamentos elétricos e eletrônicos que seriam descartados. Elas poderão ser entregues até sexta-feira (27), no Centro Universitário.

Doações na UFJF

Na UFJF estão sendo recolhidos brinquedos novos, refrigerantes, sucos e biscoitos. A campanha “Natal da Inclusão” é uma iniciativa do Núcleo de Pesquisa em Inclusão, Movimento e Ensino a Distância (Ngime).

O objetivo é promover para as crianças da Escola Municipal Jovita Montreuil Brandão, no Parque das Águas, no dia 16 de dezembro, uma tarde interativa e diferente. Serão realizadas atividades físicas inclusivas e lúdicas, além de um lanche para crianças e adolescentes de três a 12 anos.

As doações estão sendo recolhidas até o dia 11 de dezembro no Prédio do Ngime, localizado na Faculdade de Educação Física e Desportos; na Biblioteca Central, localizada no Prédio da Reitoria e na Central de Atendimento, também localizada no Prédio da Reitoria.

—————————————

Veículo: O Tempo

Editoria:Vôlei

Data: 25/11/2015

Link:http://www.otempo.com.br/superfc/cl%C3%A1ssicos-mineiros-marcam-duas-pr%C3%B3ximas-rodadas-da-superliga-masculina-1.1177547

Clássicos mineiros marcam duas próximas rodadas da Superliga Masculina

Um dos principais redutos do voleibol nacional, Minas Gerais terá suas principais equipes medindo forças nas duas próximas rodadas da Superliga masculina de vôlei. Os confrontos serão importantes tanto para melhorar o nível de jogo das equipes quanto para mexer com as posições na tabela.

Os clássicos regionais terão início hoje, no duelo entre Juiz de Fora Vôlei e Minas Tênis Clube, às 19h30, no ginásio da UFJF, na Zona da Mata. Amanhã, será a vez do Montes Claros Vôlei receber o atual campeão Sada Cruzeiro, às 19h15, embates válidos pela quinta rodada da competição. Na próxima jornada, é a vez do Pequi Atômico receber o clube de Juiz de Fora, no sábado, às 18h, e no domingo, às 10h, a Raposa joga em casa contra os minastenistas.

Na disputa desta noite, ambos buscam iniciar uma regularidade na Superliga. A situação do Juiz de Fora Vôlei é um pouco mais complexa. O time é o lanterna, com apenas dois pontos somados, em derrotas no tie-break, e nenhuma vitória. O técnico da equipe, Alessandro Fadul, revela as dificuldades da equipe e a falta de consistência durante as partidas como motivos para não ter alcançado ainda o primeiro triunfo na competição.

“Estamos com dificuldades neste início. Conseguimos pontuar, o que não é de todo ruim, mas estamos aquém do que podíamos fazer. Nosso desempenho vem crescendo e a equipe evoluindo, mas está faltando consistência. Fizemos boas partida contra Maringá, Canoas e Bento, tivemos oportunidade para vencer, mas não conseguimos finalizar as partidas”, avalia.

Para começar a mudar a sua história no torneio, os donos da casa sabem que precisam exibir o seu melhor jogo para superar o rival. “Vimos todas as partidas do Minas e, pra confrontá-los de igual pra igual, temos que forçar o saque e manter desempenho de bloqueio e defesa que tivemos nas últimas três partidas para contra-atacar com eficiência”, aponta Fadul.

O Minas também está em busca de redenção e regularidade. Perdeu três das quatro partidas que disputou. O comandante Nery Tambeiro acredita que os resultados podem ser explicados pela falta de entrosamento.

“Fizemos alguns bons jogos, mas acabamos perdendo. Está faltando um pouco mais de ritmo para equipe e só vamos conquistar isso jogando. O time vai crescer durante o campeonato, a diferença do primeiro para o último jogo foi grande e temos que dar continuidade ao trabalho para fortalecer e conquistar vitórias”, analisa.

Feminino. Coincidências à parte, a próxima rodada da Superliga feminina também reserva um embate entre as duas equipes mineiras na competição. Na quinta rodada, nesta sexta-feira, o Dentil-Praia Clube joga em casa, às 21h30, contra o Camponesa-Minas.

Os dois clubes mineiros estão entre os candidatos ao título. A equipe de Uberlândia é uma das equipes que mais investiu para a disputa. Já o clube da capital, além de contar com boas jogadoras e um técnico experiente, também tem a seu favor a tradição. 

—————————————

Veículo: Hoje Em Dia

Editoria:Horizotes

Data: 26/11/2015

Link:http://www.hojeemdia.com.br/noticias/politica/pris-o-de-delcidio-deixa-governo-sem-negociador-compromete-contas-e-deixa-dilma-vulneravel-1.362615

Prisão de Delcídio deixa governo sem negociador, compromete contas e deixa Dilma vulnerável

As prisões do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) e do dono do Banco BTG Pactual, André Esteves, nessa quarta (25) de manhã, pela Polícia Federal, tiraram o chão do governo Dilma Rousseff (PT), tanto pelas repercussões econômicas quanto políticas e fiscais. O parlamentar, então líder do governo no Senado, é o personagem mais próximo da presidente a ser detido na operação “Lava Jato”. Ao mesmo tempo, ele era responsável pelas negociações do ajuste fiscal no Congresso Nacional, que agora estão suspensas.

Já o banqueiro controla empresas em diversos setores no país e a prisão dele causou desconfiança no mercado financeiro, com queda no valor de ações de bancos.

Ambos estariam agindo para atrapalhar as investigações da “Lava Jato” (veja infografia). A prisão ocorreu um dia depois da detenção do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo próximo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), também pela Polícia Federal, como parte da “Lava Jato”.

Delcídio é o primeiro senador preso desde a redemocratização, em 1988. Ele era um dos principais articuladores no Congresso e participava da maior parte das reuniões de coordenação política do governo, realizadas às segundas-feiras sob comando da presidente Dilma Roussef.

Além de deixar mais difícil o trâmite do governo no Congresso para aprovar as medidas econômicas para este ano, a prisão de Delcídio adiou para o próximo dia 3 de dezembro a votação do projeto de lei que altera a meta fiscal de 2015, que estava prevista para essa quarta (25). Na sessão também seriam votados a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2016 e três vetos presidenciais.

A mudança da meta autoriza o governo a ter um déficit de até R$ 119,9 bilhões neste ano. Mas termina na próxima segunda-feira o prazo para aprovação do decreto de programação orçamentária referente ao último relatório de receitas e despesas da União.

Se a proposta não for aprovada, o governo terá que usar os valores que estão em vigor. Isso obrigaria a União a fazer um contingenciamento de mais de R$ 100 bilhões, o que é inviável, de acordo com o Planalto.

Impeachment

Caso a meta não seja alterada até o fim do ano, a presidente Dilma Rousseff corre o risco de ser enquadrada no crime de responsabilidade fiscal, porque o governo acabaria gastando mais do que o previsto pela lei orçamentária. Um resultado como este daria argumentos a seus adversários para o impeachment.

A prisão de Delcídio, do banqueiro André Esteves e de mais duas pessoas foi determinada pelo ministro Teori Zvascki, relator da “Lava Jato” no Supremo Tribunal Federal (STF). Diante do peso de decisão, Teori levou o caso para a 2ª Turma do Supremo avaliar a liminar, mantida por unanimidade.

Em nota, o advogado do senador, Maurício Silva Leite, questionou a prisão e o posicionamento do STF, e disse acreditar que a decisão será revista. Ele, ainda, questionou a credibilidade do delator.

Ponto de vista

Para o cientista político e professor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Paulo Roberto Figueira, uma das principais consequências da prisão de Delcídio é a instabilidade no Congresso, quando o governo dava os primeiros sinais de articulação de sua base.

“Complica o jogo do governo num momento que parecia ser o início de uma calmaria. A Câmara vinha mantendo os principais vetos de Dilma Rousseff com relação a medidas econômicas, as discussões sobre o impeachment da presidente tinham se acalmado e, agora, a prisão dele rearranja o tabuleiro”, contextualizou.

Segundo ele, a prisão provoca um baque considerável porque atinge o principal articulador político do governo hoje no Congresso. “Delcídio é conhecido pela articulação relevante com os parlamentares, foi tucano antes de ir para o PT, por isso tinha trânsito livre em todos os setores da oposição. O que aconteceu (a prisão) não foi só um dano de imagem”.

Já o cientista político da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Minas), Malco Camargos, acredita que mais uma denúncia de corrupção envolvendo o PT não deve aumentar o desgaste do partido. “É só mais um membro do PT envolvido em processos de escândalos de corrupção. O partido já passa por muitas dificuldades, isso não deve piorar o que já está muito ruim. Não é este ato isolado que vai denegrir sua imagem”.

—————————————

Veículo: G1

Editoria:Zona da Mata

Data: 26/11/2015

Link:http://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2015/11/quero-contribuir-para-ciencia-diz-mulher-que-vai-doar-o-proprio-corpo.html

26/11/2015 06h00 – Atualizado em 26/11/2015 06h00

‘Quero contribuir para a ciência’, diz mulher que vai doar o próprio corpo

Um casal de professores de Rio Pomba, na Zona da Mata, tomou uma atitude pouco comum. Após uma reflexão conjunta, Andreia Albino e Tharcisio Caldeira resolveram doar os próprios corpos para atividades de pesquisa e ensino da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Há quase dois anos, a instituição faz cadastro de pessoas interessadas em fazer esse tipo de doação a favor da ciência pelo projeto de extensão “Sempre Vivo”.

Após a UFJF passar cinco anos sem receber corpos para pesquisas, professores do Departamento de Anatomia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) criaram o projeto, inspirados em trabalhos semelhantes de outras universidades do Brasil e do mundo. Desde então, 25 doadores foram cadastrados e um corpo já foi recebido.

Andreia e o marido descobriram o projeto pela internet depois de uma conversa sobre o que aconteceria com o corpo após a morte. Eles são espíritas e, apesar de não ter sido o motivo principal, isso ajudou na decisão.

“Foi por iniciativa própria, é algo em que a gente acredita. Já temos o hábito de doar sangue, somos cadastrados para doação de órgãos. Como somos espíritas, temos uma ideia própria do que é a matéria. Reconhecemos que, após a morte do corpo físico, ele não serve para mais nada. Quero contribuir para a ciência”, afirmou a professora de 31 anos.

Reação
Andreia é de Ubá, também na Zona da Mata, e Tharcisio, de Belo Horizonte. As famílias deles reagiram de maneiras diferentes. “Eles estão devidamente orientados. Para mim, não teve problema nenhum. A minha família não é doadora, mas eu pretendo convencê-los, sem forçar a barra, claro. Eles estão acostumados com o meu modo de pensar, então isso não foi um problema”, contou.

Já para os parentes de Tharcisio, de 34 anos, a reação foi um pouco mais chocante. “Minha mãe ficou meio indiferente, mas meu irmão, que é médico, achou muito estranho, pediu que eu desistisse, mas nenhum deles tinha um bom argumento para me convencer do contrário”, relatou.

O professor compartilha da ideia da esposa e encara a morte de maneira leve e bem humorada. “Quando eu morrer, não vou precisar desse corpo para nada. Muitas pessoas têm a necessidade de se tornar uma plaquinha, onde as pessoas vão chorar de vez em quando, mas eu não. Prefiro que esteja em uma universidade, formando profissionais, é algo muito mais útil”, completou.

Diferentes visões
Ao contrário da visão do casal acima, o assunto é repleto de tabus. Em entrevista ao G1, uma das coordenadoras do projeto, a professora Alice Belleigoli Rezende, esclareceu a ideia de que não se pode velar o defunto ou que os órgãos seriam descartados caso o corpo fosse doado. Para ela, um dos desafios é a informação.

“Toda a cerimônia pode ser feita, só pedimos que assim que o doador falecer, a universidade seja comunicada. Assim, podemos fazer os trabalhos necessários no corpo. Com relação à doação dos órgãos, uma coisa não inviabiliza a outra. Tendo o falecimento do doador, se ele tiver algo que pode ser retirado, será. O que acontece é que nem sempre a pessoa que morrer vai estar disponível para transplante”, explicou.

Crenças religiosas e aspectos culturais ainda representam um entrave na aceitação da ideia pelo possível doador. “O grande desafio é esclarecer as pessoas. Sempre falamos da importância que isso tem para os nossos alunos, mas é um obstáculo vencer esse assunto. Não é algo tão frequente, ainda é questão de tempo”, contou.

O projeto
A duração de um corpo para estudos pode chegar a 30 anos, dependendo das condições e das atividades às quais vai ser destinado. Por isso, nunca se pensou nessa possibilidade na UFJF, de acordo com Rezende. “As pessoas aqui não tinham essa cultura. Como a UFJF nunca precisou de corpos, não era feita nenhuma ação. Os corpos não reclamados chegavam sempre”, contou.

A ideia do cadastro não é inédita. Diversas universidades brasileiras já realizam o trabalho, como a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), que implementou a doação de corpos há dez anos e serviu como modelo para a UFJF. Antes disso, universidades dos Estados Unidos e de países da Europa já não precisavam receber corpos não reclamados, tamanha a quantidade de doadores, conforme explicou Rezende.

Desde o início do programa, 25 doadores foram cadastrados e, há alguns meses, o primeiro corpo foi recebido pelos estudiosos. A expectativa é que este número aumente, já que o grupo pretende iniciar uma divulgação ainda maior do projeto.

Hoje o trabalho de 15 professores e alunos dos cursos de Medicina e Direito da UFJF é mostrar a importância da doação para o aprendizado e orientação dos mais de 1.200 estudantes de diversos cursos que frequentam o Departamento de Anatomia por semestre.

“Todos os alunos de Saúde, Ciências Biológicas, Psicologia e Artes passam por aqui, então precisamos de um acervo razoável. Antes, recebíamos corpos não reclamados, que são os indigentes, mas hoje em dia isso não é comum. Com o trabalho de identificação da polícia, sempre aparece um familiar ou alguém próximo”, explicou a professora.

Os voluntários tem uma técnica de abordagem. “Em nenhum momento passamos a ideia de convencimento, só informamos às pessoas sobre essa possibilidade e elas ficam sabendo que podem escolher”, revelou a professora.

Para o futuro, a coordenadora pretende tornar o assunto ainda mais comum, não só entre os alunos, mas abrangendo toda a população. “Já fizemos ações internas e está no nosso planejamento fazer campanhas educativas com o público que frequenta a universidade, mas tudo com muita calma, porque sabemos que é um assunto polêmico”, antecipou.

Cadastro
Para se tornar doador, qualquer pessoa com mais de 18 anos deve preencher o cadastro no Departamento de Anatomia, que fica no ICB, no campus da UFJF. Não há limite de idade nem restrição em relação a doenças. A única limitação é o caso da morte ter sido violenta.

No caso de doações de pessoas da Zona da Mata mineira, todo o gasto com transporte do corpo é custeado pela UFJF. Caso a região seja muito distante, o processo fica mais difícil, mas ainda assim é possível realizar a doação, mesmo que a pessoa não tiver manifestado o desejo de doar em vida.

Não é possível saber de quem é o corpo, já que o anonimato é um dos pilares que rege o trabalho dos pesquisadores. “Tem que ser um processo sigiloso, já a partir do momento que o cadastro é feito. Depois da chegada do corpo, temos um processo de descaracterização que nunca mais permite o reconhecimento da pessoa por terceiros”, afirmou Rezende.

Os interessados podem obter outras informações pelo site do projeto ou pelo telefone (32) 2102-3205.

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria:Cesar Romero

Data: 26/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/coluna-cr-26-11-2015/

Condições imperdíveis

Os lotes no residencial Alphaville estarão com condições imperdíveis no “Momento Único”, que acontece sábado, na Rua Cambuí.

O empreendimento, pronto para morar, possui clube completo, amplas áreas verdes, segurança 24h e uma excelente localização.

Prestígio científico

Pesquisador da UFJF, Fábio Roland emplacou, pela quinta vez, artigo na “Nature”, uma das mais conceituadas revistas científicas do mundo.

Sua pesquisa aborda a emissão de gás carbônico em ambientes aquáticos.

 Toque

  “As ilusões são oásis da vida.”

  Creusa Cavalcanti França

Prêmio de Competitividade

A Lila Maria Uniformes Profissionais, pilotada por Raquel Sousa, está entre os finalistas da etapa estadual do Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas – MPE Brasil, hoje, em Belo Horizonte. A promoção é do Sebrae.

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Painel

Data: 26/11/2015

Link: http://www.tribunademinas.com.br/cargos-comissionados/

Cargos comissionados

A Executiva do PMDB vai pedir reunião com o prefeito Bruno Siqueira para tratar da situação dos cargos comissionados ocupados pelo PCdoB na Administração. A proposta a ser encaminhada ao prefeito é para que os comunistas abram mão de tais postos. O argumento dos peemedebistas é o anúncio dos dirigentes do PCdoB, fruto da conferência municipal do último fim de semana, de que terão candidato próprio na sucessão municipal. Em princípio, esse candidato seria o presidente do diretório estadual, Wadson Ribeiro, mas podendo ser também o ex-reitor da UFJF Henrique Duque, que precisa, no entanto, assinar a ficha de filiação. Ainda de acordo com os dirigentes do PMDB, o PCdoB não ficou com Bruno nem no primeiro nem no segundo turno em 2012, e, diante de mesma definição anunciada para 2016, não tem sentido o partido ocupar os cargos na Prefeitura.

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Painel

Data: 26/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/exercito-realiza-gincana-ambiental/

Exército realiza gincana ambiental

Quarenta alunos de quatro escolas municipais de Juiz de Fora participaram, nesta quarta-feira (25), de uma atividade diferente: uma gincana ambiental promovida pelo Campo de Instrução de Juiz de Fora/Centro de Educação Ambiental e Cultura do Exército (CIJF/CEAC), localizado na Remonta, Zona Norte. O tema da atividade, feita em parceria com a Faculdade de Engenharia da UFJF, foi o reuso da água.

Semanas antes da gincana, o Exército enviou às escolas municipais Gilberto de Alencar, Padre Wilson, Carlos Augusto de Assis e Maria Catarina Barbosa, um material didático relacionado ao tema. Os professores trabalharam o conteúdo com os estudantes do 8º ano, e dez alunos de cada instituição foram sorteados para participarem.

Conforme informações do Exército, os adolescentes tiveram que demonstrar seus conhecimentos respondendo a perguntas relacionadas ao reuso da água em um quiz, além de participarem de provas práticas. Em uma delas, os estudantes precisavam reconhecer, em sete caixas d’águas, qual água era própria para a reutilização. Ao final da prova, que também contou com uma corrida com obstáculos, eram somados os pontos perdidos e ganhos.

A escola campeã foi a Padre Wilson, que fica no Bairro Igrejinha, Zona Norte, que ganhou um notebook. Cada aluno do colégio ganhou um pendrive e foram sorteados dois tablets, ofertados pela UFJF. Os tabletes e o notebook foram doados pela Votorantim.

Os prêmios serão entregues nesta sexta, durante a formatura de comemoração do aniversário do campo de instrução

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cidade

Data: 26/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/estudantes-e-reitoria-discutem-demandas-da-ufjf/

Estudantes e Reitoria discutem demandas da UFJF

O vice-reitor no exercício da Reitoria da UFJF, Marcos Chein, se reuniu nesta quinta-feira (26) com representantes dos  estudantes. No encontro, ele informou aos alunos sobre o contexto vivido pela atual gestão e prestou contas sobre os compromissos assumidos junto aos estudantes. O pró-reitor de apoio estudantil, Frederico Freire Rosa, e a diretora de Ações Afirmativas, Carolina Bezerra, também participaram da reunião, esclarecendo questões relacionadas às suas áreas de atuação. O vice-reitor garantiu que são metas, até o final da gestão, a aprovação do Plano de Desenvolvimento Institucional no Conselho Superior, bem como medidas de combate a opressão e discriminação de todo teor. Contudo, não foi informado data para reunião do conselho.

Já em relação ao transporte, Chein explicou que a administração superior encaminhou ofício e fez contato direto com a Prefeitura de Juiz de Fora para ampliar o número de ônibus. Da mesma forma, disse estar atento à circulação dos ônibus da própria universidade no campus, pedindo também o auxílio dos alunos na conferência do cumprimento dos horários. A instauração do fórum de segurança, com a participação de representantes dos estudantes, também foi lembrada como compromisso realizado. A modernização dos canais de comunicação com os estudantes e a publicação dos atos da administração também foram objetivos citados. As reuniões com a comunidade acadêmica serão realizadas mensalmente, conforme a assessoria da Reitoria.

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cidade

Data: 27/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/mocao-de-repudio-contra-campanha/

Moção de repúdio contra campanha

Em proposição de autoria do vereador Oliveira Tresse (PSC), que levou a assinatura de outros parlamentares, a Câmara aprovou, na manhã desta sexta-feira (27), uma moção de repúdio contra a campanha “Libera meu xixi”, colocada em prática pela UFJF na última quarta-feira, com o intuito de combater a “transfobia” em espaços públicos. Com a ação, a instituição federal estampou nas entradas dos banheiros da Reitoria cartazes com os dizeres “Aqui você é livre para usar o banheiro correspondente ao gênero com que se identifica”, objetivando sensibilizar as pessoas e combater o preconceito contra os transgêneros. A intenção é afirmar que existe um respeito à diversidade na universidade e fomentar o uso dos sanitários de acordo com a identidade de gênero dos usuários. Jucelio Maria (PSB) e Roberto Cupolillo (Betão, PT) foram os únicos a manifestar voto contrário à moção de repúdio.

Segundo o texto redigido pelo gabinete de Oliveira Tresse, a campanha da UFJF não respeita a cultura local e prejudica, principalmente, as mulheres, que, no entendimento do parlamentar, ficariam sujeitas a constrangimentos e violência de “pessoas mal-intencionadas”. Apesar de reconhecer o fato de que a gestão da instituição federal extrapola a competência do Legislativo municipal, o vereador lamentou o fato de a ação ter sido tomada de “forma vertical, sem uma discussão com a sociedade”.

Defendendo a necessidade de debates acerca do tema, o vereador Betão chegou a pedir avulso do dispositivo, o que levaria a votação da moção para a próxima terça-feira, em discussão no plenário. Favoráveis à moção, Ana Rossignoli (PDT), Chico Evangelista (PROS), José Emanuel (PSC), José Fiorilo (PDT) e Léo de Oliveira (PMN) se manifestaram pela manutenção da votação, e o pedido acabou derrubado pela maioria dos parlamentares. Um dia antes, André Mariano (PMDB) já havia discursado contrário à ação da UFJF.

Jucelio chegou a sugerir que os vereadores que assinaram a moção se manifestassem de outra maneira, na forma de representação, para evitar o entendimento de que o repúdio partia da Câmara, de forma conjunta. “A representação vai no nome dos vereadores que assinarem e não em nome da Casa.” Diante da manutenção e da aprovação do dispositivo, o vereador solicitou que a Mesa Diretora evidenciasse os votos contrário dele e de Betão ao documento. “A moção está escrita em primeira pessoa. Reflete a opinião do autor. Gostaria que constasse no documento que será enviado à UFJF com os votos contrários.” Presidente da Câmara, Rodrigo Mattos (PSDB) ressaltou que, regimentalmente, o pedido não poderia ser atendido, mas sinalizou que encaminharia junto à moção uma ata da votação desta sexta-feira.

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cidade

Data: 27/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/cargos-comissionados-2/

Cargos comissionados

A Executiva do PMDB vai pedir reunião com o prefeito Bruno Siqueira para tratar da situação dos cargos comissionados ocupados pelo PCdoB na Administração. A proposta a ser encaminhada ao prefeito é para que os comunistas abram mão de tais postos. O argumento dos peemedebistas é o anúncio dos dirigentes do PCdoB, fruto da conferência municipal do último fim de semana, de que terão candidato próprio na sucessão municipal. Em princípio, esse candidato seria o presidente do diretório estadual, Wadson Ribeiro, mas podendo ser também o ex-reitor da UFJF Henrique Duque, que precisa, no entanto, assinar a ficha de filiação. Ainda de acordo com os dirigentes do PMDB, o PCdoB não ficou com Bruno nem no primeiro nem no segundo turno em 2012, e, diante de mesma definição anunciada para 2016, não tem sentido o partido ocupar os cargos na

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Cidade

Data: 27/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/colegio-joao-xxiii-sorteia-75-vagas/

Colégio João XXIII sorteia 75 vagas

O Colégio de Aplicação João XXIII da UFJF oferecerá 75 vagas para o primeiro ano do ensino fundamental em sorteio público às 9h30 de amanhã, na Faculdade de Educação Física, no campus. As vagas são destinadas a candidatos nascidos entre 1º de janeiro de 2009 e 30 de junho de 2010. Poderão concorrer os inscritos entre 19 de outubro e 19 de novembro de 2015 e que tenham pago a taxa de inscrição. A confirmação da inscrição pode ser consultada no site do colégio, onde também é possível imprimir o cartão com o número que deverá ser apresentado no sorteio. Além das 75 vagas, serão sorteadas mais dez, para suplentes, caso ocorra desistência, perda de prazo ou o não preenchimento dos requisitos.

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Artigo do Dia

Data: 27/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/uso-de-banheiros-publicos-na-ufjf/

Uso de banheiros públicos na UFJF

A discussão sobre identidade de gênero é relativamente nova e pretende substituir a divisão por sexos. Se os sexos são apenas dois (masculino e feminino), há a possibilidade de vários gêneros. E é fato que há homens fazendo implantes de silicone para conseguir seios e glúteos parecidos com os das mulheres, mesmo não arrancando o pênis. Há, ainda, mulheres que retiram as mamas e fazem uso de testosterona para aparecimento de pelos e aumento do tom grave na voz, mesmo continuando com a cavidade vaginal.

Ocorre que a separação dos banheiros por sexos, longe de qualquer conotação preconceituosa, serve para preservar a intimidade e a privacidade dos usuários. Eu (homem) tenho o direito de dividir o banheiro apenas com homens; mesmo porque, por ser casado, não quero ver outras mulheres despidas que não minha esposa. É questão de respeito à minha mulher! Por sinal, recorrentes são as “pegadinhas” na TV em que uma mulher invade o banheiro masculino, deixando os homens em nítido constrangimento.

Do mesmo modo, uma mulher também tem o direito de não dividir o banheiro com uma pessoa que, embora aparente ser mulher, é dotada de genitália masculina. Vamos obrigá-la a se despir na frente de um homem? Aliás, homem não deixa de ser homem se cortar o pênis, pois continua com os órgãos reprodutores masculinos e nem potencialmente alcançará o status de gestante.

Dito isso, a proposta da UFJF é ainda mais esquisita em razão da campanha “Libera meu xixi”, com o slogan: “Aqui você é livre para usar o banheiro correspondente ao gênero com que se identifica”. Ou seja, sob o fraco argumento de combate à transfobia, o que se está permitindo é que as pessoas usem qualquer banheiro. O homem entrará no banheiro das mulheres e não poderá ser repreendido; bastará dizer: “me identifico com o gênero feminino”. E quem discordará?

Se aceitarmos essa imposição, estaremos abrindo as portas para o desrespeito com homens e mulheres, inclusive crianças e adolescentes, que querem preservar suas intimidades!

 

—————————————

Veículo: Tribuna de Minas

Editoria: Esportes

Data: 27/11/2015

Link:http://www.tribunademinas.com.br/adjf-disputa-quadrangular/

ADJF disputa quadrangular

Enquanto aguarda a chegada das quartas de final da Liga Nacional de handebol a ADJF/Independência Trade/MRS tem mais um desafio pela frente. A partir de hoje, a equipe juiz-forana tentará manter a hegemonia dentro de Minas Gerais. O atual hexacampeão jogará o quadrangular final do Campeonato Mineiro ao longo desse fim de semana e lutará para ficar com o título diante do torcedor. Montes Claros, Betim e Liespe/Ipatinga serão as pedras espalhadas pelo caminho.

O primeiro desafio será contra a equipe do Vale do Aço, às 20h30, na quadra do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Juiz de Fora, no Bairro Fábrica. “Nos últimos dez anos, nosso principal adversário em Minas é o Ipatinga, uma equipe que sempre dá trabalho, sabe administrar o jogo”, afirma o técnico da ADJF, Carlos Dias. “Mas se nossa equipe jogar como tem feito na Liga, não teremos adversários, embora sempre possam acontecer surpresas. Os adversários aqui em Minas nos colocam como a equipe a ser batida. Todo mundo joga um pouco mais contra a gente. Temos boas equipes no estado, o que falta é estarem mais presentes na Liga Nacional. Nossa ambição é nacional, mas também trabalhamos para a manutenção da hegemonia estadual.”

ntes do duelo entre ADJF e Ipatinga, Betim x Montes Claros abre a competição. Amanhã as partidas seguem no Bairro Fábrica. Às 18h jogam Ipatinga e Betim, enquanto ADJF e Montes Claros se enfrentam logo depois, às 19h30. A rodada decisiva acontece no domingo, no Ginásio do Tupynambás. Montes Claros e Ipatinga se encontram às 11h. Já às 12h30 será a vez de a ADJF encarar o Betim, fechando o Campeonato Mineiro de Handebol 2015.

Juiz de Fora estará representada ainda no Campeonato Mineiro Juvenil masculino, também disputado na cidade. O ADJF/Projeto JF Geração Campeã estreia hoje, às 17h, contra o Sesi Pará de Minas, no Ginásio da UFJF. Amanhã, às 13h, pega Nova Lima, e no domingo a partida final será contra Andradas, às 8h, no Ginásio do Baeta.

—————————————

Veículo: Hoje em Dia

Editoria: Horizontes

Data: 27/11/2015

Link:http://www.hojeemdia.com.br/horizontes/laudo-do-ministerio-publico-conclui-que-agua-tratada-do-rio-doce-e-bebivel-1.363035

Laudo do Ministério Público conclui que água tratada do rio Doce é bebível

O exame técnico realizado pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) a pedido do Ministério Público de Minas Gerais concluiu que a água tratada do rio Doce se encontra dentro dos padrões do Ministério da Saúde. O resultado foi divulgado no fim desta sexta-feira (27).

Foram realizados testes laboratoriais na água bruta do rio Doce, na tratada pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Governador Valadares em estações de tratamento, nos sedimentos coletados no rio Doce e no tanque de decantação do Saae.

O laudo é assinado pela Comissão Técnica Científica da Universidade Federal de Juiz de Fora – Campus Governador Valadares (UFJF-GV). Para as amostras de água bruta coletadas diretamente no rio e nos sedimentos, constatou-se, preliminarmente, a presença de metais, inclusive os classificados como metais pesados segundo a União Internacional de Química Pura e Aplicada (Iupac), os quais estão acima do padrão estabelecido pela Deliberação DNC Copam/CERH-MG.

A comissão de professores da UFJF concluiu que o processo de tratamento da água executado pelo Saae consegue eliminar os metais localizados na água bruta e sedimentos.

Na próxima segunda-feira (30), o parecer científico final dos professores será apresentado com todas as conclusões acerca das análises laboratoriais em questão.

—————————————

Veículo: Revista Exame

Editoria: Brasil

Data: 27/11/2015

Link:http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/ufjf-libera-uso-de-banheiros-para-todos-os-generos

UFJF libera uso de banheiros para todos os gêneros

São Paulo – Na UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora) “você é livre para usar o banheiro correspondente ao gênero com que se identifica”.

Cartazes com a frase acima foram espalhados pelos banheiros da universidade, que aderiu à campanha #liberameuxixi. O objetivo é garantir a pessoas trans o acesso ao banheiro correspondente ao gênero com que se identificam.

“O principal objetivo é criar dentro da Universidade um ambiente que aceite, acolha e respeite as várias orientações, e as formas que as pessoas são e se enxergam no mundo”, disse a diretora de Ações Afirmativas da UFJF, Carolina dos Santos Bezerra.

Por enquanto, os cartazes estão sendo colados apenas no prédio da Reitoria, mas a ideia é que as unidades também façam parte do projeto.

Compartilhe: